JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Defesa do Consumidor
 

Aumento da renda impulsiona mais o consumo do que a poupança

Fonte: Folha Online - Folha de S. Paulo 6/12/2010

Texto enviado ao JurisWay em 07/12/2010.

indique está página a um amigo Indique aos amigos



Nilceia Dias,31, até tem uma conta poupança, mas não junta nada. Em compensação, tem casa própria, moto nova na garagem, laptop e vai viajar de avião pela primeira vez em janeiro, para passar férias na Bahia.

Tudo comprado com o que ganha como diarista e fotógrafa -entre R$ 600 e R$ 3.000 por mês. "Melhorou muito nos últimos anos", diz.

Desde que deixou de trabalhar como empregada doméstica, em março, ela passou a contribuir para o INSS como autônoma, mas faz três meses que está atrasada.

"Vou regularizar quando acabar de pagar as prestações da moto", contou.

Assim como no caso de Nilceia, para a maioria da classe C o aumento da renda significou muito mais consumo do que poupança.

Levantamento feito pelo BB (Banco do Brasil) mostra que o volume de empréstimos concedido aos correntistas de classe C, com renda entre R$ 1.115 e R$ 4.807, cresceu 350% entre 2005 e 2010.

Já o volume médio de investimento do grupo aumentou apenas 27% no período.

Segundo o diretor de varejo do BB, Janio Carlos Macedo, o Crédito Direto ao Consumidor é a linha mais comum entre a classe C. É a modalidade que financia carros, móveis e eletrodomésticos.

"Hoje a propensão desse público é consumir mais. Sobra pouco para poupar", diz.

INFLAÇÃO

A opinião é a mesma do sócio da consultoria de varejo GS&MD - Gouvêa de Souza, Luiz Goes. Ele diz que o brasileiro não tem cultura de poupança devido ao histórico de renda baixa e inflação alta.

"Durante anos, o brasileiro não chegava ao fim do mês com dinheiro. Agora, que tem renda e credito, está gastando, devido às necessidades reprimidas de consumo."

Uma pesquisa feita em agosto pela consultoria com 8.500 internautas em 17 países ilustra a baixa propensão do brasileiro para poupar.

O entrevistado deveria dar uma nota de 1 a 10 para seu hábito de poupança ao responder à pergunta: "Você economiza o máximo que pode pensando no futuro?".

A média do Brasil ficou em 6,4, abaixo do resultado geral dos entrevistados (6,7) e dos outros países da América Latina -Chile (7,1), Argentina (7,5) e México (6,7).

Devido ao atual processo de envelhecimento, a população brasileira deveria ter uma taxa de poupança maior, afirma o economista da FGV Samuel Pessoa.

Mas as famílias economizavam apenas 7,6% da sua renda bruta em 2006, dado mais recente do IBGE.

O percentual é bem menor do que o de outros países de mesmo perfil demográfico (na China e na Índia, a taxa supera 30%) e inferior até mesmo à média da União Europeia (11% em 2006), onde jovens já são minoria.

"Na velhice, o rendimento diminui e gastos com saúde aumentam. Os jovens precisam economizar para esse momento", explica.

Por insistência da mãe, o ator e dublador Felipe Grinnan fez um plano de previdência privada há um ano. Mas investe apenas R$ 200, menos de 4% da sua renda média mensal de R$ 6.000.

Na prática, ele não consegue economizar e está sempre devendo no cheque especial e no cartão. O dinheiro vai principalmente para viagens e a coleção de DVDs.

"Quando estou devendo muito, trabalho mais, até em feriado, fim de semana. Mesmo assim nunca pago a fatura inteira do cartão. Não consigo cortar gastos", contou.

A taxa de poupança do Brasil, que indica a quantidade de recursos disponíveis para financiar os investimentos do país, está hoje em 18%, uma das mais baixas entre países emergentes.

Quem mais contribui para o resultado é o governo, cuja poupança é negativa.

  Editoria de Arte/Folhapress  


 

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados