JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Sala dos Doutrinadores - Ponto de Vista
Autoria:

Bruna Girotto Fernandes
Advogada sócia do escritório FGBR Advogados. Especialista em Direito Tributário (Ibet) e Direito do Trabalho (Unopar).

envie um e-mail para este autor

Outras monografias da mesma área

Fim do contrato de trabalho e a manutenção do plano de saúde oferecido ao empregado

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL

O intervalo intrajornada e a supressão prevista na Lei nº 13.467/2017 (Reforma Trabalhista)

EMPREGADO DOMÉSTICO

A Exegese do Aviso Prévio Proporcional a partir da Nota Técnica nº 184 do Ministério do Trabalho e Emprego

DIREITO DA EMPREGADA A DISPENSAR A ESTABILIDADE DA GESTANTE

ASSÉDIO MORAL

Os aplicativos eletrônicos e a necessidade de análise do caso concreto sob a ótica das leis trabalhistas

A AQUISIÇÃO DE FÉRIAS E SUA DURAÇÃO, NOS TERMOS DO ORDENAMENTO JURÍDICO.

Segurança e medicina do trabalho sob a ótica dos adicionais de insalubridade e periculosidade e dos exames periódicos.

Todas as monografias da área...

Monografias Direito do Trabalho

O uso da Justiça: uma reflexão para o Dia do Trabalhador

Não há uma melhor data - 1º de maio - para lembrar e reafirmar o dever de empregadores no respeito a todas as garantias e direitos conquistados após anos de muita luta pelos trabalhadores brasileiros.

Texto enviado ao JurisWay em 29/04/2014.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

O Direito do Trabalho estrutura, em seu interior, uma teia de proteção àquele que considera hipossuficiente numa relação empregatícia. E é, por esse motivo que, pelo Princípio da Proteção, a legislação trabalhista, num contrato de trabalho, oferece uma guarida maior de direitos protetivos ao empregado, em detrimento daquele que o emprega, o patrão. Isto significa que, ao se interpretar uma norma, por exemplo, o magistrado deve optar pela mais favorável ao trabalhador. 

Após anos a fio de uma vida letárgica e de aplicabilidade pífia durante o regime militar, com a promulgação do Texto Maior de 1988, os Direitos Sociais foram enriquecidos para a proteção dos trabalhadores, sendo ressuscitados e alçados à condição de direito fundamental de todo cidadão brasileiro. E, em razão disso, esta mesma norma maior recebeu o epíteto de Constituição Cidadã.

 Sendo assim, para manter o devido respeito e a preservação dos direitos, arduamente conquistados neste novel período político brasileiro, inumeráveis relações trabalhistas acabam não se encerrando com a dispensa ou demissão do funcionário, transformando-se, lamentavelmente, em ações trabalhistas nas quais ex-empregados e ex-patrões se tornam reclamantes e reclamados.

Essa busca infindável para salvaguardar os Direitos Sociais – alicerces estes do Estado Democrático de Direito - corroborado ainda, pela gama protetiva e preferencial em favor do empregado, acaba, por muitas vezes, estigmatizando ao patrão, uma imagem violadora e ilegal na relação de trabalho. Tal imagem o retrata como se ele sempre fosse o maldoso e oportunista no trabalho desenvolvido pelo seu funcionário. Contudo, tal percepção jamais se refletirá a realidade dos fatos deduzidos em juízo.  

Apesar do número de empregadores, que teimam em desrespeitar os direitos básicos e cruciais de todo trabalhador, ser elevado, existe, ainda, um imensurável número de funcionários que, conscientes de seus privilégios jurídicos, age de maneira suspeita e oportunista, assumindo empregos no intuito de permanecer por um curto período e criar situações para dar ensejo a uma demanda trabalhista.

Um exemplo disso é quando um funcionário é liberado do turno, em seu horário correto, mas, acaba permanecendo no ambiente de trabalho e posteriormente ingressa com ação pleiteando horas extras contra o empregador. Há, ainda, empregado que, sem qualquer permissão da empresa, até mesmo com proibição expressa para tanto, expõe-se a riscos não inerentes a sua atividade, vindo a se acidentar e, via de regra, culpar a empresa sobre a eventualidade, para fins de direitos trabalhistas. Tais exemplos preenchem algumas das casualidades que se verificam em ações judiciais por todo o país.

São em situações semelhantes a estas que aumentam por demais a responsabilidade do advogado consultado, a fim de orientar seus clientes a não se aventurarem em ações infundadas e que não prestigiem a boa-fé processual, baseadas tão-somente no oportunismo e na intenção de prejudicar e macular a imagem do empregador.

Por óbvio, com o término da relação trabalhista, principalmente quando é oriunda de uma dispensa do patrão, é normal o empregado se sentir lesado e ter dúvidas quanto ao fiel cumprimento de todos os seus direitos resultantes do fim da relação. A este, deve ser viabilizado todo acesso às informações legais que rodeiam sua dispensa. O que deve ser evitado, por óbvio, são atitudes insidiosas e oportunistas que se prestam para se perseguir o dinheiro e manchar a imagem do empregador honesto e idôneo nas relações trabalhistas com seus funcionários.

Não há uma melhor data – 1º de maio – para lembrar e reafirmar o dever de empregadores no respeito a todas as garantias e direitos conquistados após anos de muita luta pelos trabalhadores brasileiros. Esta data é importante, também, para aconselhar os empregados a não buscarem a justiça com o intuito de pleitear objetivos imorais.

Os Direitos Sociais são uma das pedras de toque do Estado Brasileiro, porém, devem ser buscados sempre nos estritos limites da boa-fé, pois, só assim atingiremos a ordem e o progresso estampado na bandeira nacional.

 (*) Bruna Girotto Fernandes

 

 sócia do escritório FGBR Advogados - bruna@fgbradvogados.com.br

 

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br, e a autoria (Bruna Girotto Fernandes).
2 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, idéias e conceitos de seus autores.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
 

Institucional

O que é JurisWay
Por que JurisWay?
Nossos Colaboradores
Profissionais Classificados
Responsabilidade Social no Brasil



Publicidade

Anuncie Conosco



Entre em Contato

Dúvidas, Críticas e Sugestões



Seções

Cursos Online Gratuitos
Vídeos Selecionados
Provas da OAB
Provas de Concursos
Provas do ENEM
Dicas para Provas e Concursos
Modelos de Documentos
Modelos Comentados
Perguntas e Respostas
Sala dos Doutrinadores
Artigos de Motivação
Notícias dos Tribunais
Notícias de Concursos
JurisClipping
Eu Legislador
Eu Juiz
É Bom Saber
Vocabulário Jurídico
Sala de Imprensa
Defesa do Consumidor
Reflexos Jurídicos
Tribunais
Legislação
Jurisprudência
Sentenças
Súmulas
Direito em Quadrinhos
Indicação de Filmes
Curiosidades da Internet
Documentos Históricos
Fórum
English JurisWay



Áreas Jurídicas

Introdução ao Estudo do Direito
Direito Civil
Direito Penal
Direito Empresarial
Direito de Família
Direito Individual do Trabalho
Direito Coletivo do Trabalho
Direito Processual Civil
Direito Processual do Trabalho
Condomínio
Direito Administrativo
Direito Ambiental
Direito do Consumidor
Direito Imobiliário
Direito Previdenciário
Direito Tributário
Locação
Propriedade Intelectual
Responsabilidade Civil
Direito de Trânsito
Direito das Sucessões
Direito Eleitoral
Licitações e Contratos Administrativos
Direito Constitucional
Direito Contratual
Direito Internacional Público
Teoria Econômica do Litígio
Outros



Áreas de Apoio

Desenvolvimento Pessoal
Desenvolvimento Profissional
Língua Portuguesa
Inglês Básico
Inglês Instrumental
Filosofia
Relações com a Imprensa
Técnicas de Estudo


Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados