JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Sala dos Doutrinadores - Opinião
Autoria:

Yuri De Moraes Murano
YURI MURANO, ADVOGADO, FORMADO EM DIREITO PELA UNIVERSIDADE ANHANGUERA -UNIDERP/MS

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

Lei de Tempo em Fila - Uma falsa proteção social
Direito Processual Civil

AS RELAÇÕES COMERCIAS E O BANCO COMO UM TERCEIRO DE BOA-FÉ
Direito Processual Civil

Monografias Direito Processual Civil

A BANALIZAÇÃO DA INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA

O presente artigo versa a respeito da Inversão do Ônus da prova, e sua aplicação de forma desmedida.

Texto enviado ao JurisWay em 11/08/2014.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

 

A BANALIZAÇÃO DA INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA

 

 

O instituto da Inversão do ônus da prova é certamente mal utilizado pelo sistema judiciário, aplicado de maneira equivocada em não raras vezes. 

 

A Inversão da prova deve ser feita em análise preliminar, via de regra não é obrigatória, devendo ser atribuída quanto verificada a fiel necessidade, e não de forma genérica e ampla como é aplicada por alguns magistrados. 

 

Confunde-se hipossuficiência técnica com hipossuficiência financeira. O fato da parte não prover de fundos suficientes para sobrevivência ou for discrepante com a renda per capita da outra parte envolvida, já se utiliza de imediato a inversão, não se averiguando questões essenciais do litígio, a necessidade de se provar o mínimo do direito pleiteado ou o requerimento expresso da parte promovente da demanda. 

 

Não está havendo utilização de critérios coerentes para se outorgar a Inversão do ônus, simplesmente concede-se, não sendo observada a tutela em si, as condições da ação e muito menos a necessidade de se constatar o essencial do pedido para a instauração dos autos. 

 

Toda essa falta de cuidado do poder judiciário em utilizar “um direito” de forma genérica, inverter o ônus quando não se deve, acaba por motivar os demandantes a postularem tutelas sem qualquer “prova do mínimo”, gerando enriquecimento ilícito, e, indiretamente, abarrotando o judiciário. 

 

Neste cenário, além do acúmulo de processos, as empresas de grande porte ficam a mercê desse desequilíbrio recorrente da inversão do ônus da prova, afinal, como resguardar o direito de uma grande empresa, em meio ao turbilhão de deferimentos invertendo o ônus probatório, nem relação com a parte demandada precisa-se provar, enem mesmo incapacidade técnica.  

 

A falha pode-se dizer sistêmica na inversão do ônus causa uma disparidade entre litigante e litigado, transcendendo os limites legais e prejudicando as empresas coorporativas que atuam no mercado, pontuando também um possível cerceamento de defesa frente à discrepância na aceitação da inversão. 

 

Estamos diante de um caos jurídico, a inversão probatória desequilibrada, beneficiando as pessoas economicamente menos desfavorecidas, digo, financeiramente e não tecnicamente, ou fazendo uma relação financeira entre os litigados, prejudicaas empresas de contencioso de volume, contribuindo para o enriquecimento desmedido das demandas indenizatórias, repito, abarrotando o judiciário. 

 

Em fim, a inversão do ônus da prova deve seguir as regras instituídas pela ordem pátria, devendo a parte interessada promover suas evidências, e em se tratando de interesses consumeristas parte-se da mesma lógica, invertendo o ônus apenas quando comprovada a deficiência técnica, quando houver incerteza do reconhecimento do direito apostado. 

 

Yuri Murano, advogado do Escritório Mascarenhas Barbosa & Advogados Associados.

 

 

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br, e a autoria (Yuri De Moraes Murano).
2 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, idéias e conceitos de seus autores.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
 

Institucional

O que é JurisWay
Por que JurisWay?
Nossos Colaboradores
Profissionais Classificados
Responsabilidade Social no Brasil



Publicidade

Anuncie Conosco



Entre em Contato

Dúvidas, Críticas e Sugestões



Seções

Cursos Online Gratuitos
Vídeos Selecionados
Provas da OAB
Provas de Concursos
Provas do ENEM
Dicas para Provas e Concursos
Modelos de Documentos
Modelos Comentados
Perguntas e Respostas
Sala dos Doutrinadores
Artigos de Motivação
Notícias dos Tribunais
Notícias de Concursos
JurisClipping
Eu Legislador
Eu Juiz
É Bom Saber
Vocabulário Jurídico
Sala de Imprensa
Defesa do Consumidor
Reflexos Jurídicos
Tribunais
Legislação
Jurisprudência
Sentenças
Súmulas
Direito em Quadrinhos
Indicação de Filmes
Curiosidades da Internet
Documentos Históricos
Fórum
English JurisWay



Áreas Jurídicas

Introdução ao Estudo do Direito
Direito Civil
Direito Penal
Direito Empresarial
Direito de Família
Direito Individual do Trabalho
Direito Coletivo do Trabalho
Direito Processual Civil
Direito Processual do Trabalho
Condomínio
Direito Administrativo
Direito Ambiental
Direito do Consumidor
Direito Imobiliário
Direito Previdenciário
Direito Tributário
Locação
Propriedade Intelectual
Responsabilidade Civil
Direito de Trânsito
Direito das Sucessões
Direito Eleitoral
Licitações e Contratos Administrativos
Direito Constitucional
Direito Contratual
Direito Internacional Público
Teoria Econômica do Litígio
Outros



Áreas de Apoio

Desenvolvimento Pessoal
Desenvolvimento Profissional
Língua Portuguesa
Inglês Básico
Inglês Instrumental
Filosofia
Relações com a Imprensa
Técnicas de Estudo


Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados