JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Sala dos Doutrinadores - Dicas Jurídicas
Autoria:

Milena Pires Angelini Fonseca
Advogada formada pelas Faculdades Metropolitanas Unidas, em 1999. Pós-graduada em Direito Material e Processual do Trabalho pela Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em 2008. Trabalha atualmente na Andrioli, Giacomini, Porto e Cortez Advogados.

envie um e-mail para este autor

Outras monografias da mesma área

Divergência de interpretação, prejuízo para o cidadão

TERCEIRIZAÇÃO DA ATIVIDADE-FIM: O ENQUADRAMENTO SINDICAL E A CATEGORIA DIFERENCIADA À LUZ DA SÚMULA 374 DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO.

Vantagens e desvantagens da terceirização

DISSÍDIO COLETIVO ECONÔMICO E COMUM ACORDO

A PRÁTICA DO "BRING YOUR OWN DEVICE" E SEUS DESDOBRAMENTOS JURÍDICOS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO

Intervalo do Art. 384 da CLT. Constitucionalidade.

DO CABIMENTO DO RECURSO ADESIVO COM AS CONTRARRAZÕES EM RECURSO INTERPOSTO NA JUSTIÇA DO TRABALHO

Obrigatoriedade do descanso de 15 minutos para mulheres antes do início da jornada extraordinária

O adicional de Penosidade

O EMPREGADO DOMÉSTICO E OS DIREITOS RELACIONADOS À SEGURANÇA E A SAUDE DO TRABALHADOR

Todas as monografias da área...

Monografias Direito do Trabalho

DO ADICIONAL DE PERICULOSIDADE PROPORCIONAL

Referido artigo trata da impossibilidade de pagamento do adicional de periculosidade de forma proporcional.

Texto enviado ao JurisWay em 06/06/2014.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

DO ADICIONAL DE PERICULOSIDADE PROPORCIONAL

 

Nos termos da legislação trabalhista em vigor, são consideradas atividades ou operações perigosas aquelas que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem risco acentuado em virtude de exposição permanente do trabalhador a (i) inflamáveis, explosivos ou energia elétrica; (ii) roubos ou outras espécies de violência física nas atividades profissionais de segurança pessoal ou patrimonial.

 

Para o recebimento do adicional de periculosidade não importa que o empregado tenha ou não real contato com explosivos ou inflamáveis, por exemplo. Apenas o fato de Ele permanecer na área de risco já lhe dá o direito ao recebimento do adicional.

 

De acordo com a nova redação da Súmula nº 364 do TST, aprovada no dia 24 de maio de 2011, tem direito ao adicional de periculosidade o empregado exposto permanentemente ou que, de forma intermitente, se sujeita a condições de risco. É indevido o adicional de periculosidade apenas quando o contato dá-se de forma eventual, assim considerado o fortuito (que acontece por acaso, de forma imprevista, casual), ou o que, sendo habitual, dá-se por tempo extremamente reduzido.

 

A expressão “tempo extremamente reduzido” inserta na Súmula assume contornos de subjetividade ao não definir com precisão aquilo será ou não considerado como tempo extremamente reduzido, entendendo a doutrina e a jurisprudência que cada caso deve ser analisado separadamente.

 

Temos, pois, as seguintes situações:

Exposição permanente, ou seja, de forma constante, ininterrupta, definitiva - adicional devido.

Exposição intermitente, ou seja, que para e recomeça por intervalos - adicional devido.

Exposição eventual, ou seja, que acontece por acaso, de forma imprevista, casual - adicional indevido.

Exposição habitual, ou seja, frequente, usual, mas que se dá por tempo extremamente reduzido - adicional indevido.

 

O item II da Súmula 364 do TST, que permitia a fixação do adicional de periculosidade em percentual inferior ao legal e proporcional ao tempo de exposição ao risco, desde que pactuada em acordos ou convenções coletivos, foi cancelado, o que vale dizer que a partir de 24 de maio de 2011, não há que se falar em pagamento do referido adicional de forma proporcional, haja vista a uniformização da jurisprudência no sentido de que a exposição ao risco gera o direito ao adicional de periculosidade integralmente, ainda que intermitente.

 

Assim, a legislação atual não permite que o trabalhador que exerce atividade em condições perigosas perceba menos de 30% (trinta por cento) de adicional sobre o salário. Inclusive, o entendimento atual do Tribunal Superior do Trabalho é no sentido de que tem direito ao adicional de periculosidade o empregado exposto de forma permanente, ou vez ou outra, a condições de risco, independentemente do tempo de exposição ao risco, uma vez que entende que esse espaço de tempo é o suficiente para expor o empregado ao risco de ocorrência de acidentes e/ou de vida.

 

Isso significa que não há previsão legal para pagamento do adicional de periculosidade de forma proporcional. Ou o pagamento é devido ou não é e, uma vez devido, este deve ser pago de forma integral toda vez que houver trabalho considerado periculoso (v.g.; relativo ao mês inteiro).

 

Importante esclarecer que a permissiva quanto ao pagamento proporcional, mediante previsão em acordo ou convenção coletiva de trabalho, retirada pela alteração da Súmula nº 364 do TST, referia-se apenas ao trabalhador que era exposto eventualmente, ou seja, que não tinha contato regular com a situação de risco, autorizando o pagamento proporcional ao tempo em que o trabalhador permanecia na área de risco, mediante escala variada de percentuais, de modo a possibilitar o pagamento do adicional de periculosidade em percentual inferior ao legal e proporcional ao tempo de exposição ao risco.

 

Por fim, o direito ao adicional de periculosidade não se trata de um direito adquirido, ou seja, o direito ao adicional cessará quando ocorrer a eliminação do risco à saúde ou integridade física do trabalhador, sendo lícita, nesses casos, a supressão.

 

Milena Pires Angelini Fonseca

 

Advogada formada pelas Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU), em 1999. Inscrita na Ordem dos Advogados do Brasil, na Secção de São Paulo, em 2000. Pós-graduada em Direito Material e Processual do Trabalho pela Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em 2008. Trabalha atualmente na Andrioli, Giacomini, Porto e Cortez Advogados.

 

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br, e a autoria (Milena Pires Angelini Fonseca).
2 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, idéias e conceitos de seus autores.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
 

Institucional

O que é JurisWay
Por que JurisWay?
Nossos Colaboradores
Profissionais Classificados
Responsabilidade Social no Brasil



Publicidade

Anuncie Conosco



Entre em Contato

Dúvidas, Críticas e Sugestões



Seções

Cursos Online Gratuitos
Vídeos Selecionados
Provas da OAB
Provas de Concursos
Provas do ENEM
Dicas para Provas e Concursos
Modelos de Documentos
Modelos Comentados
Perguntas e Respostas
Sala dos Doutrinadores
Artigos de Motivação
Notícias dos Tribunais
Notícias de Concursos
JurisClipping
Eu Legislador
Eu Juiz
É Bom Saber
Vocabulário Jurídico
Sala de Imprensa
Defesa do Consumidor
Reflexos Jurídicos
Tribunais
Legislação
Jurisprudência
Sentenças
Súmulas
Direito em Quadrinhos
Indicação de Filmes
Curiosidades da Internet
Documentos Históricos
Fórum
English JurisWay



Áreas Jurídicas

Introdução ao Estudo do Direito
Direito Civil
Direito Penal
Direito Empresarial
Direito de Família
Direito Individual do Trabalho
Direito Coletivo do Trabalho
Direito Processual Civil
Direito Processual do Trabalho
Condomínio
Direito Administrativo
Direito Ambiental
Direito do Consumidor
Direito Imobiliário
Direito Previdenciário
Direito Tributário
Locação
Propriedade Intelectual
Responsabilidade Civil
Direito de Trânsito
Direito das Sucessões
Direito Eleitoral
Licitações e Contratos Administrativos
Direito Constitucional
Direito Contratual
Direito Internacional Público
Teoria Econômica do Litígio
Outros



Áreas de Apoio

Desenvolvimento Pessoal
Desenvolvimento Profissional
Língua Portuguesa
Inglês Básico
Inglês Instrumental
Filosofia
Relações com a Imprensa
Técnicas de Estudo


Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados