JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Defesa do Consumidor
 

Mesmo com Selic inalterada, crédito estará pior ao consumidor em 2011

Fonte: InfoMoney Fonte: Consumidor RS 10/12/2010

Texto enviado ao JurisWay em 10/12/2010.

indique está página a um amigo Indique aos amigos



Novas medidas do Banco Central tornarão concessão mais rigorosa e provocarão aumento nos juros e redução de prazos

O consumidor deve se deparar com condições piores de crédito no início de 2011, mesmo com o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central decidindo manter a taxa básica de juro, a Selic, inalterada em 10,75% ao ano na última reunião de 2010, que terminou nesta quarta-feira (8).

Isso porque o Banco Central anunciou na última sexta-feira (3) algumas medidas que devem ter impacto no montante emprestado pelos bancos.

Entre elas, está o aumento dos depósitos compulsórios, do limite de garantia dos depósitos e créditos protegidos pelo FGC (Fundo Garantidor de Créditos) e do requerimento de capital das instituições financeiras para a entrada em financiamentos para as pessoas físicas, devido ao aumento do FPR (Fator de Ponderação de Risco) de 100% para 150%.

Antes e depois

“Havia um cenário antes de 3 de dezembro de que a taxa de juros iria cair e o prazo iria subir, pelas condições boas da economia”, disse o vice-presidente da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), Miguel de Oliveira.

Ele completou: “Mediante este novo quadro, a tendência é de mais rigor na concessão, aumento na taxa de juros e redução nos prazos. Na venda de automóveis, ainda terá exigência de entrada, o que não era pedido pelos bancos”.

Necessidade

De acordo com Oliveira, o argumento usado pelo Banco Central de controle da inadimplência, para tomar as medidas, não é válido, uma vez que as taxas de atraso estão menores do que há um ano. “É mais uma medida para conter o consumo e a inflação”, ponderou.

Dados da Nota de Política Monetária mostram que a inadimplência dos consumidores se manteve em 6% em outubro – mesmo percentual verificado em setembro e o menor desde maio de 2005, quando a taxa era de 5,9%.

Em outubro, as dívidas vencidas de 15 a 90 dias representaram 5,5% das operações, índice 0,2 ponto percentual menor que o registrado um mês antes. Frente a outubro de 2009, o recuo na inadimplência foi de 2,1 pontos percentuais. E a taxa referente às dívidas vencidas ficou 0,7 ponto percentual menor.

Curto e longo prazo

O vice-presidente da Anefac disse que no curto prazo a situação do crédito piora e, se depois disso, a inflação mostrar melhora, pode ser que o Banco Central relaxe as regras que foram impostas.

De qualquer forma, Oliveira acredita que, até mesmo na primeira reunião de 2011, o Copom deve manter a Selic inalterada. Desta forma, o consumidor iniciará 2011 com “aperto no crédito”.

 

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados