JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Sala dos Doutrinadores - Artigos Jurídicos
Autoria:

Wilker Batista Cavalcanti
Doutorando em Direito pela FADISP - Faculdade Autônoma de Direito de São Paulo (2015), Mestre em Administração pela FEAD (2014), Especialista em Direito Processual Civil pela Uninter (2014) e em Metodologia da Educação Superior pela Universidade Estadual do Maranhão (2005), Graduado em Direito pela Universidade Cândido Mendes - Rio de Janeiro (1996), advogado e Professor Universitário.

envie um e-mail para este autor
Monografias Direito Processual Civil

O NOVO (?) PARCELAMENTO DA DÍVIDA EXEQÜENDA: Uma Solução viável para o cumprimento da obrigação e a pacificação social

O presente estudo tem como objeto melhor compreender tal parcelamento, seus principais elementos e o questionamento acerca de sua aceitação obrigatória, eventual quebra da ideia de relação obrigacional e do princípio do contraditório.

Texto enviado ao JurisWay em 22/05/2018.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

O NOVO (?) PARCELAMENTO DA DÍVIDA EXEQÜENDA: Uma Solução viável para o cumprimento da obrigação e a pacificação social

 

 

 

Wilker Batista Cavalcanti[1]

Cledilson Maia [2]

 

1. Introdução

 

Reconhecendo a importância da regra estabelecida no artigo 745-A do CPC/73, o novo Código de Processo Civil manteve em seu artigo 916, possibilidade que permite ao Devedor requerer no curso do processo de execução o parcelamento da dívida exeqüenda, bastando que se cumpram os requisitos nele expostos. O presente estudo tem como objeto melhor compreender tal parcelamento, seus principais elementos e o questionamento acerca de sua aceitação obrigatória, eventual quebra da idéia de relação obrigacional e do princípio do contraditório, trata-se de uma releitura de texto anterior ante a alteração trazida pela novo Codex de Ritos. Desde já informamos não ser pretensão esgotar a matéria, mas tão somente averiguar o parcelamento, lançado breve visão sobre suas benéficas conseqüências.

 

2. O parcelamento previsto no artigo 916 do Código de Processo Civil.

 

Melhorando a dicção prevista no antigo artigo 745-A do CPC/73, o artigo 916 do atual Codex de Ritos  assim estatuiu:

 

“Art. 916.  No prazo para embargos, reconhecendo o crédito do exequente e comprovando o depósito de trinta por cento do valor em execução, acrescido de custas e de honorários de advogado, o executado poderá requerer que lhe seja permitido pagar o restante em até 6 (seis) parcelas mensais, acrescidas de correção monetária e de juros de um por cento ao mês.

§ 1o O exequente será intimado para manifestar-se sobre o preenchimento dos pressupostos do caput, e o juiz decidirá o requerimento em 5 (cinco) dias.

§ 2o Enquanto não apreciado o requerimento, o executado terá de depositar as parcelas vincendas, facultado ao exequente seu levantamento.

§ 3o Deferida a proposta, o exequente levantará a quantia depositada, e serão suspensos os atos executivos.

§ 4o Indeferida a proposta, seguir-se-ão os atos executivos, mantido o depósito, que será convertido em penhora.

§ 5o O não pagamento de qualquer das prestações acarretará cumulativamente:

I - o vencimento das prestações subsequentes e o prosseguimento do processo, com o imediato reinício dos atos executivos;

II - a imposição ao executado de multa de dez por cento sobre o valor das prestações não pagas.

§ 6o A opção pelo parcelamento de que trata este artigo importa renúncia ao direito de opor embargos

§ 7o O disposto neste artigo não se aplica ao cumprimento da sentença.”

 

Pelo que se depreende da lei, é garantido ao Devedor Executado solicitar o parcelamento da dívida exeqüenda em até 06 vezes, desde que realize o depósito inicial de 30% (trinta por cento) do débito corrigido, acrescidos de honorários advocatícios e de custas processuais.

 

A manutenção da regra com melhor detalhamento de seu conteúdo denota a intenção do legislador em estimular o adimplemento voluntário do Devedor e simplificar a satisfação do crédito, prestigiando os princípios da celeridade e da economia processual.

 

3. Os requisitos para a concessão do parcelamento.

 

Pela dicção do mencionado artigo se percebe que o procedimento para concessão do parcelamento demanda o atendimento aos seguintes pontos:

 

a)      Pedido no prazo de que a parte dispõe para opor os competentes Embargos;

b)      O reconhecimento do débito exeqüendo;

c)      Comprovação de depósito inicial de 30% (trinta por cento) do valor em execução acrescido de custas e honorários advocatícios;

d)      Pedido de parcelamento em até 06 vezes acrescidos de correção monetária e juros de um por cento ao mês.

 

O procedimento é simples e uma vez que o devedor tenha atendido aos pressupostos acima mencionados há de lhe ser deferido o parcelamento nos moldes em que pleiteado, inexistindo, sequer, a possibilidade de alteração impositiva da proposta formulada.

 

4. Imposição do acordo: Direito do Executado ou quebra de regras obrigacionais.

 

A lei estabelece a possibilidade de parcelamento por parte do Devedor, mas, no entanto, não condiciona tal direito, nem estabelece o seu exercício mediante concordância do Credor, ao contrário, conforme estabelecido no §1º do referido artigo 916, o exequente será intimado para se manifestar apenas acerca do cumprimento dos requisitos estipulados, o que de pronto denota se tratar, conforme leciona  Pinto (2008) de um “direito subjetivo heterogêneo potestativo, exercitável unicamente pela via judicial, razão pela qual é mais propriamente denominado parcelamento compulsório”

 

Assim, não pode o Credor interferir discricionariamente na concessão ou não do parcelamento, o que é próprio da natureza potestativa do instituto - trata-se de um direito legalmente assegurado ao Executado -, cabendo-lhe apenas aguardar o recebimento das quantias e caso isto não venha a ocorrer, beneficiar-se do vencimento antecipado das parcelas, do imediato início dos atos executivos e da multa de 10% (dez por cento) sobre o valor das parcelas não pagas.

 

E mais, realizado o pedido de parcelamento o Magistrado somente poderá indeferir o pedido caso seja comprovada desobediência às regras contidas no já citado artigo 916, não havendo, como dito alhures, sequer a possibilidade de modificar por decisão o parcelamento solicitado.

 

Para Didier Jr (2017) o parcelamento é uma espécie de favor legal conferido ao Executado; um estímulo ao cumprimento espontâneo da obrigação: uma medida legal de coerção indireta pelo incentivo à realização do comportamento desejado (adimplemento), com a facilitação das condições para que a dívida seja adimplida, a facilitação do pagamento para aquele que se vendo inadimplente deseja pagar, contudo não possui recursos para fazê-lo em uma única parcela.

 

Surge, então, questionamento acerca da quebra do estatuído na Lei Substantiva Civil, mormente nos artigos 313 e 314 que preconizam que “o Credor não é obrigado a receber prestação diversa da que lhe é devida, ainda que mais valiosa”, nem tampouco “pode o credor ser obrigado a receber, nem o devedor a pagar, por partes, se assim não se ajustou”.

 

Contudo, aos nossos olhos não se trata de desvirtuar-se o comando material, mas, na verdade, permitir que este se cumpra levando-se em consideração o meio menos oneroso para o Executado, tal como preconizado pelo princípio da menor onerosidade, hoje consagrado no artigo 805 da Lei Adjetiva Civil.

 

A norma tece uma situação de equilíbrio, trazendo requisitos que devem ser estritamente observados, sob pena de desvirtuar a proporcionalidade que existe entre os benefícios concedidos e as restrições sofridas por ambas as partes.

 

De fato, ao poder ser invocado apenas com o reconhecimento do débito exeqüendo e impedindo a oposição de Embargos futuros, o parcelamento acaba por reconhecer o direito do Exeqüente, garantindo-lhe o cumprimento da obrigação estabelecida, em prazo um pouco mais enlastecido, é verdade, mas assegurando-lhe tal cumprimento, inclusive com depósito imediato de percentual razoável do débito, que poderá ser levantado de pronto .

 

Assume o Executado pesado ônus em caso de descumprimento: não mais poderá “defender-se” através de Embargos, arcará com multa e ainda sofrerá com o início imediato dos atos executivos.

 

Como se vê o parcelamento traz benefícios tanto para o Executado quanto ao Exeqüente, não se revelando quebra dos comandos estatuídos na Lei Substantiva Civil, muito ao contrário permite-lhe o cumprimento, em forma diversa da avençada, mas nos valores pelo Exeqüente lançados.

 

Assim, há perfeito equilíbrio e respeito aos comandos legais anteriormente citados.

 

Existem mais benefícios:

 

a) O tempo para finalização do processo é significativamente reduzido, haja vista a determinação legal de parcelamento em até 06 parcelas mensais, indicativo de pouco mais de 06 meses para o adimplemento da obrigação e encerramento da atividade jurisdicional executiva;

b) Há a facilitação do adimplemento uma vez que o devedor poderá organizar-se para cumprir o valor devido, agora escalonado para “caber” em seu orçamento

c) Com a assunção do parcelamento a atividade jurisdicional será mais facilmente desempenhada, podendo o magistrado dedicar-se a outros processos;

d) Determinado o parcelamento, o Executado estará “impedido” de manejar ações e recursos com o fito meramente procrastinatório, respeitando-se a Justiça e diminuindo-se o trâmite de processos junto aos Tribunais de Justiça.

 

 

5. Considerações finais.

 

Concluindo, percebemos que o parcelamento estabelecido pelo artigo 916 do Código de Processo Civil busca abreviar a demanda, permitindo maior celeridade na satisfação do direito do Credor que acaba de ingressar em juízo.  

 

A medida tem o propósito de facilitar a satisfação do crédito ajuizado, com vantagens tanto para o Executado quanto para o Exeqüente.

 

O Devedor se beneficia com o prazo de espera e com o afastamento dos riscos e custas da expropriação executiva; e o Credor, por sua vez, recebe uma parcela do crédito desde logo, ficando livre dos percalços dos embargos do Executado e de todo o trâmite processual executivo.

 

A lei inova em benefício das partes, criando para o Executado a oportunidade de honrar seus compromissos de forma menos onerosa e para o exeqüente a possibilidade de célere recebimento de uma dívida, com redução do prazo de duração do processo para o Credor.

 

A justiça se beneficia com a redução de processos em caráter contencioso, ganhando mais tempo para análise e solução de outras demandas.

 

Como demonstrado alhures, não se trata o parcelamento de quebra de regra material, mas de verdadeiro avanço na busca de um Direito presente, eficaz e ágil na resposta aos jurisdicionados.

 

6. Referências Bibliográficas

 

Brasil. Código Civil. – Brasília, 2010

 

Brasil. Código de Processo Civil. – Brasília, 2015.

 

DIDIER JR, Fredie; CUNHA, LEONARDO José Carneiro da. BRAGA, Paula Sarno. OLIVEIRA, Rafael Oliveira. Curso de Direito Processual Civil: Execução. Vol. 5. Edições JusPodivm, 2017.

 

PINTO, Bruno Ítalo Sousa. Artigo 745-A do CPC: a natureza jurídica do parcelamento da dívida e outras polêmicas. Jus Navigandi, Teresina, ano 12, n. 1897, 10 set. 2008. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2010



[1] Doutorando em Direito pela FADISP - Faculdade Autônoma de Direito de São Paulo (2015), Mestre em Administração pela FEAD (2014), Especialista em Direito Processual Civil pela Uninter (2014) e em Metodologia da Educação Superior pela Universidade Estadual do Maranhão (2005), Graduado em Direito pela Universidade Cândido Mendes - Rio de Janeiro (1996), advogado e Professor Universitário.
[2] .Mestrando em Desenvolvimento Regional pela Faculdade Alves Farias – ALFA (2015), Especialista em Direito Público – Teoria e Prática pelo Centro Universitário do Instituto de Ensino Superior COC (2012) e Especialização em Políticas Públicas em Educação do Ensino Superior pela Faculdade de Educação Santa Terezinha – FEST (2014), Graduado em Direito pela Universidade Federal do Maranhão – UFMA – São Luís (1993), Advogado e Professor Universitário.

 

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br, e a autoria (Wilker Batista Cavalcanti).
2 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, idéias e conceitos de seus autores.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Comentários e Opiniões

1) Paulla (04/06/2018 às 10:30:46) IP: 187.40.42.230
Muito bom artigo professor Wilker,com esse artigo temos uma melhor visão sobre o direito do devedor,em uma determinada divida, uma forma pacificadora de parcelar e liquidar de vez aquele debito, de acordo com o que nos diz o ordenamento jurídico.
2) Gabryella (04/06/2018 às 22:15:42) IP: 189.89.13.65
Ótimo artigo! Esse mecanismo é primordial para uma justiça mais célere, que tanto o NCPC visa atingir.
3) Larissa (05/06/2018 às 09:12:26) IP: 177.200.85.122
Ótimas considerações sobre o assunto,professor.
4) Antonio (18/06/2018 às 19:28:12) IP: 177.200.85.122
Didático e de bom entendimento!


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
 

Institucional

O que é JurisWay
Por que JurisWay?
Nossos Colaboradores
Profissionais Classificados
Responsabilidade Social no Brasil



Publicidade

Anuncie Conosco



Entre em Contato

Dúvidas, Críticas e Sugestões



Seções

Cursos Online Gratuitos
Vídeos Selecionados
Provas da OAB
Provas de Concursos
Provas do ENEM
Dicas para Provas e Concursos
Modelos de Documentos
Modelos Comentados
Perguntas e Respostas
Sala dos Doutrinadores
Artigos de Motivação
Notícias dos Tribunais
Notícias de Concursos
JurisClipping
Eu Legislador
Eu Juiz
É Bom Saber
Vocabulário Jurídico
Sala de Imprensa
Defesa do Consumidor
Reflexos Jurídicos
Tribunais
Legislação
Jurisprudência
Sentenças
Súmulas
Direito em Quadrinhos
Indicação de Filmes
Curiosidades da Internet
Documentos Históricos
Fórum
English JurisWay



Áreas Jurídicas

Introdução ao Estudo do Direito
Direito Civil
Direito Penal
Direito Empresarial
Direito de Família
Direito Individual do Trabalho
Direito Coletivo do Trabalho
Direito Processual Civil
Direito Processual do Trabalho
Condomínio
Direito Administrativo
Direito Ambiental
Direito do Consumidor
Direito Imobiliário
Direito Previdenciário
Direito Tributário
Locação
Propriedade Intelectual
Responsabilidade Civil
Direito de Trânsito
Direito das Sucessões
Direito Eleitoral
Licitações e Contratos Administrativos
Direito Constitucional
Direito Contratual
Direito Internacional Público
Teoria Econômica do Litígio
Outros



Áreas de Apoio

Desenvolvimento Pessoal
Desenvolvimento Profissional
Língua Portuguesa
Inglês Básico
Inglês Instrumental
Filosofia
Relações com a Imprensa
Técnicas de Estudo


Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados