JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Benefícios Previdenciários com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Dicas para Provas e Concursos
Autoria:

Leonardo Tadeu
Graduado em Direito pela PUC-MG.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

Interesse de agir - Conceito
Direito Processual Civil

Juntada de documentos - Posicionamento STJ
Direito Processual Civil

Teoria da constituição
Direito Constitucional

Dano moral - Valor indenizatório
Direito Civil

Normas Constitucionais programáticas
Direito Constitucional

Mais artigos...

Dicas de Concursos Direito Administrativo Ato Administrativo

Ato Administrativo - Elementos ou requisitos

Texto enviado ao JurisWay em 31/08/2012.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Para definir os elementos que compõem o ato administrativo, a doutrina utilizou como base o disposto no artigo 2º da lei 4.717/65, da lei de Ação Popular, no qual foram estabelecidas as hipóteses de nulidade dos atos lesivos ao patrimônio público:

 

Veja:

Art. 2º São nulos os atos lesivos ao patrimônio das entidades mencionadas no artigo anterior, nos casos de:

a) incompetência;

b) vício de forma;

c) ilegalidade do objeto;

d) inexistência dos motivos;

e) desvio de finalidade.

 

Desta forma, utilizando-se o caminho inverso, pode-se dizer que os elementos que compõem o ato administrativo são os seguintes:

 

a) Sujeito (competência);

b) Forma;

c) Motivo;

d) Finalidade

e) Objeto.

 

Sujeito

 

Sujeito é a pessoa a quem o ordenamento jurídico estabelece para a prática do ato.

 

Considerando as regras do direito civil deve-se averiguar se o sujeito é capaz, entretanto, considerando as regras do direito administrativo, deve-se averiguar também se o sujeito é competente para a prática daquele ato.

 

Como se pode notar, em se tratando do direito administrativo, não basta que o sujeito seja capaz, exigindo-se também que este seja competente para a prática do ato.

 

Entende-se por competência como "conjunto de atribuições das pessoas jurídicas, órgãos e agentes, fixadas pelo direito positivo." (Maria Sylvia Di Pietro)

 

Em regra a competência é definida em lei, entretanto, excepcionalmente há regras de competência definidas na Constituição Federal ou mesmo, por meio de atos administrativos internos.

 

Em princípio, as regras de competência são:

a) inderrogáveis, ou seja, a competência não pode ser modificada por acordo entre as partes;

b) improrrogáveis, ou seja, o incompetente não se torna competente;

c) irrenunciáveis, ou seja, o competente é obrigado à prática do ato;

 

Exceção a irrenunciabilidade ocorre nas hipóteses de delegação e avocação.

 

A delegação ocorre quando um superior transfere para o subordinado o exercício da competência; já a avocação ocorre quando um superior chama para sim a competência estabelecida para o inferior.

 

Entretanto, mesmo em se tratando de casos de delegação, há restrições na conduta do administrado público.

 

As restrições à possibilidade de delegação de competência encontram-se  estabelecidas no artigo 13 da lei 9.784/99 que dispõe sobre o processo administrativo federal:

 

Art. 13. Não podem ser objeto de delegação:

I - a edição de atos de caráter normativo;

II - a decisão de recursos administrativos;

III - as matérias de competência exclusiva do órgão ou autoridade.

 

Desta forma, dizemos que não pode haver delegação nas hipóteses:

 

a) Competência exclusiva;

b) Decisão de recurso administrativo;

c) Para edição de ato normativo;

 

Forma

 

O segundo elemento ou requisito de um ato administrativo diz respeito à forma.

 

Dizemos que a forma é o meio pelo qual a administração exterioriza seus atos.

 

Em regra a forma é escrita.

 

Entretanto, pode-se entender que o elemento da forma também diz respeito ao "atendimento das formalidades necessárias à edição do ato".

 

É que em se tratando do direito administrativo, o atendimento das formalidades exigidas para a prática do ato encontra maior relevância que no direito privado, eis que esta não deixa de se constituir uma garantia jurídica para o administrado e também para a administração.

 

Desta forma, a observância das formalidades legais para a prática do ato, bem como, das regras de procedimentos administrativos, constituem-se requisitos de validade do próprio ato administrativo e, neste caso, pode ser entendida como parte integrante do elemento forma.

 

Isso não quer dizer, entretanto, que a administração esteja sujeita a formas rígidas.

O próprio ordenamento jurídico estabelece que, salvo nos casos definidos em lei, os atos administrativos não dependem de forma. (art. 22, lei 9784/99)

 

Art. 22. Os atos do processo administrativo não dependem de forma determinada senão quando a lei expressamente a exigir.

 

Como se pode notar, o que se exige é que o ato seja escrito, em vernáculo, com a data e o local de sua realização e a assinatura da autoridade responsável. (§1º, art.22, lei9784/99)

 

Art. 22...

§ 1o Os atos do processo devem ser produzidos por escrito, em vernáculo, com a data e o local de sua realização e a assinatura da autoridade responsável.

Ademais, torna-se importante destacar que excepcionalmente, admite-se que o ato apresente a forma verbal, como ocorre, por exemplo, no caso dos gestos do guarda de trânsito ou do semáforo.

 

Até a inércia ou o silêncio da administração pode representar a prática de um ato administrativo, desde é claro, que tal condição esteja expressamente estabelecida em lei.

 

Um exemplo prático ocorre quando a lei estabelece um prazo específico para que a administração se manifeste acerca de uma questão específica; sendo que, neste caso, também é estabelecido pela lei que sua inércia ou silêncio seja entendido como anuência.

 

Questão muito cobrada em concursos públicos diz respeito à motivação.

 

A motivação integra a forma do ato.

 

Assim, não se engane: a motivação faz parte do elemento da forma e não do elemento do motivo!

 

A motivação

 

A motivação é a justificação do ato, a explicação, por escrito, do ato.

 

Ou seja, é a indicação das razões de fato e direito que ensejaram a prática do ato.

 

Amparando na doutrina, oportunas são as palavras da professora Maria Sylvia Di Pietro:

...

" a exposição dos fatos e do direito que serviram de fundamento para a prática do ato;"

 

A administração motiva o ato quando exterioriza o ato.

 

Parte da doutrina entende que a administração tem a obrigação de motivar seus atos.

 

Entretanto, outra parte da doutrina entende que a administração somente tem a obrigação de motivar seus atos quando a lei assim o exigir ou se tratar de atos vinculados.

 

Motivo

 

Diferentemente da motivação que é a explicação das razões de fato e direito que ensejaram a prática do ato, o elemento do ato administrativo relacionado ao motivo refere especificamente aos pressupostos de fato e de direito que se baseou o ato.

 

Pressuposto de direito é a norma legal em que se baseia o ato.

 

Pressupostos de fato são as circunstâncias fáticas que levaram a administração à prática do ato.

 

Utilizando um linguajar mais simples, dizemos que motivo é a causa do ato;

 

No ato de punição de um funcionário público, o motivo seria a infração praticada por ele.

 

Teoria dos motivos determinantes

Estabelece a teoria dos motivos determinante que as razões que a administração pública invoca para a prática do ato administrativo vinculam-se a validade do próprio ato administrativo.

 

Desta forma, se a administração motiva o ato, mesmo em se tratando de hipóteses em que a lei não o exija, a validade do ato vincula-se aos motivos indicados.

 

Motivo X Motivação

 

Motivo é um dos elementos que compõe o ato administrativo e se refere às razões de fato e de direito que ensejaram a prática do ato.

 

A motivação integra o elemento forma e se refere à explicação do ato. Ou seja, é demonstração escrita das razões de fato e de direito que ensejaram a prática do ato.

 

Finalidade

 

Finalidade é o efeito jurídico mediato, ou seja, é o resultado que a administração deseja com a prática do ato.

 

Enquanto o motivo antecede a prática do ato, justificando o ato; a finalidade o sucede, eis que representa o escopo a ser atingido pela administração.

 

Também se diferencia do objeto, que representa o efeito jurídico imediato do ato, qual seja, a transformação, aquisição ou extinção de direitos.

 

A finalidade pode ser entendida sob dois prismas jurídicos diversos:

 

a) sentido amplo: a finalidade do ato administrativo sempre deverá assegurar a observância do interesse público, ou seja, sempre apresentado a finalidade pública;

 

b) sentido restrito: a finalidade do ato administrativo será o resultado específico que a lei estabelece para daquele ato administrativo, a finalidade do ato administrativo sempre decorre da lei, seja de forma implícita ou explicita.

 

Como se pode notar é a lei que define a finalidade a ser atingida pelo ato administrativo, não havendo liberdade para administração pública.

 

Se não atendido o elemento relacionado finalidade do ato administrativo (sentido restrito), atingido também está o interesse público (finalidade - sentido amplo) e, neste sentido, viciado estará o ato, por desvio de poder.

 

Objeto ou conteúdo

 

Conforme já registrado, o elemento objeto do ato administrativo diz respeito ao seu efeito jurídico imediato, ou seja, é a transformação jurídica que o ato provoca. (aquisição, transformação ou extinção de direitos)

 

Utilizando um linguajar mais simples, dizemos que o objeto é o que o ato "enuncia, prescreve dispõe". ( Maria Sylvia Di Pietro)

Como ocorre na seara do direito privado, exige-se que o objeto seja lícito, possível, certo e moral.

 

RESUMO TEMÁTICO

 

Requisitos ou elementos do ato administrativo;

a) Elementos que compõe a declaração do Estado;

b) Sujeito, forma, objeto, motivo e finalidade;

c) Elementos foram apontados com base no artigo 2º da lei 4.717/65 (Ação popular)

 

Sujeito (competência-lei)

a) Pessoa a quem o ordenamento jurídico estabelece para a prática do ato;

b) Sujeito deve ser capaz (regras do direito civil)

c) Sujeito deve ser competente (regras do direito administrativo)

d) Em regra a competência é definida em lei; (excepcionalmente há regras de competência definidas na Constituição Federal ou mesmo, definida por meio de atos administrativos internos)

e) As regras de competência são inderrogáveis; (a competência não pode ser modificada por acordo entre as partes)

f) As regras de competência são improrrogáveis; ( o incompetente não se torna competente)

g) As regras de competência são irrenunciáveis; ( o competente é obrigado a prática do ato) - Exceção: delegação e avocação;

h) Delegação: superior transfere para o subordinado o exercício da competência;

i) Avocação: superior chama para sim a competência estabelecida para o inferior;

j) Casos em que não pode haver delegação:

i. Competência exclusiva;

ii. Decisão de recurso administrativo;

iii. Para edição de ato normativo;

 

Forma

a) Meio pelo qual a administração exterioriza seus atos;

b) Em regra a forma é escrita;

c) O ato é solene porque em regra se exterioriza por escrito;

 

Motivação;

a) Justificação do ato;

b) Explicação do ato;

c) A motivação integra a forma do ato;

d) Indicação das razões de fato e direito que ensejaram a prática do ato;

e) A administração motiva o ato quando exterioriza o ato;

f) Para a maioria da doutrina, a administração tem a obrigação de motivar seus atos;

g) Parte da doutrina entende que a administração somente tem a obrigação de motivar seus atos quando a lei exigir;

 

Motivo X motivação

a) Motivo é um dos elementos que compõe o ato administrativo;

b) Motivo são as razões de fato e de direito que ensejaram a prática do ato;

c) A motivação é a explicação do ato;

d) A motivação integra a forma;

 

Objeto ou conteúdo;

a) É o efeito jurídico imediato; (o que o ato produz)

b) É o que o ato enuncia;

c) É a transformação jurídica que o ato provoca;

 

Motivo

a) As razões de fato e direito que ensejaram a prática do ato administrativo;

b) É a causa do ato;

 

Teoria dos motivos determinantes

a) As razões que a administração pública invoca para a prática do ato administrativo vinculam-se a validade do ato;

b) Se o motivo for falso ou inexistente o ato administrativo é inválido;

 

Finalidade

a) Efeito jurídico mediato;

O que a administração deseja com a prática do ato;

 

Bibliografia

1. CRETELLA JÚNIOR, José. Tratado de direto administrativo. Rio de Janeiro:Forense,

2. MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 32. ed. São Paulo: Malheiros, 2006.

3. MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. 22. ed. São Paulo: Malheiros, 2007.

4. DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 21. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

5. GASPARINI, Diógenes. Direito Administrativo. 8. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2003.

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br, e a autoria (Leonardo Tadeu).
2 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, idéias e conceitos de seus autores.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Comentários e Opiniões

1) Agnaldo (11/09/2013 às 22:39:10) IP: 179.226.74.240
muito bom


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 

Institucional

O que é JurisWay
Por que JurisWay?
Nossos Colaboradores
Profissionais Classificados
Responsabilidade Social no Brasil



Publicidade

Anuncie Conosco



Entre em Contato

Dúvidas, Críticas e Sugestões



Seções

Cursos Online Gratuitos
Vídeos Selecionados
Provas da OAB
Provas de Concursos
Provas do ENEM
Dicas para Provas e Concursos
Modelos de Documentos
Modelos Comentados
Perguntas e Respostas
Sala dos Doutrinadores
Artigos de Motivação
Notícias dos Tribunais
Notícias de Concursos
JurisClipping
Eu Legislador
Eu Juiz
É Bom Saber
Vocabulário Jurídico
Sala de Imprensa
Defesa do Consumidor
Reflexos Jurídicos
Tribunais
Legislação
Jurisprudência
Sentenças
Súmulas
Direito em Quadrinhos
Indicação de Filmes
Curiosidades da Internet
Documentos Históricos
Fórum
English JurisWay



Áreas Jurídicas

Introdução ao Estudo do Direito
Direito Civil
Direito Penal
Direito Empresarial
Direito de Família
Direito Individual do Trabalho
Direito Coletivo do Trabalho
Direito Processual Civil
Direito Processual do Trabalho
Condomínio
Direito Administrativo
Direito Ambiental
Direito do Consumidor
Direito Imobiliário
Direito Previdenciário
Direito Tributário
Locação
Propriedade Intelectual
Responsabilidade Civil
Direito de Trânsito
Direito das Sucessões
Direito Eleitoral
Licitações e Contratos Administrativos
Direito Constitucional
Direito Contratual
Direito Internacional Público
Teoria Econômica do Litígio
Outros



Áreas de Apoio

Desenvolvimento Pessoal
Desenvolvimento Profissional
Língua Portuguesa
Inglês Básico
Inglês Instrumental
Filosofia
Relações com a Imprensa
Técnicas de Estudo


Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados