JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Defesa do Consumidor
 

Preços para as famílias de baixa renda têm alta de 1,33% em novembro

Fonte: Agência Brasil 7/12/2010

Texto enviado ao JurisWay em 07/12/2010.

indique está página a um amigo Indique aos amigos


 


Rio de Janeiro - O Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1), que mede a inflação para famílias com renda até dois salários mínimos e meio, alcançou 1,33% em novembro. A taxa superou a verificada um mês antes, quando houve elevação de 0,80%, e também ficou acima da inflação para a população em geral – medida pelo Índice de Preços ao Consumidor - Brasil (IPC-BR) –, que em novembro foi de 1,00%.

De acordo com os dados divulgados hoje (7), pela Fundação Getulio Vargas (FGV), o IPC-C1 acumula no ano aumento de 6,41% e nos últimos 12 anos, de 6,58%.

Entre as sete classes de despesa que compõem o índice, cinco tiveram acréscimo em suas taxas de variação. Em alimentação, cuja taxa passou de 1,72% para 2,62%, a principal pressão foi exercida pelas carnes bovinas (de 3,25% para 9,92%).

A copeira Sofia de Souza contou que levou um susto ao chegar ao mercado para fazer as compras do mês. Segundo ela, os preços subiram de forma generalizada, mas a carne foi a que mais pesou no orçamento.

“Levei um susto com o preço da carne e cheguei a pensar em comprar mais frango para economizar, mas já tinha feito isso no outro mês e lá em casa todo mundo prefere carne. O jeito foi gastar mais mesmo”, disse.

Também registraram elevação os grupos habitação (de 0,12% para 0,38%), com destaque para aluguel residencial (de 0,14% para 0,63%); transportes (de 0,02% para 0,57%), principalmente tarifa de ônibus urbano (de variação nula para 0,62%); saúde e cuidados pessoais (de 0,06% para 0,26%), influenciado por artigos de higiene e cuidado pessoal (de –0,10% para 0,37%); e despesas diversas (de 0,21% para 0,41%), com o aumento de alimento para animais domésticos (de –0,43% para 1,91%).

Subiram com menos intensidade os preços em educação, leitura e recreação (de 0,54% para 0,34%), com a contribuição de material escolar (de 1,39% para 0,12%), e vestuário (de 0,77% para 0,75%), principalmente calçados (de 1,11% para 0,02%).

Entre os produtos que mais contribuíram para a inflação em novembro destacam-se a carne moída (9,63%) e a batata-inglesa (14,24%).

Thais Leitão





Edição: Juliana Andrade
Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados