JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Reflexo Jurídico
Autoria:

Lídia Salomão


Advogada atuante em Belo Horizonte/MG, graduada em Direito pela PUC-MG, pós graduada em Direito Civil e Processual Civil pela UNIPAC. Tel: (31) 3227.3388
 

Ato ilícito da loucura: mãe prende as três filhas em casa durante sete anos

Um caso descoberto em 2005, mas só divulgado agora, choca a sociedade austríaca e também todo o mundo. Uma mãe manteve suas três filhas trancadas em casa durante sete anos, sem que as meninas tivessem qualquer contato com o mundo externo.
 
A casa encontrava-se imunda, cheia de ratos, com as cortinas fechadas e sem lâmpadas, o que transformava a vida das meninas em um verdadeiro “inferno”.
 
A mãe, advogada de 53 anos, responde atualmente naquele país a um processo por negligência e agressão corporal grave. Mas, no Brasil, quais seriam as implicações jurídicas enfrentadas por esta mulher?
 
Inegavelmente, esta mãe praticou durante sete anos atos ilícitos que transformaram a vida de suas filhas. Comete ato ilícito aquela pessoa que, por ação ou omissão voluntária, negligência, imprudência ou imperícia, viola um direito e causa dano a outra(s) pessoa(s).
 
A legislação brasileira determina que aquele que pratica ato ilícito e, em virtude deste, cause dano a alguém, fique obrigado a repará-lo.
 
O cárcere privado ao qual foram submetidas estas meninas feriu não apenas o direito de ir e vir das mesmas, mas principalmente o princípio da dignidade da pessoa humana, pois as condições em que elas “sobreviviam” eram de extrema sujeira e horror.
 
O art. 954 do Código Civil Brasileiro estabelece que “A indenização por ofensa à liberdade pessoal consistirá no pagamento das perdas e danos que sobrevierem ao ofendido,...”.  Mais à frente, em seu parágrafo único, determina que o cárcere privado constitui uma forma cerceamento de liberdade pessoal.
 
Por isso, sem prejuízo das sanções penais, se tamanha crueldade tivesse ocorrido no Brasil, a “mãe” dessas meninas deveria ressarcir por meio de perdas e danos todo o sofrimento por ela causado e que jamais será apagado da memória de suas “filhas”.
 
Ainda conforme o mostrado nos noticiários, esta “mãe” manteve dolosamente estas filhas trancadas e não poderia apenas ser considerada negligente. Como o ato ilícito engloba os casos de dolo e culpa, o seu grau de culpabilidade geraria para suas filhas a mesma conseqüência: o pagamento de perdas e danos.
É certo que a indenização por perdas e danos (morais e materiais) jamais as restituirá estes 7 anos de sofrimento, servindo apenas como compensação (se isto é possível mediante tanto sofrimento).
Importante:
1 - Todas as informações podem ser citadas na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

 
 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados