JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Eu Legislador

Outras Leis do
Eu Legislador

Contribuição de deficiente físico
Lei Ordinária

meio ambiente
Lei Ordinária

Imposto de Renda
Lei Ordinária

Pena de morte
Lei Ordinária

PEC da Responsabilidade
Emenda Constitucional

Veja mais ...

Honorários Advocatícios na Justiça do Trabalho

Altera o artigo 852 da Consolidação das Leis do Trabalho, instituindo a figura dos honorários de sucumbência para os advogados particulares.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Proposta de Lei

 
Estabelece a figura dos honorários de sucumbência para o patrocínio de ações na Justiça do Trabalho, alterando o artigo 852 da CLT.
 
Artigo 1º: O artigo 852 da CLT passará a ter a seguinte redação:

Art. 852 - Da decisão serão os litigantes notificados, pessoalmente, ou por seu representante, na própria audiência. No caso de revelia, a notificação far-se-á pela forma estabelecida no § 1º do art. 841.

Parágrafo Primeiro: A sentença condenará o vencido a pagar ao vencedor os honorários advocatícios. Essa verba honorária será devida, também, nos casos em que o advogado funcionar em causa própria.

Parágrafo Segundo:
Os honorários serão fixados entre o mínimo de dez por cento (10%) e o máximo de vinte por cento (20%) sobre o valor da condenação, atendidos:

a) o grau de zelo do profissional;
b) o lugar de prestação do serviço;
c) a natureza e importância da causa, o trabalho realizado pelo advogado e o tempo exigido para o seu serviço.

Parágrafo Terceiro:
Nas causas de pequeno valor, nas de valor inestimável, naquelas em que não houver condenação ou for vencida a Fazenda Pública, e nas execuções, embargadas ou não, os honorários serão fixados consoante apreciação eqüitativa do juiz, atendidas as normas das alíneas a, b e c do parágrafo anterior.

Parágrafo Quarto:
Se o processo terminar por desistência ou reconhecimento do pedido, os honorários serão pagos pela parte que desistiu ou reconheceu.

Parágrafo Quinto:
O disposto nos parágrafos anteriores aplica-se, no que couber, as causas sujeitas ao procedimento Sumaríssimo.

Artigo 2º: Revogam-se todas as disposições em contrário.



Justificação / Exposição de Motivos

 
Diferentemente do que ocorre em outros ramos do direito, os honorários advocatícios na Justiça do Trabalho somente são devidos quando a parte estiver assistida pelo Sindicato representante de sua categoria profissional e não perceber além do dobro do salário mínimo, ou quando não puder demandar em Juízo sem prejuízo de seu sustento familiar.

Trata-se de disposição expressa, contida no artigo 14 da Lei 5.584/70.

Mas, aí surgem alguns questionamentos:

- Será que na Justiça do Trabalho, os advogados não precisam comer?

- Será que na Justiça do Trabalho, os advogados não precisam se sustentar?

- Ou será que esta justiça não é tão importante quanto às outras?

Na realidade, o cabimento da condenação em honorários advocatícios sucumbenciais deveria seguir a mesma linha de raciocino estabelecida pelos os outros ramos dos direitos, sobretudo, pelo Código de Processo Civil.

Mesmo porque, esta posição é a que melhor se coaduna com o princípio da isonomia, esculpido em nossa Constituição Federal.

E não há o que se falar que a condenação em honorários advocatícios tornaria um óbice ao acesso ao Poder Judiciário para os trabalhadores, pois, como bem sabemos a condenação em honorários advocatícios sempre será um ônus da parte vencida na demanda.

Assim, para o trabalhador, que ingressa na Justiça com o real objetivo de reaver direitos não quitados pelo empregador, nenhum ônus lhe será imposto.

Na realidade, a instituição dos honorários sucumbenciais, poderia inclusive, ser um fator motivador, para o fim das "aventuras jurídicas", comum nas Reclamatórias trabalhistas.

Ou seja, se por um lado, o empregado, com receio da condenação no pagamento de honorários advocatícios, não ingressa na justiça com uma demanda temerária.

Por outro, o empregador, também seria forçado a quitar devidamente os direitos trabalhistas dos empregados, para evitar a "inclusão" em suas despesas dos honorários advocatícios da parte contrária.

Mesmo porque, não se deve olvidar que atualmente, é comum que empregadores não quitem os valores rescisórios dos trabalhadores no ato da rescisão, com o objetivo de aguardar o ajuizamento da ação trabalhista, para comparecerem em juízo com a finalidade de propor um acordo judicial.

Desta forma, a verba honorária sucumbencial, seria um dificultador a este procedimento, visto que aumentaria, em pelo menos, 10% "o prejuízo da empresa".

Por fim, é importante ressaltar que a concessão dos benefícios já justiça gratuita, estabelecida pela Lei nº 1.060/50, exonera o beneficiário do pagamento dos honorários sucumbenciais, caso seja vencido na demanda, enquanto durar a situação de miserabilidade jurídica (inciso V do artigo 3º).

Desta forma, ao trabalhador hipossuficiente de recursos, nenhum prejuízo lhe será advindo.

Inclusive, é importante ressaltar que a legislação esta toda a favor desta alteração senão vejamos:

Preleciona o artigo 133 da Constituição da República que "O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei".

E neste sentido, estabelece o artigo 20 do código de Processo Civil que o juiz condenará na sentença o vencido a pagar ao vencedor os honorários advocatícios.

Não se pode olvidar também, que o próprio Estatuto da Ordem, a Lei 8906/94, estabelece em seu artigo 22 que a "prestação de serviço profissional assegura aos inscritos na OAB o direito aos honorários convencionados, aos fixados por arbitramento judicial e aos de sucumbência."

Desta forma, nada mais correto que alterar o texto contido no artigo 852 da Consolidação das Leis do trabalho, estabelecendo a previsão legal dos honorários advocatícios sucumbenciais para o patrocínio das ações na Justiça do Trabalho, tal como já ocorre em outros ramos do direito.

Assim, estas são as razões que fundamentam a presente proposta de "Projeto de Lei" que ora submeto à consideração do Jurisway esperando que, oportunamente, seja remetido ao exame do poder legislativo competente.

Importante:
1 - Todas as propostas de lei podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Comentários e Opiniões

1) Adaoduarte@ig.com.br (25/06/2009 às 22:46:16) IP: 189.105.227.100
Muito bem posto, redação adequada, simples e técnica. Necessário que se encaminhe logo ao Legislativo Federal para exame e aprovação, porque já é muito tarde. Já perdemos muito tempo. Adão de A. Duarte, advogado, professor universtiário etc
2) Dr. Liz Carlos Avallone (11/07/2009 às 08:25:02) IP: 201.87.81.48
PARABÉNS AO ILUSTRE CAUSÍDICO.
REALMENTE, MISTER A APROVAÇÃO DE TÃO NECESSÁRIO PROJETO, HAJA VISTA QUE, INFELIZMENTE, SEMPRE CONSIDEREI UMA ENORME INJUSTIÇA, E, QUE, A PRÓPRIA OAB DEVERIA TER ENCARREGADO-SE DA ELABORAÇÃO HÁ MUITOS ANOS DE PROJETO IDÊNTICO A ESTE, EM PROL DE NOSSA TÃO SOFRIDA CLASSE QUE VÊ-SE OBRIGADO A ARCAR COM TODAS AS DESPESAS - NO CASO DE RECTE, PRINCIPALMENTE, E, SOMENTE, SE SUCESSO OBTIVER, RECEBERÁ O COMBINADO (MUITAS VÊZES, NEM, ISSO) COM ELE.

DR. AVALLONE


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
 
Copyright (c) 2006-2017. JurisWay - Todos os direitos reservados