JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Nova constituinte?


Autoria:

Thalya Aparecida Apolinaria Marcelino


Estudante de Direito na instituição acadêmica Universidade de Uberaba.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Trata-se de uma consulta a fim de esclarecer as duvidas sobre uma nova constituinte para o nosso país. Relatando como seria essa constituinte?

Texto enviado ao JurisWay em 16/08/2018.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Uma Constituinte exclusiva é um poder democrático de ruptura com a ordem estabelecida para criar uma nova Constituição. Ela é exclusiva, pois é eleita para fazer a nova Constituição e depois se dissolve. A Constituinte para fazer a reforma política é uma novidade: é um poder constituinte originário, pois é soberano, ou seja, não se limita, na ordem jurídica vigente, nem pelo Congresso, nem pelo Judiciário (inclusive o STF), nem, tampouco, pelo Executivo; é exclusivo, pois será eleito somente para fazer a reforma; é temático, pois ( e ai está a novidade ) será eleito somente para fazer a reforma política sem limites no atual sistema. Assim, resumindo: poder constituinte originário inaugura uma nova ordem; exclusivo, pois eleito para cumprir essa tarefa e depois se dissolve; e temático, pois se limita a fazer a reforma política apenas, e isto é uma novidade, plenamente possível e sustentável diante da teoria da Constituição.

Uma importante questão a ser estudada diz a respeito de como seria essa nova constituinte, como seria a votação e quem participaria da nova Assembleia. Para haver uma democracia, e ser legitima, não deveria ser representada por políticos como foi à assembleia para a constituição vigente, e sim por todos os cidadãos que queiram participar, seja representantes de movimentos sociais, etnias, lideranças religiosas etc. O qual seria convocado através de um plebiscito feito pelos cidadãos através dos votos.

A ideia de uma Assembleia convocada por um plebiscito é algo questionado por muito juristas, por que afronta as clausulas pétreas. Quando a constituição foi feita foi previsto em seu artigo 60 que a única alteração da constituição seria através da PEC.

Art. 60. A constituição poderá ser emendada mediante proposta

 

 

O Art. 60 é considerado uma clausula pétrea, ou seja, não admiti mudanças nela mesmas, fazendo com que os direitos obtidos na constituição fossem assegurados. Compreende-se que o descumprimento dessas normas, é

inconstitucional, pois viola os limites impostos. Mesmo que essa nova carta constitucional fosse feita por uma constituição exclusiva formada pelo povo, que certeza teria quanto à garantia dos direitos já conquistados, que não seria propostas voltadas para a satisfação dos próprios interesses dos grupos? Seria jogar a constituição contra ela própria.

No artigo 3º da constituição temos os objetivos fundamentais da constituição de 1988.

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da Republica Federativa do Brasil:

I – Construir uma sociedade livre, justa e solidária;

II – Garantir o desenvolvimento nacional;

III – Erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;

IV – Promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.

 

A constituição de 1988 foi criada em um momento da historia, que a sociedade vivia sobre censura, não tinham condições de reclamar o seu direito, vivia no regime militar. Cansados de ser oprimidos resolveram reclamar nas ruas seu direitos, ganhando cada vez mais voz a constituição presente e marcada por uma historia construída a partir de varias lutas da sociedade. Devemos lembrar que a constituição de 1988 foi feita por legisladores que estavam durante a ditadura militar, mas que as propostas saíram da necessidade que o povo se encontrava.

Ainda falando sobre a Constituição de 1988, desempenha uma dupla função de garantia do existente e programa ou linha de direção para o futuro. Isto é, não se limita a garantir as relações existentes, mas vai além, para ser uma Constituição de uma sociedade em devir, como instrumento de direção social que está em consonância com a crescente complexidade de uma sociedade antagônica, aberta e plural. E o Direito, nesse passo, assume uma função promocional, voltada à implantação da igualdade, justiça social, respeito aos direitos fundamentais, etc.

Agora analisando o artigo 3º acima, vemos que quase todos os objetivos fundamentais deles, não funcionam como deveria; um exemplo é o inciso III, ao

contrario do que ele descreve, a nossa sociedade é marcada pela desigualdade social, pela pobreza e pela marginalização. Culpa do texto constitucional ou da dificuldade da concretização dele? O grande problema do Brasil não esta em sua constituição, e sim na não aplicação dela. Não se pode revogar uma constituição por ela não funcionar como deveria, motivos para essas falhas esta no sistema politico e judiciário do nosso país, que se funcionassem como deveria, tudo seria colocado em ordem. Ao invés de pretextos para uma nova carta constituinte, deveriam focar a atenção em interpreta-la corretamente e fazer funcionar.

A constituição de 1988 chamada também de ‘Constituição Cidadã’, ampliou consideravelmente os direitos sociais e fundamentais, ela funciona como um ideal a existência humana que o Estado tem o dever de garantir, pois ela compreende a dignidade humana nos aspectos, social, psicológico e moral.

Visto a noção de supremacia da Carta Maior frente às outras normas jurídicas decorre de sua gênese, embasado em um poder fundador e instituidor dos demais poderes, nascendo daí seu epíteto, poder constituinte. O poder constituinte pode ser analisado em uma dupla função, qual seja: originário e reformador, o primeiro trata-se do poder elaborar as cartas constitucionais, o segundo tem como atribuição a reforma das constituições, como objetivo de adequá-las ao contexto social e político vigente.

O poder constituinte não se subordina a qualquer outro, possui sua própria natureza, é absolutamente livre, se expressando do modo que lhe convier, se funda sobre si mesmo, precisamente por ser antecedente ao ordenamento jurídico e consequentemente aos poderes constituídos.

Vimos que não seria a melhor saída, pois, o Poder constituinte reformador não esboça as mesmas particularidades do poder constituinte originário, pois um advém do outro, daí se arrebata a sua característica, qual seja a derivação, já que ele se origina de outro poder que é estabelecido na própria Constituição, além de descender, ele é também subordinado ao Poder constituinte que o criou, existindo uma série de limites que podem ser explícitos, quando aparecem no texto constituinte, e implícitos, já que não constam expressamente na Constituição.

 

Referências bibliográficas

MORAES, Jorge. Manual do Direito Constitucional. 25. Ed. São Paulo: Atla

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Thalya Aparecida Apolinaria Marcelino) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados