JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Jurisprudências

Outras jurisprudências sobre
'Direito constitucional à saúde'

TJ-MG - Direito à saúde - necessidade de internação - obrigação do Estado
05/10/2006

TJ-MG - Direito à saúde - direito líquido e certo - obrigação do Estado
17/08/2006

TJ-MG - Direito à saúde - dever do Estado - direito líquido e certo
16/08/2006

TJ-MG - Direito à saúde - dever do Estado - ausência de vagas no SUS - obrigação do Estado custear tratamento em rede particular
16/08/2006

TJ-MG - Direito à saúde - obrigação do Estado - direito líquido e certo
29/06/2006

STJ - SUS - Obrigação de fornecer gratuitamente medicamentos - direito à saude e à dignidade da pessoa humana
20/06/2006

STJ - Direito à saúde - obrigação do Estado - fornecimento de medicamentos gratuitos - bloqueio de contas públicas
18/05/2006

TJ-MG - Direito à saúde - obrigação do Estado - fornecimento de tratamento adequado
04/05/2006

Veja mais...

 

TJ-MG - Direito à saúde - obrigação do Estado - direito líquido e certo

Data da publicação da decisão - 30/03/2006.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Número do processo: 1.0145.04.178775-8/001(1) Precisão: 100%
Relator: TERESA CRISTINA DA CUNHA PEIXOTO
Data do acordão: 30/03/2006
Data da publicação: 02/08/2006


Ementa:


MANDADO DE SEGURANÇA - TRATAMENTO MÉDICO - DIREITO À SAÚDE - DEVER DO MUNICÍPIO, NA CONDIÇÃO DE GESTOR DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - LEI Nº 8.080/90 - LEGITIMIDADE PASSIVA DO DIRETOR DE SAÚDE DA MUNICIPALIDADE - LITISCONSÓRCIO PASSIVO NECESSÁRIO AFASTADO - VIOLAÇÃO DE DIREITO LÍQUIDO E CERTO - MANUTENÇÃO DA DECISÃO DE PRIMEIRO GRAU, NO REEXAME NECESSÁRIO. É dever do Município, na condição de gestor do Sistema Único de Saúde, zelar pela saúde dos necessitados, oferecendo atendimento aos casos urgentes que envolvam risco para a vida dos pacientes, figurando-se o Diretor de Saúde do Município de Juiz de Fora o único legitimado passivo para a presente causa, fazendo-se desnecessária a intervenção dos gestores estadual e federal do SUS na lide, nos termos do artigo 7º, inciso IX, e artigo 9º, inciso III, da Lei nº 8.080/90. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado de forma irrestrita, com a disponibilização dos recursos que se fizerem necessários ao tratamento da moléstia de que padece a parte, incluindo internações, cirurgias e o fornecimento de medicamentos prescritos, constituindo violação da ordem constitucional a negativa do tratamento, devendo ser mantida a decisão de primeiro grau que concedeu a segurança, no reexame necessário, prejudicado o recurso voluntário.

Importante:
1 - Todas as informações podem ser citadas na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

 
 
Copyright (c) 2006-2014. JurisWay - Todos os direitos reservados