JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

LICITAÇÃO - "BREVES COMENTÁRIOS"


Autoria:

Jose Wilamy Carneiro Vasconcelos


Bacharel em Direito pela flf-Faculdade Luciano Feijão. Membro da ALMECE- Academia de Letras dos Municípios do Ceará, patrono da Cadeira nº 97 do Município de Forquilha. Professor-palestrante, biógrafo, escritor autor da Obra -Tempo de Sol - Tudo se pode Sonhar.Publicou em 2018 o livro "Os Estados Unidos de Sobral"."Sonhos do Amanhã".Autor da Poesia Diário de um Professor.É poeta, memorialista, cronista, pesquisador, cordelista. Possui graduação em Ciências (Matemática) e Construção Civil (Edificações)pela Universidade Estadual Vale do Acaraú. Especialista em Meio Ambiente na Universidade Vale do Acaraú em Sobral-CE.Colaborador e autor de diversos artigos na web.Em 2019, publicou:Einstein e Sobral - A Cidade Luz.Em 2020 publicou "Padre Sadoc - O Homem de Mente Brilhante". e "O Menino que se Transformou o Didi-Mocó o Trapalhão e o cordel Forquilha-Passado, Presente e Futuro, "O Barão de Sobral"."Soneto do Amor" de sua autoria foi escolhido em 2019 na Bienal Internacional do Livro.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Aposentadoria de servidores públicos municipais ligados ao RGPS e a extinção do vínculo estatutário

A (IN)APLICABILIDADE DO ART. 37, § 6º DA CF DE 1988 ÀS EMPRESAS PÚBLICAS E SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA EXPLORADORAS DE ATIVIDADES ECOMÔMICAS

RESPONSABILIDADE CIVIL DE ÓRGÃO PÚBLICO EM CASO DE ACIDENTE DE TRÂNSITO

Saque de saldo remanescente de conta individual do PIS

PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO FISCAL:

CRIME E ILÍCITO ADMINISTRATIVO

DA REPARAÇÃO CIVIL POR DANOS PATRIMONIAIS E EXTRAPATRIMONIAIS POR DANOS CAUSADOS POR OBRAS PÚBLICAS

A ÉTICA E A MORAL COMO ESSÊNCIA DO INSTRUMENTO LABORATIVO NA POLÍCIA MILITAR DOS ESTADOS

COLISÃO ENTRE OS PRINCÍPIOS DA LEGALIDADE E DA EFICIÊNCIA NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Guarda Municipal de Curitiba

Mais artigos da área...

Resumo:

Antes de tecer comentários sobre o tema "LICITAÇÂO", abrirei um parêntese sobre a parte introdutória conceitual do Direito Administrativo.. Aqui, conheceremos a parte introdutória de Licitação, Tipos. Norma geral,Modalidades e Competência..

Texto enviado ao JurisWay em 29/04/2018.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

 

LICITAÇÃO” BREVES COMENTÁRIOS!.

 

 SUMÁRIO

 

1-LICITAÇÃO; 1.1-NORMA LEGAL; 2. TIPOS DE LICITAÇÃO; 2.1- COMPETÊNCIA PARA LEGISLAR; 3- MODALIDADES DE CITAÇÃO;4 NOVA MODALIDADE DE CITAÇÃO.

 

Antes de tecer comentários sobre o tema “LICITAÇÂO”, abrirei um parêntese sobre a parte introdutória conceitual do Direito Administrativo.

 

Na escola francesa dirigida por Gianquinto e Ducrocq e escola subjetiva (italiana) ambientada por Ranelletti, Foignet e Meucci, dentre outros autores, doutrinadores, derivam a diversidade de definições doutrinária do Direito Administrativo. Demarca-se então uma profunda amplitude sobre o conceito. [1]

 

Os Princípios Fundamentais de toda atividade da Administração Pública encontra-se implícita ou explicitamente na Constituição Federal Brasileira de 88, mas conhecida como Constituição Cidadã (Art. 37 da CF/88).

 

O conceito de Direito Administrativo Brasileiro, para nós, sintetiza-se no conjunto harmônico de princípios jurídicos que regem os órgãos, os agentes e as atividades públicas tendentes a realizar concreta, direta e imediatamente os fins desejados pelo Estado. (MEIRELLES. 1996, p.29). [2]

 

Dentre os conjuntos de princípios jurídicos encontrados no Direito Administrativo, encontramos os Contratos Administrativos, com fundamento legal na Lei n. 8.666/93, excluindo-se das regras gerais os Contratos de concessões e permissões de serviços públicos (Lei n. 8.987/95). [3]

 

  

  1. Licitação

 

1.1 Norma Legal.

 

A licitação é exigida pelo contrato administrativo e só é dispensável ou inexigível nos casos previstos expressamente em lei. Sofreu modificação no Direito Brasileiro desde o Código da Contabilidade Pública da União de 1922, até o Dec. Lei 200/67, Lei 5.456/68, Lei 8.666/93 (alterada pela Lei 8.883/94) e a regulamentação no art. 37, XXI, da CF e normas gerais sobre licitações e contratos previstas no art. 22, XXVII, da mesma CF/88. 

 

Aditada as considerações gerais vejamos a parte: Conceitual, Tipos, competência e modalidades de licitação

 

Constata-se que os conceitos mesmo amplos e diferenciados por doutrinadores encontraram pontos fundamentais e essenciais que cumpre norma, diretrizes e acentuam pontos primordiais em suas características. [4] sobre conceito e normas gerais, v. acórdão do STF.     

 

 

  1. Tipos de licitação

  

Na fase interna da licitação a unidade estatal responsável, efetua a pesquisa de preço do mercado, para prevê o custo do objeto.   

 

Os tipos de licitação são definidos no § 1º do art. 45, da Lei nº 8.666/93. São eles: a) Melhor preço; b) Melhor técnica; c) Técnica e preço; d) Maior lance ou oferta, nos casos de alienação de bens ou concessão de direito real de uso.

 

A licitação menor preço é um tipo de licitação padrão, a Lei nº 8.666/93 estabelece normas gerais sobre licitações e contratos administrativos pertinentes a obras, serviços, inclusive de publicidade, compras, alienações e locações, da União, dos Estados, Distrito Federal e Municípios. Nos casos de licitação menor preço entre os licitantes considerados qualificados a classificação se dará pela ordem crescente dos preços propostos. (§ 3º do art. 45 da lei 8.666/93)

O Tribunal de Contas da União autoriza a presença de amostras em licitação cujo tipo aceitado é o de menor preço. No caso de empate entre os licitantes, a classificação se fará obrigatoriamente por sorteio, para todos os licitantes em ato público, nos quais serão eles convocados, proibido a qualquer outro processo

Persistindo o empate entre os licitantes, aplica-se o art. 45, § 2 da Lei nº 8.666/93, que determina e seja efetuado o sorteio em ato público, para o qual todos os licitantes serão convocados.

Para a licitação melhor técnica ou técnica e preço, serão utilizados exclusivamente para serviços de natureza prevalente intelectual, em especial na elaboração de projetos, cálculos, fiscalização, gerenciamento e de engenharia consultiva em geral e para elaboração de estudos técnicos introdutórios e projetos básicos e executivos. [5] art. 46 da Lei 8.666/ 93.

 

2.1 Competências para legislar

 

A Constituição Federal reconheceu as competências dos entes federativos, reservandos à União e aos Municípios competências expressas, e aos Estados, eximidas competências fixadas no § 2º do artigo 25 (as competências residuais); (art. 25, § 1º)

Segundo a doutrina, a “competência é concorrente”. Significa dizer que existem regras da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Mas, conforme a CF/88 “A competência seria privativa da União”.

Atribui a União Federal a competência para legislar sobre normas gerais de licitação e contratação pública. [6] 

A licitação está subordinada a todos os princípios gerais do Direito Administrativo, mas, existem dois específicos: a) Princípio da vinculação ao instrumento convocatório; b) Princípio do julgamento objetivo.  O primeiro declara que, uma vez estabelecida às regras do certame, eles devem ser cumpridos em seus exatos termos. Em se tratando de regras constantes de instrumento convocatório, deve haver vinculação a elas. Assim estabelecidos nos artigos 3º, 41 e 55, XI da Lei n 8.666/93

Para Di Pietro “Trata-se de princípio essencial cuja inobservância enseja nulidade do procedimento”. E no dizer de Hely Lopes, o “princípio básico de toda licitação”. [7]

O segundo princípio; o princípio do julgamento objetivo é a resultante, conseqüência, decorrência lógica do anterior. Por esse princípio, obriga-se a Administração a se firmar ao critério fixado no ato da convocação, evitando o subjetivismo no julgamento. Assim confirmado nos art. 44 e 45 do Estatuto Federal Licitatório. Assim vejamos:

 “Art. 44. No julgamento das propostas, a Comissão levará em consideração os critérios objetivos definidos no edital ou no convite, os quais não devem contrariar as normas e princípios estabelecidos por esta Lei.

 

  1. Modalidade de licitação

 

Cinco são as modalidades de licitação. Compreende as seguintes modalidades: Concorrência, Tomada de preço, Convite, Concurso e Leilão. Cada uma com características próprias, seguidas a determinadas tipos de contratação. Entretanto apenas três tem o mesmo objetivo (concorrência, tomada de preço e convite) – contratação de obras, fornecimento e serviços. Já o concurso e leilão têm objetivos próprios e diferenciados. São expressas na lei, nenhuma outras além delas podem ser pela Administração. [8] Art. 22 da Lei. 8.666/93

O artigo 22 da Lei 8.666/93 in verbis: I- Concorrência; II- Tomada de preços; III- Convite; IV- Concurso; V- Leilão. 

Os pressupostos da licitação são: pressupostos lógico, jurídicos e pressupostos fáticos.

 

 

I – Concorrência 

 

Na conceituação de Hely Lopes Meirelles, “Concorrência é a modalidade de licitação própria para contratos de grande valor, em que se admite a participação de quaisquer interessados, cadastrado ou não, que satisfaçam as condições do edital, convocados com antecedência mínima prevista na lei, com ampla publicidade pelo órgão oficial e pela imprensa particular”. [9]

A concorrência tem previsão no art. 22, I e § 1º, do Estatuto. No entanto a lei requisita a concorrência em outras situações em que não se considera o valor, mas sim a natureza do negócio (contrato ou convenção) a ser celebrado. Obrigatória nas contratações de obras, serviços; na alienação de bens imóveis.

Nas licitações internacionais, ocorre o mesmo, assim quando há interessados de outros países na concessão de direito real de uso. Na concorrência, há dois tipos básicos; A nacional e internacional.

A própria nomenclatura a define, a primeira como o nome já diz é realizada dentro de nosso território nacional. A segunda, é aquela que participam empresas internacionais, ou seja, empresa estrangeira

O limite de contratação para obra e serviço de engenharia na concorrência é acima de R$ 1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil reais). Para compra e serviços acima de R$ 650.000,00 (seiscentos e cinqüenta mil reais).[10] Cf. Art. 23, I “c” e II, “c” da Lei 8.666/93. 

 

2Tomada de preços

 

Estabelecida em lei pelo § 2º do artigo 22 do Estatuto, a tomada de preços é a modalidade de licitação entre interessados devidamente cadastrados ou que atendem todas as condições exigidas para cadastramento até o terceiro dia anterior à data do recebimento das propostas, observadas a necessária qualificação.  

Diferencia da modalidade concorrência, em virtude de ser contratação de médio vulto e menos formal, tal como o leilão. Tem prazos menores que a concorrência, 15 dias é o prazo da tomada de preços, muito embora haja obrigação de publicação dos avisos nos editais.

Uma das características e distinção da tomada de preço em relação à concorrência consiste na possibilidade de inscrição do interessado nos registros cadastrais. A tomada de preço é aceitável nas contratações de obras, serviços e compras dentro dos limites dos valores estabelecidos no ato administrativo competente.

Para concessão nas obras e serviços de engenharia a modalidade tomada de preço tem o limite de contratação até 1.500.000,00 (Hum milhão e quinhentos mil reais), e para compras e serviços os valores até 650.000,00 (Seiscentos e cinqüenta mil reais). [11] Vide art. 23, I “b” e II “b.

 

3- Convite

 

Nessa modalidade não há edital, não exige publicação, isto é, dispensa a apresentação de documentos, mas quando estes exigidos, serão apresentados os documentos conforme as demais modalidades de licitação e  deverá ser entregues em envelopes distintos.

A modalidade convite é um tipo de licitação mais simples, com menor formalismo, destinando em contratações de menor vulto para obras e serviços de engenharia o convite chega à faixa de (150 mil reais) e para compras e serviços os valores chegam até (80 mil reais) [12] art. 23, I, “a”, e II, “a” do Estatuto).

Nessa modalidade não há edital, o instrumento é a carta-convite, nesta são colocadas as regras de licitação, remetidas no mínimo a três interessados do objeto contrato, entre empresas cadastradas ou não.

Por conseguinte, sem menor dúvida, o modus procedendi da modalidade convite, exprime maiores vantagens no tocante a atos de improbidade administrativa por alguns maus administradores.

 

4- Concurso

 

Concurso é a modalidade de licitação entre quaisquer interessados para a escolha de trabalho técnico, cientifico ou artístico, mediante a instituição de prêmios ou remuneração aos vencedores, conforme critérios constantes de edital publicado na imprensa oficial com antecedência mínima de 45 (quarenta e cinco) dias. [13]

 

De acordo com a lei e (arts. 22, 51, §5º e 52) admite condições que devem ser fixadas no regulamento para licitação de elaboração de projetos. Tal regulamento estabelece diretrizes, forma e apresentação do trabalho, indicação de qualificação exigida, fixando as condições, as realizações e os prêmios a serem concedidos. Deverá ser anunciado através de edital, com divulgação na imprensa oficial e particular, com prazo conforme citado acima 45 (quarenta e cinco dias).

 

Conforme observa CARLOS ARY SUNDFELD que há pouca diferença entre a modalidade de concurso e a do tipo de melhor técnica. Neste, porém, a Administração deverá fixar com objetividade os critérios, ao passo que no concurso a tônica é o julgamento relativamente subjetivo (mas não arbitrário). [14]

 

Já para (CARVALHO FILHO, 2005. p, 212) como se trata de seleção de projeto intelectual, cumpre que a comissão que dirige a licitação seja bastante criteriosa e apta intelectualmente, uma vez que não é difícil perceber que, em face do inevitável subjetivismo seletivo, pode ser facilitado eventual desvio de finalidade. [15] grifo nosso

 

 

5- Leilão

 

Leilão é a modalidade de licitação entre quaisquer interessados para a venda de bens móveis inservíveis para a administração ou de produtos legalmente apreendidos ou penhorados, ou para a alienação de bens imóveis prevista no art. 19, a quem oferecer o maior lance, igual ou superior ao valor da avaliação. [16] (§ 5º do art. 22 do Estatuto). (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)

Na modalidade leilão, a Administração pode ter três objetivos: A) vender bens móveis inservíveis; b) vender produtos legalmente apreendidos ou penhorados; e 3) alienar bens imóveis adquiridos em procedimento judicial ou através de dação em pagamento, como permite o art. 19 do Estatuto.  

Na modalidade leilão, a regra geral é; se o candidato que oferecer o maior lance, tem direito à compra, devendo ser igual ou superior à avaliação do bem.

Dois procedimentos importantes acontecem no leilão, o primeiro é a publicidade e ampla divulgação, obedecendo então o principio da publicidade (art. 53, §4º). O segundo requisito é o principio da preservação patrimonial dos bens públicos, que está intrínseco no (art. 53,§ 1º do Estatuto).

 

4- Nova modalidade de licitação- (Lei nº 10.520/02)

 

As enormes reclamações provenientes da Administração Pública não conseguiram ensejar em muitos casos a rapidez nas atividades dos órgãos administrativos, no tocante aos processos licitatórios. Tais processos licitatórios entram pela exagerada burocracia no transcurso satisfatório da licitação.

Considerando a tais clamores, foi publicada a Lei n 10.520/02, na qual foi instituída, no âmbito da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, nos termos do art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, o pregão, como nova modalidade de licitação [17]

O intuito dessa nova modalidade é dar maior celeridade no processo de escolha de futuros contratantes da Administração. Com esse certame surgiram as Medidas Provisórias nº 2.026 e 2.182.

Várias edições de medidas provisórias surgiram, e algumas com restrições, fato por se adotar apenas à União e não aos Estados, Distrito Federal e Municípios. Assim sobre essa modalidade licitatória não serei recorrente, além de que falo sucintamente sobre a Licitação.

Ademais, disponho aqui fontes aos leitores no tocante aos estudos mais escavado sobre essa modalidade licitatória, na (Revista Doutrina, vol 10, ano 2000) e consultem os trabalhos - “Pregão: nova modalidade licitatória” de Marçal Justen Filho.[18]

Aplicam-se subsidiariamente, na modalidade pregão, as normas da Lei n 8.666/93. Na fase externa do pregão será iniciada com a convocação dos interessados verifica-se- á o art. 4º da Lei 10.520/92.

No pregão deve ser utilizado para compra de bens e serviços comuns, não há limites para valores. Salienta-se que para compras cujo valor fique abaixo de (oito mil reais) ou obras e serviços de engenharia abaixo de (quinze mil reais), é dispensável a realização de licitação.

O prazo de validade das propostas será de 60 (sessenta) dias, se outro não estiver fixado no edital. [19]

O prazo de validade das propostas será de 60 (sessenta) dias, se outro não estiver fixado no edital.

 

 

REFERÊNCIA

 

 

[1] Ducrocq, cous de droit Administratif er de Legislation Française des Finances, 1881, p.5; Batbie, Traité Théorique ET Pratique du Droit Public et Administratif, 1893, III/8 Gianquinto, Corso di Diritto Pubblico Amministrativo, 1877, 1/8.

[2] MEIRELLES, Hely Lopes, Direito Administrativo Brasileiro, 1996, p.29) 22ª ed. Editora  RT São Paulo.

[3] Brasil, LEI Nº 8.666 DE 21 DE JUNHIO DE 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências.

[4]Sobre conceito de normas gerais, v. acórdão do STF que suspende liminarmente, em relação aos estados, distritos federal, e municípios, parte de dispositivos da Lei 8.666/93, in RDA 200/193.

[5] Art. 46 da Lei nº 8.666/93

 [6] Inciso XXVII, do art. 22, da CONSTITUIÇÂO FEDERAL DO BRASIL - Atribui a união federal a competência para legislar sobre normas federais de licitação e contratação pública.

[7] Pietro, Maria Sylvia Zanella, di. Direito Administrativo. 13. Ed. São Paulo; Atlas, 2001, p. 299 

[8] Art. 22 da Lei. 8.666/93

[9] (MEIRELLES. 1996, p.29) op.cit.

[10] Cf. Art. 23, I “c” e II, “c” da Lei 8.666/93.

[11] Vide art. 23, I “b” e II “b” da Lei n 8.666/93

[12] art. 23, I, “a”, e II, “a” do Estatuto).

[13] Art. 22 § 4º do Estatuto

[14] MEIRELLESob. Cit., p. 86).

[15]FILHO, José dos Santos Carvalho, MANUAL DE DIREITO ADMINISTRATIVO, 13ª Ed. rev. ampliada e atualizada Ed. Lúmen Juris. 2005. Rio de Janeiro.  

[16] (§ 5º do art. 22 do Estatuto). (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)

[17] BRASIL. LEI Nº 10.520 DE 17 DE JULHO DE 2002. Institui, no âmbito da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, nos termos do art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, modalidade de licitação denominada pregão, para aquisição de bens e serviços comuns, e dá outras providências.

[18]Revista Doutrina, vol 10, ano 2000) e consultem os trabalhos  - “Pregão: nova modalidade licitatória” de Marçal Justen Filho.Pregão : nova modalidade licitatória. DOI:http://dx.doi.org/10.12660/rda.v221.2000.47554

[19] Art. 6º da Lei n 10.520, de 17 DE JULHO DE 2002.

 

SITES:

http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=12955. Acesso em 05 de maio de 2017.

http://www.migalhas.com.br/dePeso/16,MI67167,11049-Distincao+entre+modalidade+e+tipo+de+licitacao. Acesso em 05 de maio de 2017.

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10520.htm. Acesso em 09 de maio de 2017.

portal.tcu.gov.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?inline=1&fileId.Acesso em 10 de maio de 2017..

http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rda/article/view/47554. Acesso em 10 de maio de 2017.



Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Jose Wilamy Carneiro Vasconcelos) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados