JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

OS ESTRATAGEMAS DE SCHOPPENHAUER APLICADOS A FUNDAMENTAÇÃO DAS DECISÕES NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL


Autoria:

Marcelo Lucas Ribeiro De Oliveira


Graduado Em Direito pela Faculdade Novos Horizontes, pós graduado em Direito Processual pela PUC Minas, advogado com a atuação predominante no direito civil.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

É imperioso perceber a necessidade de se fundamentar as decisões de maneira a respeitar os princípios lógicos da linguagem e concatenação do pensamente. Diante disso se percebe que o paragrafo 1º do Artigo 489 do novo CPC busca evitar tais erros.

Texto enviado ao JurisWay em 25/07/2016.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

OS ESTRATAGEMAS DE SCHOPPENHAUER APLICADOS A FUNDAMENTAÇÃO DAS DECISÕES NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL[1]

Marcelo Lucas Ribeiro de Oliveira

 

            Tem-se como objetivo analisar o artigo 489, §1º, inciso III do Novo Código de Processo Civil a luz do primeiro estratagema de Artur Schoppenhauer, que consiste em generalizar os argumentos do oponente proporcionando maior possibilidade de ataques a seu argumento. Assim se verá as consequências de tal prática para a decisão e para o tramite processual.

            Segundo Schoppenhauer uma maneira de se vencer um debate sem ter razão é tornar o argumento de seu oponente o mais amplo possível, Olavo de carvalho denomina tal prática de “Ampliação indevida”, esse estratagema consiste em interpretar o argumento apresentado da maneira mais ampla possível, de maneira que se possa interpretá-lo fora do sentido que se quis empregar; após isso se restringir a afirmação feita a priori negando a ela veracidade mediante a generalização do argumento. Dessa forma quanto maior for o nível de generalidade que se dê, maior será a possibilidade de atacar a afirmação pretendida.

            É importante notar que essa prática não outorga razão àquele que se vale dela, apenas nega a veracidade da afirmação que se deseja refutar, nesse sentido não é uma afirmação que exclui o argumento mas uma negação sem nenhum fundamento que passa a ter uma aparência de verdade, quando na realidade carece de fundamentação, não sendo possível, em ultima análise, dizer que o argumento foi efetivamente refutado pois o “argumento” que aparentemente o refutou não goza da mínima fundamentação necessária.

            Ao redigir o inciso III do paragrafo 1º do artigo 489 do NCPC, o legislador tenta evitar exatamente essa carência de fundamentação, pois é extremamente comum hoje na pratica forense uma decisão que se limita a dizer “defiro ou indefiro pelos seus próprios fundamentos”, não se preocupa em explicitar tais fundamentos, ou a decisão de um magistrado que se limita a dizer que “razão assiste ao réu ou ao autor”, novamente sem demonstrar o porquê dessa razão. Por fim se vê também a utilização apenas da citação do texto normativo (caso que é abarcado pelo inciso I do mesmo artigo e parágrafo), usando assim argumentos genéricos. Veja-se o dispositivo legal:

 

Art. 489.  São elementos essenciais da sentença:

...

§ 1o Não se considera fundamentada qualquer decisão judicial, seja ela interlocutória, sentença ou acórdão, que:

...

III - invocar motivos que se prestariam a justificar qualquer outra decisão;

...

 

 

            Tal dispositivo servirá também para melhor o debate entre as partes, uma vez que ao proibir o magistrado de se valer de argumentos genéricos o texto legal veda também as partes, ou seja não mais será possível que o réu se defenda de maneira genérica ou simplesmente cite algum princípio dizendo, simplesmente, que tal princípio nega o direito do autor, será necessário a construção de raciocínio jurídico que demonstre no caso concreto, específico, a aplicação do referido princípio e quais são suas consequências, dessa forma não será mais possível, ao menos em tese, a resolução dos casos de maneira geral, sem que seja considerada as peculiaridades de cada caso.

             No que tange a decisão do magistrado é importante ressaltar que não será possível ignorar as particularidades do caso concreto, tal dispositivo afasta a possibilidade de que o magistrado tome os argumentos das partes como genéricas, desconsiderando a vinculação desses argumentos ao caso concreto, sendo assim o magistrado deverá explicitar os fundamentos de sua decisão, não sendo suficiente apontar o ganho de causa mas deverá dizer o que levou ao seu convencimento de maneira específica, sem e valer de generalidades, será preciso a realização da subsunção entre a norma, princípio ou jurisprudência e o caso concreto objeto da lide.

 



[1]Trabalho apresentado a disciplina de Hermenêutica do curso de pós-graduação em Direito Proessual da PUC Minas

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Marcelo Lucas Ribeiro De Oliveira) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2022. JurisWay - Todos os direitos reservados