JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Preparatório OAB
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Notícias Jurídicas

Últimas notícias

Apenado não tem benefício sem vigilância de empresa em trabalho externo
TJ-SC - (26/08/2014)

Família tem o direito de alterar certidões de falecido com o sobrenome errado
TJ-SC - (26/08/2014)

TJSP determina fornecimento de medicamento a portadora de desgaste ósseo
TJ-SP - (26/08/2014)

Banco terá que indenizar por prestação defeituosa que inviabilizou recebimento de salário
TJ-DFT - (26/08/2014)

American Express deve indenizar em R$ 10 mil idoso vítima de fraude
TJ-CE - (26/08/2014)

Contrato temporário: empresa é condenada a devolver valor descontado de empregado que pediu demissão
TRT - 12ª Região - SC - (26/08/2014)

Mantida condenação à Voetur por coagir empregado a cortar cabelo black power
TRT - 10ª Região - DF - (26/08/2014)

Empregada beneficiada pela Lei da Anistia não tem direito a contagem do tempo de afastamento para obter benefícios
TRT - 3ª Região - MG - (26/08/2014)

Mais notícias do dia...

Sem conciliação, dissídio do sindicato dos panificadores vai a julgamento no TRT da 11ª Região

TRT - 11ª Região - AM - 18/09/2009

Perguntas e Respostas JurisWay
Ferramentas Facebook:
Envie para um amigo:


Ou compartilhe com todos:

O Tribunal Regional do Trabalho realizou, na manhã desta sexta-feira (18/09) audiência de conciliação do Dissídio Coletivo entre o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Panificação, Confeitarias, Massas Alimentícias de Biscoitos de Manaus (SINTPRAM), na qualidade de suscitante, e o Sindicato das Indústrias de Panificação e Confeitarias do Amazonas. Apesar das várias tentativas de conciliação colocadas pela presidente do TRT da 11ª Região, desembargadora federal Luiza Maria de Pompei Falabela Veiga, os dois sindicatos não chegaram a um acordo. A presidente encerrou a sessão submetendo o processo a julgamento, sendo relatora a desembargadora federal Vera Lúcia Câmara de Sá Peixoto, no exercício da vice-presidência e revisor o desembargador federal David Alves de Mello Júnior. Os autos foram remetidos à Procuradoria do Trabalho, que deverá emitir parecer.
Após a desembargadora Luiza Maria de Pompei Falabela Veiga submeter aos interessados a solução que lhe pareceu capaz de resolver o dissídio, somente em relação à manutenção da data base ficou estabelecido o dia 1º de julho de cada exercício. Com relação à folga aos domingos, o representante do Ministério Público, Dr. Adson Souza do Nascimento chamou a atenção de que as partes afirmaram que a praxe atual é de escala de dois domingos trabalhados e um para descanso. O sindicato patronal pretendia modificar esta cláusula, ao propor seis domingos trabalhados por um de descanso, o que foi considerado inadmissível pela presidência do Tribunal.
Em razão das partes permaneceram inconciliáveis em relação às demais cláusulas propostas pelo sindicato laboral, que incluem a elevação do piso salarial para R$ 485,00 e reajuste de 7% para quem ganha acima do piso; a folga aos domingos no mínimo em escala três para um, isto é, para cada três domingos trabalhados um domingo seja destinado ao descanso; e, ainda, a pretensão patronal de fazer inserir no acordo uma cláusula que permita a seus associados realizar contratos de trabalho parciais, a presidente do Tribunal deu por encerrada a audiência de conciliação, submetendo os autos a julgamento.
 

Voltar para notícias

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.
 
 
Copyright (c) 2006-2014. JurisWay - Todos os direitos reservados