JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Defesa do Consumidor

Últimos artigos

Um bom acordo é quando tudo se encaixa
23/07/2014

Adiantamento do 13º salário: ajuda financeira que pode ser bem-vinda
23/07/2014

Norma da ABNT em vigor há um ano restringe reformas em imóveis novos
23/07/2014

Inscrições para o Sisutec começam a partir desta segunda-feira
21/07/2014

Saiba fazer a transferência de dívida de carro ou imóvel para outra pessoa
21/07/2014

ingressos na Copa foram maior reclamação no Procon estadual
21/07/2014

Estudar no exterior já é realidade da classe C
21/07/2014

Além do 'efeito Copa': produtos e serviços no Rio subiram até 143% entre os Mundiais de 2010 e 2014
21/07/2014

Norma da ABNT em vigor há um ano restringe reformas em imóveis novos
21/07/2014

Caixas eletrônicos serão substituídos por banco 24 horas
21/07/2014

Mais artigos...

 

Em São Paulo, cesta básica custa 50% do salário mínimo; em Aracaju, 33%

Texto enviado ao JurisWay em 16/07/2014.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Em São Paulo, cesta básica custa 50% do salário mínimo; em Aracaju, 33%
15/7/2014
imagem transparente

Pesquisa do Instituto Assaf mostra que alimentos básicos pesam mais no bolso do consumidor em alguns locais; para Dieese, salário para dar conta das necessidades básica deveria ser de R$ 3.079

A diferença de custo de vida das cidades brasileiras é gritante, algo que pode ser percebido pelo custo da cesta básica. Em São Paulo, a cesta básica custava R$ 366,54 em maio, ou pouco mais de 50% do valor atual do salário mínimo (R$ 724). Na capital cuja cesta básica tem menor valor (em Aracaju, ela custa R$ 241,72), o porcentual é de apenas 33,39%, apontou um levantamento do Instituto Assaf, feito com base em dados do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) de maio.

Em média, no Brasil a cesta custa 44,5% do salário mínimo. "Em maio do ano passado o porcentual era de 44,3%, mas o salário mínimo era menor (R$ 678). Ou seja, mesmo com o salário mínimo tendo subido entre os dois anos, o porcentual que a cesta básica representa manteve-se praticamente estável na média nacional", comenta o pesquisador do Instituto Assaf, Fabiano Guasti. "Isso significa que gastou-se mais, embora porcentualmente não tenha tido variação significativa", explica.

Com base nisso, o Dieese calculou em maio que o salário mínimo necessário para satisfazer as necessidades básicas de uma família deveria ser de R$ 3.079,31, ou seja, 4,25 vezes o mínimo em vigor. No infográfico abaixo, o porcentual da cesta básica sobre o salário mínimo em 15 cidades cujo valor aumentou entre 2013 e 2014:

Em relação a maio de 2013, o preço da cesta aumentou em 15 de 17 capitais, ou em 88% das cidades pesquisadas. "É a inflação que dói no bolso, no dia a dia, porque envolve os alimentos de consumo básico", diz Guasti. Entre os fatores que contribuíram para a alta está o clima e a sazonalidade da produção.

Entre as 15 altas, nove ficaram acima da inflação oficial do governo, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que até maio acumulava alta de 6,38%. Nas capitais em que o valor aumentou, a variação média foi de 7%, sendo portanto 0,62% superior ao IPCA.

Duas capitais registraram queda: em Manaus houve recuo de 3,1% e em João Pessoa a cesta básica caiu 5% entre maio de 2013 e maio de 2014.

A cesta básica do Dieese é composta por carne, leite, feijão, arroz, farinha, batata, legumes (tomate), pão francês, café em pó, frutas (banana), açúcar, óleo de banha e manteiga. A quantidade varia de acordo com a região.



Fonte: Msn.com
Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados