JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Sala dos Doutrinadores - Artigos Jurídicos
Autoria:

Icaro Saldanha Cavalcante
Advogado formado pela Universidade 7 de Setembro. Pós Graduado em Direito e Processo do Trabalho pela Faculdade Evolutivo.

envie um e-mail para este autor
Monografias Direito do Trabalho

O intervalo intrajornada e a supressão prevista na Lei nº 13.467/2017 (Reforma Trabalhista)

O presente artigo visa abordar o conceito, as aplicações do intervalo intrajornada e as mudanças sofridas com o advento da lei nº 13.467/17, popularmente conhecida como Reforma Trabalhista.

Texto enviado ao JurisWay em 27/06/2019.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

 

O presente artigo visa abordar o conceito, as aplicações do intervalo intrajornada e as mudanças sofridas com a Lei de número 13.467/17, popularmente conhecida como Reforma Trabalhista.

Inicialmente, cumpre informar que a jornada de trabalho consiste no tempo despendido pelo empregado à disposição do empregador, onde há limites para limitar a jornada e diretrizes estabelecidas de acordo com cada trabalho, tendo como peculiaridades para início, meio e fim da jornada de trabalho.

Em assim sendo, conforme já supracitado, para cada jornada de trabalho, todo empregado tem direito a concessão de intervalo mínimo para almoço e alimentação, onde denomina-se intervalo intrajornada, ou seja, destina-se a pausa para alimentação e descanso ou repouso, que tem como objetivo conceder ao empregado uma oportunidade de dar ao corpo e à mente um descanso para se recuperar para após retornar à sua atividade laboral.

A obrigatoriedade da concessão do intervalo intrajornada há previsão em lei e está prevista no artigo 71 da Consolidação das Leis do Trabalho conforme se vê:

Art. 71 - Em qualquer trabalho contínuo, cuja duração exceda de 6 (seis) horas, é obrigatória a concessão de um intervalo para repouso ou alimentação, o qual será, no mínimo, de 1 (uma) hora e, salvo acordo escrito ou contrato coletivo em contrário, não poderá exceder de 2 (duas) horas.

§ 1º - Não excedendo de 6 (seis) horas o trabalho, será, entretanto, obrigatório um intervalo de 15 (quinze) minutos quando a duração ultrapassar 4 (quatro) horas.

§ 2º - Os intervalos de descanso não serão computados na duração do trabalho.

§ 3º O limite mínimo de uma hora para repouso ou refeição poderá ser reduzido por ato do Ministro do Trabalho, Indústria e Comércio, quando ouvido o Serviço de Alimentação de Previdência Social, se verificar que o estabelecimento atende integralmente às exigências concernentes à organização dos refeitórios, e quando os respectivos empregados não estiverem sob regime de trabalho prorrogado a horas suplementares.

§ 4º - Quando o intervalo para repouso e alimentação, previsto neste artigo, não for concedido pelo empregador, este ficará obrigado a remunerar o período correspondente com um acréscimo de no mínimo 50% (cinqüenta por cento) sobre o valor da remuneração da hora normal de trabalho.      

§ 5o  O intervalo expresso no caput poderá ser reduzido e/ou fracionado, e aquele estabelecido no § 1o poderá ser fracionado, quando compreendidos entre o término da primeira hora trabalhada e o início da última hora trabalhada, desde que previsto em convenção ou acordo coletivo de trabalho, ante a natureza do serviço e em virtude das condições especiais de trabalho a que são submetidos estritamente os motoristas, cobradores, fiscalização de campo e afins nos serviços de operação de veículos rodoviários, empregados no setor de transporte coletivo de passageiros, mantida a remuneração e concedidos intervalos para descanso menores ao final de cada viagem.

Como visto, no texto legal ainda vigente, tem-se as seguintes exigências quanto à concessão/fruição do intervalo intrajornada, quais sejam: que à jornada superior a quatro horas e de até seis horas diárias o intervalo mínimo obrigatório é de 15 minutos; já para jornada superior a seis horas, o intervalo obrigatório é de uma hora; e, para jornadas inferiores a quatro horas não obrigam o empregador a conceder o intervalo.

A redação do artigo supracitado não sofreu qualquer alteração com a nova legislação, onde na mesma estabelece que a obrigação de concessão do intervalo mínimo de 1 hora para o trabalho contínuo, cuja duração seja superior a 6 horas. Entretanto, como regra geral, o dispositivo que trata da concessão mínima do intervalo não contempla previsão e/ou autorização para redução desse período mínimo estabelecido.

Como visto, o presente artigo traz possibilidades de redução do intervalo mínimo previsto, onde estão mencionadas nos parágrafos 3º e 5º desse mesmo artigo:

§ 3º O limite mínimo de uma hora para repouso ou refeição poderá ser reduzido por ato do Ministro do Trabalho, Indústria e Comércio, quando ouvido o Serviço de Alimentação de Previdência Social, se verificar que o estabelecimento atende integralmente às exigências concernentes à organização dos refeitórios, e quando os respectivos empregados não estiverem sob regime de trabalho prorrogado a horas suplementares.

§ 5o  O intervalo expresso no caput poderá ser reduzido e/ou fracionado, e aquele estabelecido no § 1o poderá ser fracionado, quando compreendidos entre o término da primeira hora trabalhada e o início da última hora trabalhada, desde que previsto em convenção ou acordo coletivo de trabalho, ante a natureza do serviço e em virtude das condições especiais de trabalho a que são submetidos estritamente os motoristas, cobradores, fiscalização de campo e afins nos serviços de operação de veículos rodoviários, empregados no setor de transporte coletivo de passageiros, mantida a remuneração e concedidos intervalos para descanso menores ao final de cada viagem.

Embora já estivesse claro o mencionado no artigo 71 da CLT, o mesmo foi motivo de divergências, onde ao TST, não restando alternativas, consolidou o entendimento já pacificado de suas Turmas, publicou em 2012 a Súmula 437 que esclareceu alguns pontos objeto de divergência nas decisões dos Juízes do Trabalho e Tribunais Regionais do Trabalho, quais sejam:

Súmula 437 do TST

INTERVALO INTRAJORNADA PARA REPOUSO E ALIMENTAÇÃO. APLICAÇÃO DO ART. 71 DA CLT (conversão das Orientações Jurisprudenciais nºs 307, 342, 354, 380 e 381 da SBDI-1) - Res. 185/2012, DEJT divulgado em 25, 26 e 27.09.2012

 I - Após a edição da Lei nº 8.923/94, a não-concessão ou a concessão parcial do intervalo intrajornada mínimo, para repouso e alimentação, a empregados urbanos e rurais, implica o pagamento total do período correspondente, e não apenas daquele suprimido, com acréscimo de, no mínimo, 50% sobre o valor da remuneração da hora normal de trabalho (art. 71 da CLT), sem prejuízo do cômputo da efetiva jornada de labor para efeito de remuneração.

II - É inválida cláusula de acordo ou convenção coletiva de trabalho contemplando a supressão ou redução do intervalo intrajornada porque este constitui medida de higiene, saúde e segurança do trabalho, garantido por norma de ordem pública (art. 71 da CLT e art. 7º, XXII, da CF/1988), infenso à negociação coletiva. 

III - Possui natureza salarial a parcela prevista no art. 71, § 4º, da CLT, com redação introduzida pela Lei nº 8.923, de 27 de julho de 1994, quando não concedido ou reduzido pelo empregador o intervalo mínimo intrajornada para repouso e alimentação, repercutindo, assim, no cálculo de outras parcelas salariais.

IV - Ultrapassada habitualmente a jornada de seis horas de trabalho, é devido o gozo do intervalo intrajornada mínimo de uma hora, obrigando o empregador a remunerar o período para descanso e alimentação não usufruído como extra, acrescido do respectivo adicional, na forma prevista no art. 71, caput e § 4º da CLT.

Importante destacar da súmula supracitada, em seu inciso II, que é invalido qualquer acordo ou convenção coletiva que contemple a supressão ou redução do intervalo intrajornada, por considerar que a concessão do referido intervalo é de extrema importância para higiene da saúde e segurança do trabalho, ambas protegidas pelo artigo 71 da CLT e pela Constituição Federal de 1988, onde nesta última versa:

Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social.

...

 

XXII - redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança;

 

Ocorre que a Lei nº 13.467/17, conhecida também como Reforma Trabalhista, introduziu o artigo 611-A da CLT que, no que diz respeito ao intervalo intrajornada, assim estabelece:

"Art. 611-A. A convenção coletiva e o acordo coletivo de trabalho têm prevalência sobre a lei quando, entre outros, dispuserem sobre: (Incluído pela lei 13.467, de 2017)

 

(...)

 

III - intervalo intrajornada, respeitado o limite mínimo de trinta minutos para jornadas superiores a seis horas; (Incluído pela lei 13.467, de 2017)

 

(...)."

 

Como visto, na nova norma, houve a inclusão da possibilidade da redução do intervalo mínimo para até 30 minutos com uma única condição, qual seja: previsão em norma coletiva ou acordo coletivo de trabalho, onde em ambas teria que ter a presença do sindicato patronal e o sindicato da categoria e, da empresa e sindicato da categoria, respectivamente.

Vê-se claramente que o presente artigo revoga todos os dispositivos da Súmula, dando a convenções e acordos coletivos a possibilidade para regularem intervalos, e em seu parágrafo único onde menciona que intervalos não são considerados normas necessárias para saúde, higiene e segurança do trabalho.

Art. 611-A.  A convenção coletiva e o acordo coletivo de trabalho têm prevalência sobre a lei quando, entre outros, dispuserem sobre:

(...)

Parágrafo único.  Regras sobre duração do trabalho e intervalos não são consideradas como normas de saúde, higiene e segurança do trabalho para os fins do disposto neste artigo.

 

Por fim, tem-se que a concessão do intervalo intrajornada àqueles que fazem jus, é medida de extrema importância não só para que o empregado desenvolva suas atividades da melhor maneira possível, como também medida de higiene de saúde e segurança do trabalho, bem como preceitua a Constituição Federal, onde, com a vigência da nova legislação trabalhista, trouxe a possibilidade da supressão do intervalo intrajornada com alguns requisitos, conforme supracitado no presente artigo.

 

Referências

_______, Consolidação das leis do trabalho – planalto. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del5452.htm. Acessado em: 31 maio 2019.

CLT organizada / Isabelli Gravatá [et. al.] – 6. ed. São Paulo: LTr, 2014.

_______, Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 – planalto. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acessado em: 31 maio 2019.

Tribunal Superior do Trabalho – Súmulas e Jurisprudências. Disponível em: < http://www.tst.jus.br/sumulas. Acessado em 31 maio 2019.

LEI Nº 13.467, DE 13 DE JULHO DE 2017 – Lei da Reforma Trabalhista. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13467.htm. Acessado em 31 maio 2019.

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br, e a autoria (Icaro Saldanha Cavalcante).
2 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, idéias e conceitos de seus autores.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
 

Institucional

O que é JurisWay
Por que JurisWay?
Nossos Colaboradores
Profissionais Classificados
Responsabilidade Social no Brasil



Publicidade

Anuncie Conosco



Entre em Contato

Dúvidas, Críticas e Sugestões



Seções

Cursos Online Gratuitos
Vídeos Selecionados
Provas da OAB
Provas de Concursos
Provas do ENEM
Dicas para Provas e Concursos
Modelos de Documentos
Modelos Comentados
Perguntas e Respostas
Sala dos Doutrinadores
Artigos de Motivação
Notícias dos Tribunais
Notícias de Concursos
JurisClipping
Eu Legislador
Eu Juiz
É Bom Saber
Vocabulário Jurídico
Sala de Imprensa
Defesa do Consumidor
Reflexos Jurídicos
Tribunais
Legislação
Jurisprudência
Sentenças
Súmulas
Direito em Quadrinhos
Indicação de Filmes
Curiosidades da Internet
Documentos Históricos
Fórum
English JurisWay



Áreas Jurídicas

Introdução ao Estudo do Direito
Direito Civil
Direito Penal
Direito Empresarial
Direito de Família
Direito Individual do Trabalho
Direito Coletivo do Trabalho
Direito Processual Civil
Direito Processual do Trabalho
Condomínio
Direito Administrativo
Direito Ambiental
Direito do Consumidor
Direito Imobiliário
Direito Previdenciário
Direito Tributário
Locação
Propriedade Intelectual
Responsabilidade Civil
Direito de Trânsito
Direito das Sucessões
Direito Eleitoral
Licitações e Contratos Administrativos
Direito Constitucional
Direito Contratual
Direito Internacional Público
Teoria Econômica do Litígio
Outros



Áreas de Apoio

Desenvolvimento Pessoal
Desenvolvimento Profissional
Língua Portuguesa
Inglês Básico
Inglês Instrumental
Filosofia
Relações com a Imprensa
Técnicas de Estudo


Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados