JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Reflexo Jurídico
Autoria:

Lídia Salomão


Advogada atuante em Belo Horizonte/MG, graduada em Direito pela PUC-MG, pós graduada em Direito Civil e Processual Civil pela UNIPAC. Tel: (31) 3227.3388
 

Cabe indenização à família do contínuo encontrado com cocaína nos escombros do metrô paulista?

Na noite de quinta-feira (25/03/07) foi retirado dos escombros do metrô paulista o corpo de sua última vítima fatal: Cícero Augustinho da Silva. No entanto, no domingo, um laudo do Instituto de Criminalística da Polícia Civil de São Paulo atestou que o contínuo levava no bolso 13 treze papelotes de cocaína (o que equivale a 36 gramas da droga).
 
A indagação, então, iniciou-se: será que a família da vítima ainda tem direito a receber indenização?
 
A resposta é sim. Permanece o direito da família em receber a indenização pela morte do contínuo. A família do contínuo tem direito garantido de receber as indenizações por danos materiais e morais decorrentes da sua morte.
 
A indenização pelos danos materiais serve para a família pagar todas as despesas decorrentes da tragédia, tais como o funeral e luto da família. Este dano é de fácil avaliação em dinheiro, pois resulta dos prejuízos no patrimônio da família.
 
A indenização pelos danos morais é na verdade uma compensação, pois a vida do contínuo não tem preço. Apenas se tenta conseguir uma compensação em dinheiro pela dor da perda.
 
O complicador neste caso refere-se à indenização pelos lucros cessantes. Os lucros cessantes significam o valor que a vítima receberia ao longo da sua vida caso não tivesse morrido no acidente.
 
Neste caso, a indenização por lucros cessantes deve recair apenas sobre os ganhos lícitos (sejam formais ou informais) do contínuo. Podendo a família comprovar que o mesmo possuía um ganho lícito, a indenização por lucros cessantes será fixada sobre os mesmos. O que certamente ocorre é o não pagamento pelas atividades ilícitas praticadas pelo contínuo.
 

Portanto, fato da suspeita de tráfico não exclui seu direito à indenização. Não é de forma alguma excludente de responsabilidade. Quem ocasionou o acidente (seja o consórcio, seja o Estado, etc.) deve ser responsabilizado pagando as indenizações devidas.

Importante:
1 - Todas as informações podem ser citadas na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

 
 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados