JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

O Trabalho e a Ressocialização do Apenado à Luz do Método APAC


Autoria:

Mélida Mayara De Souza Carvalho


Acadêmica de Direito da Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES. Estagiária da Procuradoria-Seccional da Fazenda Nacional em Montes Claros.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

O presente artigo objetiva analisar o impacto do elemento trabalho no modelo de ressocialização propugnado pelas Associações de Proteção e Assistência ao Condenado (APACs).

Texto enviado ao JurisWay em 12/09/2015.

Última edição/atualização em 13/09/2015.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

CARVALHO, Mélida Mayara de Souza [1]

me.lcarvalho@hotmail.com

 

MAIA, Mariana Nascimento [2]

mariananmaia20@gmail.com

 

VELOSO, Cynara Silde Mesquita [3]

cynarasilde@yahoo.com.br

 

 

RESUMO: Trata-se de artigo científico em que se analisa o impacto do elemento trabalho no modelo de ressocialização propugnado pelas Associações de Proteção e Assistência ao Condenado (APACs). Objetiva-se fazer um breve estudo sobre a realidade carcerária e o trabalho no sistema tradicional, assim como analisar a complementaridade entre o trabalho e os demais elementos do método APAC, para, por fim, investigar a influência do trabalho na ressocialização do apenado à luz do método em estudo. Utilizando-se da técnica bibliográfica, foram confrontados a metodologia e os resultados do trabalho no sistema penal tradicional e na metodologia apaqueana. Chega-se à conclusão de que o método APAC, em comparação ao sistema tradicional, é o que melhor proporciona condições efetivas de se utilizar o trabalho como instrumento de ressocialização, visto que, além de tornar o cumprimento da pena mais humano, diminui os gastos do Estado com a manutenção do estabelecimento prisional, e favorece a qualificação profissional do detento, diminuindo os índices de reincidência.

 

Palavras-chave: Trabalho. Ressocialização. APAC.

 

ABSTRACT: This paper analyzes the impact of work as a restorative justice’s element introduced by Associations for Protection and Assistance of Convicts (APACs).The objective is to do a brief research about prison’s reality and work in traditional criminal system, as well as analyze the relation of complementarity among prison work and the others elements of APAC method, to finally investigate prison work’s influence on the convict’s rehabilitation in the studied methodology. By the use of technical literature, the method and the results of traditional criminal system and APAC’s ones were compared. In a nutshell, this paper presents APAC’s prison work focusing in its benefits, especially in regard to costs, human valorization, and recidivism. We came to the conclusion that APAC method, when compared to traditional criminal system, is the one that best provides effective conditions to use prison work as a rehabilitation tool, since that, besides of humanizing the punishment, it decreases the States outgoings with the prison’s maintenance, and promotes the convict’s professional qualification, what decreases recidivism rate.

 

Keywords: Work. Resocialization. APAC.

 


INTRODUÇÃO

A presente pesquisa emerge da necessidade de se analisar o liame existente entre trabalho e ressocialização, buscando traçar análise comparativa entre os sistemas penais sob a perspectiva apaqueana.

O escopo precípuo deste estudo comparativo é a avaliação do impacto do elemento trabalho sobre o modelo de ressocialização proposto pelo método APAC. Sem, contudo, descurar-se da necessidade de realizar um estudo aprofundado acerca da realidade carcerária e do trabalho no sistema tradicional. Ademais, almeja-se evidenciar a relação de complementaridade existente entre o trabalho e os demais elementos do método APAC, investigando a influência desse elemento no processo de ressocialização do apenado.

As análises e discussões acerca do liame entre o sistema prisional e o trabalho não é algo recente. Consoante Rui Carlos Machado Alvim, o trabalho emerge no sistema penal repressivo no século XVI, todavia a temática ganha novos contornos com o advento do método APAC, que elevou a promoção da humanização das prisões à condição de objetivo, sem perder de vista a finalidade punitiva da pena (ALVIM apud CABRAL; SILVA, 2010).

O método de abordagem utilizado foi o dedutivo, o qual se revela o mais adequado ao presente estudo, uma vez que se parte da análise de uma situação geral para se chegar a uma conclusão acerca de um caso concreto e particular.

No que concerne ao procedimento, a opção foi pelo método comparativo com vistas a evidenciar as distinções entre o sistema prisional comum e a metodologia apaqueana, no tocante à difusão e eficiência do trabalho enquanto elemento ressocializador.

Há predomínio do método de procedimento bibliográfico, o qual consiste em ponderações feitas a partir da leitura de livros, artigos, papers, dentre outras obras doutrinárias e legislativas, a fim de ampliar a compreensão da temática abordada e facilitar um posicionamento frente às diversas vertentes teóricas.

O artigo estrutura-se sobre três subitens: o primeiro deles intitula-se “O trabalho carcerário no sistema tradicional”, o qual traz o trabalho como direito-dever do preso sob a ótica Constitucional e da Lei de Execução Penal, passando pelas categorias de trabalho carcerário e pela realidade e o uso do trabalho no método tradicional.

O segundo subitem, por seu turno, apresenta os doze elementos do método APAC, evidenciando a relação de complementaridade entre o trabalho e os demais elementos.

O terceiro e último subitem versa sobre “a influência do trabalho como elemento ressocializador no método APAC”, abordando aspectos de humanização da pena, da capacitação profissional e da reincidência, bem como dos dispêndios estatais para a manutenção da macroestrutura carcerária.

Os reflexos do labor carcerário atacam a raiz do problema, uma vez que ao capacitar mão de obra mitiga-se o principal óbice à reinserção social, qual seja: a falta de qualificação profissional.

Destarte, faz-se mister compreender os problemas que permeiam a sistemática prisional tradicional e as contribuições da metodologia apaqueana, tendo em vista a atual conjuntura do sistema carcerário e a necessidade patente de se reverter esse quadro caótico.

 

 

1 O TRABALHO CARCERÁRIO NO SISTEMA TRADICIONAL

1.1 O trabalho carcerário como direito-dever do preso: ótica constitucional e Lei de Execução Penal

A Constituição da República Federativa do Brasil, de 1988 (CRFB/1988) consagra em seu art. 1º, inciso IV, o valor social do trabalho como um dos pilares do Estado Democrático de Direito. Tal preceito, em sede de execução penal, é corroborado pelo teor do art. 28, caput, da Lei nº 7.210/1984 (LEP) que estatui que “o trabalho do condenado, como dever social e condição de dignidade humana, terá finalidade educativa e produtiva”.

Por conseguinte, reafirma-se o caráter dúplice do labor carcerário, o qual se apresenta como direito-dever.

O trabalho interno será obrigatório respeitando-se sempre a capacidade e as aptidões de cada interno conforme se extrai da interpretação do art. 31 da LEP.

 


Art. 31. O condenado à pena privativa de liberdade está obrigado ao trabalho na medida de suas aptidões e capacidade.

Parágrafo único. Para o preso provisório, o trabalho não é obrigatório e só poderá ser executado no interior do estabelecimento.

 

 

Ressalta-se ademais a relação intrínseca entre os princípios constitucionais da dignidade da pessoa humana e do valor social do trabalho que são fundamentos da República, não podendo ser concebidos em separado.

Ante o exposto, não há de se falar em trabalho sem dignidade e em dignidade sem trabalho.

 

 

1.2 Categorias de trabalho carcerário

A doutrina trabalhista traça uma análise distintiva entre trabalho e atividade em sentido estrito. Consoante o autor, há dúvidas acerca das atividades desenvolvidas nas unidades prisionais, fato este que emerge do uso equivocado da palavra trabalho.

Nesse diapasão, despontam duas posições jurídicas: a primeira delas diz respeito à posição de exercente de atividade em sentido estrito, as quais dizem respeito:

 

 [...] (i) às execuções de tarefas no cotidiano das unidades penais, (ii) às situações em que o encarcerado realmente estiver envolvido em atos educativos ou (iii) para aqueles que não foram presos, às atividades determinadas por sentença criminal na forma de prestação de serviços à comunidade como pena alternativa à restrição de liberdade (MARTINEZ, 2012, p.105).

 

 

Nessa hipótese não haverá trabalho, mas sim execução de atividade em sentido estrito, uma vez que não tem por escopo precípuo o sustento pessoal ou familiar do preso.

A segunda concerne à posição de trabalhador que abrange “situações em que o apenado é contratado, com base na ampla autonomia negocial, para realizar atividade produtiva com valor de troca” (MARTINEZ, 2012, p. 105).

Ressalte-se que a pena restritiva de liberdade não implica na perda de capacidade civil ou para o trabalho, sendo-lhe assegurados todos os direitos não atingidos pela sentença ou pela lei, conforme estatui o art. 3º da LEP (FELICIANO, 2013).

Ademais, convém trazer à luz “[...] a referida norma processual penal não realiza distinção entre o que seja atividade em sentido estrito e trabalho”. (MARTINEZ, 2012, p.106), tratando ambas as situações mediante a designação trabalho, causando confusões de conteúdo e tratamento.

Nesse cenário “[...] há casos em que o prisioneiro teria efetivamente o status de trabalhador, merecendo, como tal, toda a proteção que o sistema constitucional a quem realiza atividade com valor de troca” (MARTINEZ, 2012, p.106). Caso contrário estar-se-ia ofendendo um dos fundamentos da República Federativa do Brasil consagrados nos artigos 4º, IV, 170, caput, e 186, III da CRFB/1988.

Em que pese à existência de duas posições doutrinárias o entendimento jurisprudencial é no sentido de que os presos exercem sempre, interna ou externamente, atividade em sentido estrito. Para o Tribunal Superior do Trabalho (TST) o serviço prestado pelos condenados é um “dever social” decorrente da “relação institucional entre o condenado e o Estado” (RR - 101500-39.2007.5.06.0013, Relator Ministro: Horácio Raymundo de Senna Pires Data de Julgamento: 08/09/2010, 3ª Turma, Data de Publicação: 17/09/2010).



1.3 A realidade e o uso do trabalho carcerário no sistema tradicional

            Em seus caputs, os artigos 28 e 31 da LEP prelecionam que o trabalho é um direito-dever do indivíduo que cumpre pena privativa de liberdade. Todavia, existe disparidade entre a previsão legal e a existência de políticas públicas efetivas voltadas para a concretização do texto da lei.

No concernente à obrigatoriedade do trabalho carcerário, tal característica mostra-se controversa. O descumprimento do dever de trabalhar é falta grave, conforme elucida o art. 50 da LEP. Contudo, o art. 31 do mesmo dispositivo legal prevê que o trabalho do preso deverá ser designado de acordo com suas aptidões e capacidades. Tal enunciado é incompatível com a realidade social brasileira (ARAÚJO, 2011). As condições estruturais precárias das unidades prisionais não dão substrato à efetividade da lei, fazendo com o que o trabalho carcerário se torne uma exceção.

Segundo dados do Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN) referentes ao ano de 2012, somente 22% (vinte e dois por cento) da população carcerária exercia atividade laboral (CASTRO, 2013). As fontes das referidas atividades são subclassificadas da seguinte forma: a) apoio ao estabelecimento penal (42%), b) parceria com a iniciativa privada (32%), c) artesanato (16%), d) atividade industrial (4%), e) parceria com órgãos do Estado (4%), f) parceria com paraestatais (ONGs e Sistema S) (1%), e g) e atividade rural (0,9%) (GOMES, 2013).

Predomina na consciência coletiva da sociedade brasileira uma série de preconceitos aliados à visão de que a pena privativa de liberdade deve ter finalidade exclusivamente punitiva. Tal conjuntura social é fator que desfavorece o desenvolvimento do trabalho do detento fora da prisão.

Na sociedade maniqueísta impera a visão de que o encarcerado é inimigo da sociedade, poucas são as oportunidades de emprego nas empresas privadas (art. 34, §2º, da LEP), muito embora haja isenção de recolhimento de encargos sociais e o baixo-custo da mão de obra carcerária (RIBEIRO, 2011).

No que toca ao trabalho realizado dentro das unidades prisionais, este é implantado como um paliativo, haja vista que, em regra, não há um prévio estudo científico para classificar e designar atividades de acordo com as características pessoais de cada preso (RIBEIRO, 2011). Neste contexto, nota-se que não há preocupação com a individualização do cumprimento da pena no sistema tradicional.

O trabalho carcerário interno é, em sua maioria, direcionado à conservação do espaço físico da prisão e de veículos oficiais (RIBEIRO, 2011). No âmbito do sistema penitenciário tradicional, há pouca preocupação com a profissionalização do preso e sua preparação para o mercado de trabalho.

Estudos realizados por KLERING, LEMOS e MAZZILLI, demonstram que a motivação do detento para trabalhar no sistema penitenciário ordinário é quase que exclusivamente decorrente da possibilidade de remição da pena (KLERING, LEMOS, MAZZILLI, 1998).

 

 

Em raros casos, percebe-se um envolvimento maior dos apenados com o processo produtivo. Entende-se, no entanto, que, se o trabalho prisional fosse organizado de outra maneira, com enriquecimento das tarefas que pudessem proporcionar crescimento individual e, principalmente, se fosse organizado de maneira que gerasse condições de desafio e de satisfação com as tarefas, se possibilitasse aos indivíduos encontrar formas de perseguir seus questionamentos interiores e traçar a sua história, seria elemento mais eficiente, para promover as condições necessárias à ressocialização (KLERING, LEMOS, MAZZILLI, 1998).

 

            Neste diapasão, é patente que não há formação de um vínculo significativo entre o detento e a tarefa que realiza, dificultando o processo de reinserção social.

      A organização do trabalho no sistema tradicional é predominantemente taylorista. A impessoalidade do modelo de organização gera um sentimento de insatisfação e rejeição por parte dos presos, não propicia o desenvolvimento de suas capacidades profissionais, e tampouco gera renda suficiente para auxílio das despesas da família do detento, vez que a remuneração do trabalho carcerário é quase que simbólica (KLERING, LEMOS, MAZZILLI, 1998).


Dessa maneira, entende-se que o trabalho prisional atual não possui a menor condição de ressocialização; longe de promover o desenvolvimento pessoal, submete os apenados à situação de excessivo desgaste emocional, e, conseqüentemente, aumenta o seu desequilíbrio psíquico, levando-os cada vez mais a se afastar das condições necessárias ao seu ajustamento social. [...] A inoperância do atual modelo ressocializador provém da maneira como é organizado o trabalho prisional, que não permite ao apenado possuir condições de se engajar nas relações sociais nem de transferir as questões herdadas de sua história afetiva (KLERING, LEMOS, MAZZILLI, 1998).

 

 

A pesquisa aponta que na conjuntura do sistema penitenciário tradicional não é apto para promover a efetiva ressocialização do apenado. Outrossim, a ociosidade no âmbito carcerário mostra-se como perda econômica, ante a estagnação de uma grande quantidade de mão-de-obra.

 

 

2 O TRABALHO E OS DEMAIS ELEMENTOS DO MÉTODO APAC

2.1 Os doze elementos do método APAC

O Método APAC baseia-se em doze elementos cuja aplicação coordenada e incisiva é o que assegura a efetividade do processo ressocializador propugnado, quais sejam eles: a participação da comunidade, recuperando ajudando recuperando, o trabalho, a religião, a assistência jurídica, a assistência à saúde, a valorização humana, a família, o voluntariado e o curso de formação, Centro de Reintegração Social, Mérito e Jornada de Libertação.

No que tange à participação da comunidade convém salientar que se trata de elemento imprescindível ao êxito dessa empreitada, haja vista o fato de nada adiantar o estabelecimento ser dotado de sala de audiência se não existirem profissionais que a frequentem, tampouco de salas de aula sem que haja professores. Consoante Ottoboni, “tudo deve começar com a participação da comunidade” (OTTOBONI, 2001, p.64).

Uma das principais distinções entre o Método APAC e o modelo tradicional é o fato de os próprios presos serem corresponsáveis pelo seu processo de recuperação, elemento evidenciado pela expressão “recuperando ajudando recuperando”. Consoante Luiz Carlos Rezende e Santos essa divisão de tarefas “[...] contribui para a harmonia do estabelecimento, partilhando as responsabilidades para o alcance das propostas com os próprios beneficiados” (MINAS GERAIS, 2011, p.44).

O trabalho, por seu turno, é instrumento de resgate da autoestima e da dignidade do condenado, à medida que promove a capacitação profissional e assegura condições de reinserção ao meio social.

Ademais, a assistência espiritual permite ao condenado religar-se a Deus e repensar o que o fez chegar àquela situação. Contudo “[...] a religião, isoladamente, não será capaz de preencher a necessidade do recuperando, e muito menos sua lacuna espiritual” (MINAS GERAIS, 2011, p.44).

A assistência jurídica é de suma importância para o acompanhamento da situação jurídica do preso, a fim de defender seus interesses e afiançar suas garantias. Isso implica “calmaria no estabelecimento prisional e, sobretudo, tranquilidade para a pessoa que está na prisão” (MINAS GERAIS, 2011, p.46).

A assistência à saúde revela-se indispensável, uma vez que uma das maiores queixas do apenado são as doenças advindas do cárcere, sobretudo tuberculose, sarnas, dor de cabeça, insônia, além das reclamações por dor de dente. 

Lado outro a valorização humana reúne ações assistenciais que convergem para a recuperação da autoestima e da autoimagem dos privados de liberdade, o que consubstancia a valorização humana.

           Ter um elo com quem está lá fora contribui de sobremodo para alimentar as esperanças do preso em relação ao seu retorno à vida em sociedade, aí reside a relevância da família. “Mais do que isso, permite que ele continue pai dos seus filhos, marido de sua esposa, filho e irmão, alem de suas outra relações sociais” (MINAS GERAIS, 2011, p.49).

No que concerne à figura do voluntário e ao curso de formação, destaca-se que a participação de um voluntariado qualificado traz contribuição relevante para a recuperação dos condenados.

 



Pessoas despreparadas fatalmente vão contribuir para o aumento da promiscuidade e da revolta dos apenados, ou, mesmo, irão proporcionar sentimentos, alheios a essa fase da vida, como injustiçados pela sorte ou pelo direito penal (MINAS GERAIS, 2012, p.49).


 

Por sua vez, o Centro de Reintegração Social (CRS) corresponde à sede física onde funcionará a APAC, o qual deverá ser dotado de condições sanitárias e higiênicas para o tratamento humanitário dos presos. Ademais, deve ter “[...] cuidado na separação dos regimes dos condenados, sem confusão ou contato entre eles, para que o sistema progressivo, previsto na lei de Execução Penal funcione corretamente” (MINAS GERAIS, 2011, p.50).

Já o Mérito diz respeito à avaliação da conduta do recuperando para fins de concessão de benefícios durante o cumprimento de sua pena, a qual se dá por meio dos Conselhos de Sinceridade e Solidariedade (CSSs) e dos Comitês Técnicos de Classificação.

Por fim, emerge a Jornada de libertação um evento de cunho religioso “[...] fundamental para a reflexão espiritual do recuperando” (MINAS GERAIS, 2011, p.52).

 

 

2.2 Da relação de complementaridade entre o trabalho e os demais elementos da metodologia apaqueana

Não é possível se descurar dos demais elementos, uma vez que para que a ressocialização seja efetiva é imperioso que haja uma aplicação coordenada e incisiva de todos eles.

 


O trabalho deve fazer parte do dia a dia, para manter os reeducandos em atividade constante. É de se destacar que o trabalho faz parte da metodologia, mas não é elemento fundamental do processo, pois que sendo somente ele, não é fundamental para recuperar um condenado (MINAS GERAIS, 2011, p.57).

 

Em que pese à inexistência de hierarquia entre os elementos componentes do método o que se percebe é uma primazia da religião e da família. Os suportes espiritual e afetivo atuam como verdadeiros instrumentos de alento e esperança que possibilitam aos recuperandos prosseguirem na busca pela mudança de vida.

Ademais, ressalta o juiz Luiz Carlos Rezende e Santos que:

 

Nenhuma das modalidades de assistência sugeridas pela LEP pode ser oferecida de forma efetiva sem a participação da comunidade onde está situado o estabelecimento prisional (MINAS GERAIS, 2011, p.46).

 

 

Outro importante fator de estruturação e de singularidade do método em comento é o fato de os próprios condenados participarem de modo efetivo no processo de recuperação, seja no cuidado com a limpeza do ambiente, no preparo das refeições ou ainda na organização da própria segurança do estabelecimento no qual se encontram recolhidos (OTTOBONI, 2006).

Tal elemento não logra êxito se não houver uma concatenação aos deveres de cuidado, assistência social e educacional. Consoante Mário Ottoboni:

 

[...] é fundamental ensinar o recuperando a viver em comunidade, a acudir o irmão que está doente, a ajudar os mais idosos e, quando for o caso, a prestar o atendimento no corredor do presídio, na copa, na cantina, na farmácia, na secretaria etc. (OTTOBONI, 2006, p.67).

 

 

Destarte, o estímulo do lado humano e de sentimentos nobres como a solidariedade, o respeito e o cuidado para com o próximo tem sido o mote dessa filosofia.

 

 

3 A INFLUÊNCIA DO TRABALHO COMO ELEMENTO RESSOCIALIZADOR NO MÉTODO APAC

3.1 Da humanização da pena

            Consoante leciona Ottoboni, o regime fechado é o momento ideal para o trabalho atuar como fator de recuperação da autoestima e dos valores do apenado. Nesta fase inicial do cumprimento da pena, o método APAC preconiza a utilização da laboraterapia através da realização de trabalhos artesanais (OTTOBONI, 2001, p. 71).

 



Entretanto, quando falamos em artesanato, a interpretação deve ser extensiva, não podendo se limitar apenas às atividades comezinhas que todos estão habituados a ver nos presídios. É preciso uma visão ampla, levando em conta a comercialização dos produtos. É necessário, por essa razão, que cada APAC pense no setor da laboraterapia como um setor curativo, de emenda do recuperando, abrindo-lhe todas as oportunidades para desempenhar as atividades artesanais [...] (OTTOBONI, 2001, p. 71).

 

 

          O termo laboraterapia é utilizado pelos idealizadores e entusiastas do método APAC, vez que não traz o trabalho carcerário como o mero exercício de atividade laboral visando à remuneração ou à ocupação do detento, mas sim como um verdadeiro instrumento de reeducação do indivíduo recluso. O trabalho deve levar em conta os talentos e aptidões adquiridas na vida pregressa do encarcerado.

Nesse mesmo sentido, nota-se que o método APAC traz o trabalho como instrumento de humanização da execução penal. A metodologia em estudo não tem como objetivo a exploração mercantil da mão-de-obra estagnada no âmbito carcerário. De modo contrário, o objetivo principal do trabalho apaqueano é aproximar o recuperando do mundo que existe além dos muros da unidade prisional (RODRIGUES in MINAS GERAIS, 2011, p. 119-134).

            Sob a perspectiva do método APAC, o trabalho de forma isolada não é capaz de ressocializar o recuperando, contudo é o elo mais forte entre o encarcerado e o mundo externo, o contexto social para o qual retornará finda a pena. Ensina Ottoboni que o trabalho massificado não deve ser a prioridade do método neste primeiro momento da execução penal. Este é o período em que o trabalho tem o escopo de despertar no recuperando o prazer em exercer atividade lícita e a sua autopercepção como pessoa capaz de produzir algo útil (OTTOBONI, 2001, p. 75).      

 

 

[...] Tem a ver com realização pessoal, socialização, com sentir-se útil e encontrar sentido para os dias. O trabalho da APAC dispõe de um método de valorização humana, a principal diferença entre a entidade e o sistema carcerário comum é que, na APAC, os presos (chamados de recuperandos pelo método) são co-responsáveis pela recuperação deles. (ROCHA, 2014).

 

 

Partindo da afirmação de que a grande maioria da população carcerária não teve oportunidade de exercer atividade lícita regular (ARAÚJO, 2011), depreende-se que a metodologia apaqueana dá aos recuperandos a chance de vivenciar um aspecto comum da conjectura social: o trabalho honesto.

Ademais, o trabalho, quando não compulsório, ocupa a mente do recuperando, diminuindo a ansiedade e torna-o menos propenso a pensamentos vingativos ou de fuga (FOUCAULT, 2010, p. 116-120), o que traz serenidade ao cumprimento da pena.

Em arremate, é importante ressaltar que a filosofia apaqueana utiliza o labor como ferramenta de recuperação do respeito e da dignidade do encarcerado, tal qual um meio de educar, curar, moldar e reformar a psique do indivíduo, contrapondo-se a dois dos maiores fatores criminógenos: o desajuste e a exclusão social. Portanto, ao promover o resgate da pessoa humana do recuperando, o método APAC humaniza a pena.

 

 

3.2 Da capacitação profissional e da reincidência

Conforme elucida Vasconcellos, o estigma de ex-detento, aliado à baixa escolaridade e a não-qualificação da mão-de-obra, são os principais fatores que dificultam a reinserção do egresso no mercado de trabalho, e, como conseqüência, na sociedade como um todo (VASCONCELLOS, 2007).        

De modo complementar, Ottoboni leciona que “O regime semi-aberto, se o recuperando não tiver uma profissão definida, é o momento oportuno para tê-la” (OTTOBONI, 2001, p. 75). Deste modo, o indivíduo, quer quando submetido ao regime aberto, quer quando egresso, poderá exercer o ofício já aprendido, haja vista se tratar de mão-de-obra especializada.

A cartilha da metodologia apaqueana apregoa que deverá haver um esforço por parte da entidade para facilitar ao apenado o acesso a cursos profissionalizantes, sejam estes ministrados dentro da unidade prisional através dos voluntários, ou cursados fora da sede da APAC através da concessão de bolsas de estudos. Outrossim, a APAC deve estar atenta à conjuntura econômica da cidade onde está situada, levando em conta não somente as aptidões do recuperando no momento de firmar parcerias, mas também a demanda do mercado de trabalho (OTTOBONI, 2001, p. 75-76).

Outra forma de promover a profissionalização do detento é o trabalho interno na sede da entidade:

 



Ademais, o recuperando do regime semi-aberto que tivera aptidão poderá ser aproveitado para os serviços burocráticos da entidade, devendo perceber, quando possível, um pró-labore, a título de ajuda de custo para suas despesas mais preementes (OTTOBONI, 2001, p. 76).

 

            Os dados estatísticos corroboram com a certificação da relação inerente entre a qualificação/especialização da mão-de-obra carcerária e os baixos índices de reincidência existentes no método APAC. Não obstante divergência numérica existente em razão dos critérios utilizados por cada fonte de pesquisa, é patente a discrepância entre os números relativos ao sistema tradicional e à metodologia apaqueana.

 O Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN) e a Federação Brasileira de Assistência aos Condenados (FEBAC) divulgaram informações relativas ao período de 2004 a 2009, as quais mostravam um índice médio de 85% de reincidência no sistema tradicional, em contraposição à porcentagem de 11,22% do método APAC[4].

Conforme dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), no ano de 2013, o índice de reincidência criminal no sistema tradicional era de 70%, ao passo que em relação aos recuperandos do método APAC, o índice de reincidência era de 15% (MARTINO, 2014).

Pesquisas mais audazes descrevem um índice de reincidência inferior a 5% quando se trata de detentos submetidos à metodologia apaqueana (WALKER, 2010).

Isto posto, é notória a relação intrínseca existente entre o trabalho desenvolvido pelo método em estudo e o baixo índice de reincidência constatado, vez que há a preparação do recuperando para o mercado de trabalho, evitando que o desemprego seja aspecto motor da reincidência.

 

 

3.3 Do dispêndio de recursos estatais

            Conforme já exposto alhures, a despeito de sua obrigatoriedade, sabe-se que o trabalho carcerário é instrumento de ressocialização pouco utilizado no sistema tradicional. De modo contrário, o trabalho é, de fato, requisito para que o condenado se mantenha na APAC (LEMOS, SILVA, 2011).

          Destarte, não há que se falar em mão-de-obra estagnada, tampouco em ócio carcerário, o que, por si só, já representa um elemento positivo para o panorama econômico nacional.

            De forma mais relevante, os trabalhos internos realizados pelos recuperandos, assim como o voluntariado, reduzem de forma considerável os gatos estatais para com a contratação de pessoal para atuar em áreas tais como cozinha, faxina e serviços burocráticos. Salienta-se que a manutenção da estrutura física da APAC é feita quase que integralmente pelos recuperandos (MARTINO, 2014), inclusive a parte relativa à segurança: um detento vigia o outro, diminuindo as despesas com contratação de carcereiros e outros aspectos de vigilância.

            No que tange à produção artesanal, os objetos produzidos pelos recuperandos podem ser vendidos e utilizados para o custeamento de suas despesas, assim como é possível direcionar eventual excedente para a família do detento (ROCHA, 2014).

            Da mesma forma, em relação ao trabalho externo, a remuneração percebida pode ser utilizada para auxiliar no custeio do encarcerado, diminuindo o ônus do Estado (OTTBONI, 2001, p. 76).

No ano de 2010, o custo médio mensal do recuperando na APAC era de 0,97 salários mínimos, ao passo que no sistema tradicional a monta era de 3,53 salários mínimos[5].

            Nessa linha de ideias Martino assevera: “Enquanto no sistema prisional comum, o custo mensal para manutenção de um preso varia entre R$ 1.800 e R$ 2.800, na APAC não ultrapassaria R$ 1.000” (MARTINO, 2014).

            Deste modo, resta claro que a metodologia apaqueana é uma alternativa ao sistema prisional comum mais econômica e eficiente, visto que emprega melhor a força de trabalho dos recuperandos, o que, ao mesmo tempo, contribui para o processo de ressocialização e diminui gastos.

 

           

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O trabalho carcerário, historicamente, era forçado e constituía mais uma modalidade de pena do que propriamente um direito-dever do condenado, tal como se vislumbra no Estado Democrático de Direito.

Nesse contexto emergem iniciativas como as APACs, em que a sanção se limita à pena privativa de liberdade e o trabalho revela-se como importante instrumento de ressocialização e reintegração social, à medida que o labor combate a ociosidade e promove o resgate da autoestima dos recuperandos por meio da produtividade.

Outrossim, o trabalho carcerário proporciona a capacitação profissional e consequente diminuição dos índices de reincidência criminal, bem como dos gastos do Estado para com a manutenção da unidade prisional.

O método APAC, em comparação com o sistema prisional comum, é o que melhor proporciona condições de reintegração social efetiva através do trabalho carcerário. Distinguindo-se dos demais, sobretudo no que concerne aos elementos que o orientam e na proposta humanizadora do ambiente carcerário, onde todo homem é maior do que o seu erro e não é espoliado de sua condição de ser humano, sendo, por conseguinte, digno de respeito e de confiança.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

ARAÚJO, Neli Trindade da Silva de. Trabalho penitenciário: um dever e um direito. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 16n. 3073. Novembro de 2011. Disponível em: . Acesso em: 28 de julho de 2015, às: 9h08min.

 

 

BECCARIA, Cesare. Dos Delitos e das Penas. (Título original: Dei Delitti e Delle Pene. Tradução de Torrieri Guimarães). 1. ed. São Paulo: Martin Claret, 2000.

 

 

BENEVIDES, Carolina; DUARTE, Alessandra. Brasil gasta com presos quase o triplo do custo por aluno. Novembro de 2011. Disponível em: < http://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/brasil-gasta-com-presos-quase-triplo-do-custo-por-aluno-3283167>. Acesso em: 30 de julho de 2015, às: 9h42min.

 

 

CABRAL, Luisa Rocha; SILVA, Juliana Leite. O trabalho penitenciário e a ressocialização no Brasil. Disponível em:

/.../274>. Acesso em 30 de agosto de 2015, às: 19h28min.

 

 

CAPELETI, Célia Regina. Trabalho prisional: previsão legal X realidade carcerária. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 16n. 3071. Novembro de 2011. Disponível em: . Acesso em: 27 de julho de 2015, às: 9h55min.

 

 

CASTRO, Juliana. Apenas 22% dos presos do sistema penitenciário brasileiro trabalham. Março de 2013. Disponível em: <http://oglobo.globo.com/brasil/apenas-22-dos-presos-do-sistema-penitenciario-brasileiro-trabalham-7861623>. Acesso em: 30 de julho de 2015, às: 9h34min.

 

 

CHRISTIE, Nils.Uma razoável quantidade de crimes. Coleção: Pensamento Criminológico. Rio de Janeiro: Revan, 2011.

 

 

DIMENSTEIN, Gilberto. Criminalidade e Violência. In: Dez lições de sociologia. 1. ed. São Paulo: FTD, 2008. p. 222-249.

 

 

DELGADO, Maurício Godinho. Curso de direito do trabalho. São Paulo: LTr, 2002.

 

 

FELICIANO, Guilherme Guimarães. Curso crítico de direito do trabalho.1. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

 

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. 21 ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

 

 

GOIÁS, Ministério Público. Cartilha mão de obra carcerária. Coordenador: José Carlos Mirando Nery Júnior. Goiânia: Ministério Público do Estado de Goiás, 2011.

 

 

GOMES, Luiz Flávio. População carcerária e trabalho nas penitenciárias. Disponível em: <http://institutoavantebrasil.com.br/populacao-carceraria-e-trabalho-nas-penitenciarias >. Maio de 2013. Acesso em: 30 de julho de 2015, às: 9h15min.

 

 

GUIMARÃES JÚNIOR, Geraldo Francisco. Associação de proteção e assistência aos condenados: solução e esperança para a execução da pena. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 10n. 882. Dezembro de 2005. Disponível em: . Acesso em: 28 de julho de 2015, às 9h50min.

 

 

KLERING, Luís Roque; LEMOS, Ana Margarete; MAZZILLI, Cláudio. Análise do trabalho prisional: um estudo exploratório. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 2, n. 3. Dezembro de 1998. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-65551998000300008&script=sci_arttext>. Acesso em: 30 de julho de 2015, às: 9h02min.

 

 

LEAL, João José. O princípio constitucional do valor social trabalho e a obrigatoriedade do trabalho prisional. Novos Estudos Jurídicos. Itajaí, v.9, n. 1, p.57-76. Janeiro/abril de 2004. Disponível em:<www6.univali.br/seer/index.php/nej/article/view/357/30>. Acesso em: 22 de janeiro de 2015, às: 15h27min.

 

 

LEMES, Bianca Souza; SILVA, Nivalda de Lima. Método APAC como alternativa na execução penal. Disponível em: . Acesso em: 5 de janeiro de 2015, às: 9h18min.

 

 

MACIEIRA, Djane Barbosa Corrêa. As relações trabalhistas desenvolvidas no cárcere. Monografia da Universidade Cândido Mendes – AVM Faculdade Integrada. Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: Acesso em: 22 de janeiro de 2015, às: 20h30min.

 

 

MARTINEZ, Luciano. Curso de direito do trabalho: Relações individuais, sindicais e coletivas do trabalho. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

 

MARTINO, Natália. Índice de reincidência no crime é menor em presos das Apac. Março de 2014. Disponível em: < http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2014/03/140313_prisoes_apac_nm_lk>. Acesso em: 30 de julho de 2015, às: 9h45min.

 

MINAS GERAIS, Tribunal de Justiça. A execução penal à luz do método APAC. Organizadora: Desembargadora Jane Ribeiro Silva. Belo Horizonte: Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, 2011.

 

 

MIRABETE, Julio Fabbrini. Execução penal: comentários à lei n. 7.210, de 11-7-1984.11 ed. São Paulo: Atlas, 2007.

 

 

OLIVEIRA, Lilian Maria Gomes de. Direitos humanos no trabalho educativo da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC). Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 15n. 2519. Maio de 2010. Disponível em: . Acesso em: 29 de julho de 2015, às 9h52min.          

 

 

OTTOBONI, Mário. Vamos matar o criminoso? Método APAC. São Paulo: Paulinas, 2001.

 

                                                                                                                                       

________; FERREIRA, Valdeci Antônio. Parceiros da ressurreição: jornada de libertação e curso intensivo de conhecimento e aperfeiçoamento do Método APAC. São Paulo: Paulinas, 2004.

 

 

PACHECO, Vanderley Doin. Execução penal: ineficácia devido à ociosidade do condenado. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 17n. 3204. Abril de 2012. Disponível em: . Acesso em: 29 de julho de 2015, às: 9h39min.

 

 

PEDROSO, Regina Célia. Utopias penitenciárias. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 9n. 333. Junho de 2004. Disponível em: . Acesso em: 30 de julho de 2015, às: 9h57min.

 

 

PINHEIRO, Raphael Fernando. A função reeducadora do trabalho penitenciário frente a ociosidade na perspectiva dos presos da Unidade Prisional Avançada de Brusque/Santa Catarina. Disponível em: <http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php/?n_link=revista

_art.s_leitura&art._id=12033&revista_caderno=3>. Acesso em: 28 de janeiro de 2015, às: 11h37min.

 

 

PREITE SOBRINHO, Wanderley. Lei permite, mas só 19% dos presos trabalham no Brasil. Agosto de 2011. Disponível em: < http://noticias.r7.com/brasil/noticias/lei-permite-mas-so-19-dos-presos-trabalham-no-brasil-20110816.html>. Acesso em: 30 de julho de 2015, às: 9h54min.

 

RIBEIRO, Jair Aparecido. O trabalho como fator de resgate da cidadania no sistema penitenciário. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso do Departamento de Administração da Universidade Estadual de Maringá, apresentado como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Gestão Pública. Disponível em: . Acesso em: 29 de julho de 2015, às: 8h56min.

 

 

ROCHA, Fred. APAC: através do trabalho presos conquistam dignidade e respeito. Junho de 2014. Disponível em: < http://www.varejo1.com.br/index.php/apac-atraves-trabalho-presos-conquistam-dignidade-e-respeito/>. Acesso em: 30 de julho de 2015, às: 9h36min.

 

UNIMONTES. Resolução nº 182 – Cepex/2008aprova manual para elaboração e normatização de trabalhos acadêmicos para os cursos de graduação da Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes – Trabalho de Conclusão de Curso – TCC. Acesso em: 13 de janeiro de 2015, às: 16h35min.

 

 

VASCONCELLOS, Fernanda Bestetti de. Trabalho prisional e reinserção social: função ideal e realidade prática. Revista Sociologia Jurídica. n.5 Julho/dezembro de 2007. Disponível em: <http://www.sociologiajuridica.net.br/numero-5/240-trabalho-prisional-e-reinsercao-social-funcao-ideal-e-realidade-pratica-fernanda-bestetti-de-vasconcellos >. Acesso em: 30 de julho de 2015, às: 9h20min.

 

 

WALKER, Lorenn. APAC: Brazilian Restorative Justice Prison. Disponível em:. Acesso em: 29 de janeiro de 2015, às: 00h10min.

 

 

YACOBUCCI, Guillermo Jorge; GOMES, Luiz Flavio. As Grandes Transformações do Direito Penal Tradicional. 1. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005.

 

 

ZAFFARONI, Eugenio Raúl. A deslegitimação do sistema penal e a crise do discurso jurídico-penal. In: Em busca das penas perdidas. (Título original: En busca de las penas perdidas. Tradução de Vânia Romano Pedrosa e Amir Lopez da Conceição).  4 ed. Rio de Janeiro (RJ): Revan, 1991. p. 9-44.

 

SÍTIOS ELETRÔNICOS

 

www.apacitauna.com.br. Acesso em: 25 de janeiro de 2015, às: 16h40min.

www.apacperdoes.com.br. Acesso em: 30 de julho de 2015, às: 8h44min.

www.fbac.org.br. Acesso em: 13 de janeiro de 2015, às: 10h12min

www.cnj.jus.br. Acesso em: 27 de Janeiro de 2015, às: 16h45min.

 

 

 

 



[1] Acadêmica do 8º período de Direito da Universidade Estadual de Montes Claros – UNIMONTES.

[2] Acadêmica do 8º período de Direito da Universidade Estadual de Montes Claros – UNIMONTES.

[3] Doutora em Direito Processual pela PUC Minas, Mestre em Ciências Jurídico-políticas pela Universidade Federal de Santa Catarina, Professora do Curso de Direito da UNIMONTES. Professora e Coordenadora do Curso de Direito das FIPMoc. Orientadora deste artigo.

[4] Dados retirados do sítio eletrônico da APAC de Perdões – MG. Disponível em: < http://www.apacperdoes.com.br/?page_id=235>. Acesso em: 28 de julho de 2015, às: 18h52min.

[5] Dados retirados do sítio eletrônico da APAC de Perdões – MG. Disponível em: < http://www.apacperdoes.com.br/?page_id=235>. Acesso em: 29 de julho de 2015, às: 8h27min.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Mélida Mayara De Souza Carvalho) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados