JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Defesa do Consumidor
 

Calote do consumidor é o maior em cinco anos para novembro

Fonte: R7 14/12/2010

Texto enviado ao JurisWay em 14/12/2010.

indique está página a um amigo Indique aos amigos



Pesquisa mostrou que endividamento no Dia das Crianças pesou para o consumidor

O calote do consumidor registrou em novembro a maior alta mensal - de 3,5% - para este mês desde 2005, segundo pesquisa divulgada nesta segunda-feira (13) pela empresa de análise de crédito Serasa Experian. Trata-se também da sétima elevação consecutiva no ano.

A aceleração, segundo a Serasa, é resultado do maior endividamento e comprometimento da renda do consumidor e do acúmulo de dívidas com as compras nas datas comemorativas do varejo, sobretudo no Dia das Crianças.

A pesquisa da Serasa Experian de expectativa dos empresários para o Natal deste ano, publicada no início deste mês, mostrou que as vendas do varejo terão um forte crescimento. Assim, o consumidor deve ampliar seu endividamento e destinar uma parte de seu 13º salário para o pagamento de dívidas. No encerramento de 2010, a inadimplência do consumidor deve ficar próxima à verificada em 2009, cuja expansão foi de 5,9%, sobre 2008.

Em relação a novembro do ano passado, a inadimplência do consumidor subiu 23,2% - a maior entre os meses de novembro nessa comparação desde 2001. Na comparação do acumulado de janeiro a novembro deste ano com o mesmo período de 2009, o indicador apresentou crescimento de 5%.

Contas

O calote em dívidas com cartões de crédito, financeiras, lojas em geral e prestadoras de serviços como fornecimento de energia elétrica e água cresceu 7,7% no mês passado. As dívidas com cheques sem fundos e com os títulos protestados também cresceram; na contramão, as dívidas com bancos caíram 2,3%.

De janeiro a novembro de 2010, em comparação com o mesmo período do ano anterior, o valor médio dos cheques sem fundos teve alta de 24,5%. Os títulos protestados e as dívidas não bancárias também tiveram crescimento. Já as dívidas com os bancos tiveram queda de 2,7% nessa comparação, representando a única variação negativa.





Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados