JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Sala dos Doutrinadores - Ensaios Jurídicos
Autoria:

Andresa Da Silva Sousa
Auxiliar de Cartório. Direito - Faculdade Dr. Francisco Maeda (FAFRAM)

envie um e-mail para este autor
Monografias Direito do Trabalho

O ESTADO COMO EQUILÍBRIO ENTRE PATRÕES E EMPREGADOS

Texto enviado ao JurisWay em 24/10/2016.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

A finalidade deste artigo é trazer de forma simples e clara uma breve explanação sobre as relações de trabalho, o avanço obtido no sentido de gerar garantias aos trabalhadores e ao mesmo tempo criar um equilíbrio entre patrões e empregados.

De um lado, dando ao empreendedor a oportunidade e meios para poder contar com a mão-de-obra e gerar riquezas através da indústria e comércio, e ao mesmo tempo garantindo aos empregados direitos sobre essa prestação de serviço, sob o olhar atento do Estado quanto a essas relações e equilíbrio dessa troca que se faz necessária para o desenvolvimento cultural, social e econômico do país.

Na antiguidade, o trabalho era exercido por escravos e servos, que figuravam como mera propriedade dos seus possuidores, com uma conotação punitiva e restritiva de direitos, o que perdurou até a chamada sociedade pré-industrial, quando os direitos trabalhistas passaram a figurar nas relações laborais.

Desde então os direitos trabalhistas começaram a surgir paulatinamente, não possuindo um Código específico. Todavia, no dia 1º de maio de 1943, no Governo de Getúlio Vargas foi criada a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) pelo DECRETO-LEI N.º 5.452, garantindo aos trabalhadores uma nova fase na sua vida laborativa.

Esta Consolidação estatuiu normas que passariam a regular as relações individuais e coletivas do trabalho, e desde então tivemos grandes avanços em benefício do trabalhador.

A exemplo, cita-se o artigo 58 da CLT que trata da jornada de trabalho diz: "A duração normal de trabalho, para os empregados em qualquer atividade privada, não excederá de oito horas diárias...". Isto garante ao empregado o direito a horas extras, máximo de 2 horas por dia, um acréscimo de 50% a mais por hora trabalhada. Se formos enumerar, haveremos de escrever muito sobre o tema, contudo, mesmo com tantas leis existe muito desiquilíbrio nas relações de trabalho, pois, há um complexo de inferioridade dos empregados em relação aos empregadores, até mesmo por necessidade em ter o emprego. É necessário que os empregados saibam de seus direitos e entendam que é a sua força de trabalho que gera riqueza e renda aos empregadores e ao país.

Vale também informar que a justiça do trabalho traz alguns benefícios aos empregados e um deles é o fato do próprio empregado, ou até mesmo o empregador, poder postular em causa própria nas varas do trabalho, através de uma Reclamação Trabalhista, como informa o artigo 791 da CLT e artigo 103, parágrafo único do Código de Processo Civil de 2015.

Com isso tem-se o "jus postulandi", que significa: a capacidade que se faculta a alguém de postular perante as instâncias judiciárias as suas pretensões na Justiça. É importante salientar, que apesar de um direito deve-se analisar bem se esta é a

melhor solução ou opção, pois geralmente as empresas, que também podem usufruir de tal benefício, tem um corpo jurídico atualizado para lidar nestas questões, criando assim um desequilíbrio. O aconselhável é estar representado por um advogado.

Outro ponto importante dentro da justiça do trabalho é a celeridade processual, que visa de forma objetiva atender as necessidades do trabalhador, pois geralmente o assunto trata de questões falimentares e de ordem imediata.

A justiça do trabalho através da CLT e das leis esparsas busca garantir ao trabalhador uma relação mais justa e adequada, garante como todos os ramos do direito no Brasil, a ampla defesa e o contraditório, a produção de provas, material e testemunhal para ambos.

Atualmente, a sociedade impõe a todo ser humano o dever de ter algum tipo atividade laborativa, e caso isso não ocorra, implica em uma contravenção, passível de pena, que diz: "infração contravencional, como dipõe o artigo 59 do Decreto-Lei nº 3.688/1941 (Lei das Contravenções Penais), estabelece pena de detenção de quinze dias a três meses para os que se entregam à ociosidade sem meios que lhes assegurem a sobrevivência".

Diante dessa nova concepção, o Estado passa a intervir nas relações entre patrões e empregados, como mediador, garantindo assim um equilíbrio maior, gerando proteção e criando vários princípios, como por exemplo: o da irrenunciabilidade de direitos, princípio da proteção ao trabalhador entre outros.

Desta forma, há que se entender que a intervenção do Estado foi e é de fundamental importância, criando uma balança mais equilibrada, focando sempre no justo e no que é correto.

 

Fonte de pesquisa: CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e Direito do Trabalho (André Luiz Paes de Almeida).

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br, e a autoria (Andresa Da Silva Sousa).
2 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, idéias e conceitos de seus autores.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
 

Institucional

O que é JurisWay
Por que JurisWay?
Nossos Colaboradores
Profissionais Classificados
Responsabilidade Social no Brasil



Publicidade

Anuncie Conosco



Entre em Contato

Dúvidas, Críticas e Sugestões



Seções

Cursos Online Gratuitos
Vídeos Selecionados
Provas da OAB
Provas de Concursos
Provas do ENEM
Dicas para Provas e Concursos
Modelos de Documentos
Modelos Comentados
Perguntas e Respostas
Sala dos Doutrinadores
Artigos de Motivação
Notícias dos Tribunais
Notícias de Concursos
JurisClipping
Eu Legislador
Eu Juiz
É Bom Saber
Vocabulário Jurídico
Sala de Imprensa
Defesa do Consumidor
Reflexos Jurídicos
Tribunais
Legislação
Jurisprudência
Sentenças
Súmulas
Direito em Quadrinhos
Indicação de Filmes
Curiosidades da Internet
Documentos Históricos
Fórum
English JurisWay



Áreas Jurídicas

Introdução ao Estudo do Direito
Direito Civil
Direito Penal
Direito Empresarial
Direito de Família
Direito Individual do Trabalho
Direito Coletivo do Trabalho
Direito Processual Civil
Direito Processual do Trabalho
Condomínio
Direito Administrativo
Direito Ambiental
Direito do Consumidor
Direito Imobiliário
Direito Previdenciário
Direito Tributário
Locação
Propriedade Intelectual
Responsabilidade Civil
Direito de Trânsito
Direito das Sucessões
Direito Eleitoral
Licitações e Contratos Administrativos
Direito Constitucional
Direito Contratual
Direito Internacional Público
Teoria Econômica do Litígio
Outros



Áreas de Apoio

Desenvolvimento Pessoal
Desenvolvimento Profissional
Língua Portuguesa
Inglês Básico
Inglês Instrumental
Filosofia
Relações com a Imprensa
Técnicas de Estudo


Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados