JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Eu Legislador

Outras Leis do
Eu Legislador

Lei de Moralização do Exercício de Cargos Políticos
Lei Ordinária

Pena maxima para 60 anos
Lei Complementar

bom motorista
Lei Complementar

preservação ao mundo
Lei Complementar

Imposto de Renda
Lei Ordinária

Veja mais ...

O Fim do Jus Postulandi na Justiça do Trabalho

Estabelece a obrigatóriedade do patrocínio de um advogado em todas as ações em tramitação na Justiça do Trabalho

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Proposta de Lei

 
Dá nova redação ao artigo 791 da Consolidação das Leis do Trabalho.
 
O artigo 791 da Consolidação das Leis do Trabalho passa a vigorar com a seguinte redação:

Artigo 791 - Os empregados e empregadores serão representados em juízo por advogado legalmente habilitado. Ser-lhe-á lícito, no entanto, postular em causa própria, quando tiver habilitação legal.

§ 1º: Nos dissídios individuais é facultado aos empregados ou empregadores, fazer-se representar por intermédio de advogado da entidade sindical de suas categorias, por defensor público ou por advogado particular.

§2º Nos dissídios coletivos é obrigatória à presença de advogado legalmente habilitado em todas as fazes do processo.

§3º Aos pobres no sentido legal, é facultada a utilização do serviço de defensoria pública da Justiça do trabalho, nos termos de lei específica, para fins de ingresso e acompanhamento de suas reclamações perante a Justiça do Trabalho.



Justificação / Exposição de Motivos

 
O acesso à justiça sempre foi um problema.

Desta forma, por autorização do artigo 791, da CLT foi introduzido no direito do Trabalho o instituto do Jus Postulandi, que deu permissão para que as partes atuassem pessoalmente perante a justiça, sem que para isso estejam representadas por um advogado.

Todavia, pensemos.

Não são os mais humildes, exatamente aqueles que teoricamente deveriam se "beneficiar" com o instituto do Jus Postulandi?

Ora, não se pode nos esquecer que é justamente esta parcela da população, leiga e desprovida de recursos financeiros, que em uma audiência judicial, facilmente, irá se intimidar com a simples presença de um advogado, sucumbindo-se a uma covarde desigualdade, pois os empregadores, em sua maioria, mais abastados, nunca estão desprovidos de um bom advogado.

Na realidade, o Jus postulandi da forma que é concebido, consagra a desigualdade processual entre as partes no processo, fazendo que, na maioria das vezes, o reclamante, parte mais vulnerável, esteja completamente indefeso e sem argumentos frente a um profissional treinado e competente para resolver as questões jurídicas.

Chega até ser irônico se perguntar como um leigo desprovido de toda técnica jurídica, que anos a fio é estudada nas faculdades de direito do país, poderá enfrentar todo o rito processual de uma instrução probatória.

Contudo, mudemos o foco da reflexão:

É importante ressaltar que a Constituição Federal preconiza no LXXIV de seu artigo 5º que:

"O Estado prestará assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem insuficiência de recursos"

No mesmo sentido, preleciona o inciso XXXIV, alínea 'a', do mesmo art. 5º:

"são a todos assegurados, independentemente do pagamento de taxas o direito de petição aos poderes públicos em defesa de direitos ou contra ilegalidade ou abuso de poder".

Seguindo esta linha de raciocínio, não há como negar que ao Estado cabe a obrigatoriedade de se prestar assistência jurídica gratuita aos pobres na forma da lei.

E neste sentido, cabe a indagação:

- Seria inviável, economicamente falando, para o Estado, dar cumprimento ao texto constitucional, que prevê a obrigação de assistência judiciária gratuita aos pobres?

- É possível ao Estado disponibilizar defensores públicos em número suficiente?

Felizmente, não conseguimos chegar a uma resposta plausível, que demonstre a negação destas duas perguntas.

Ora, não é apostando no Jus Postulandi; não é deixando a parte sozinha, a sua pura sorte, que o Estado deveria se desincumbir de tão nobre tarefa, a tarefa de "trazer justiça ao povo".

Autorizar que o reclamante possa pleitear seus direitos em Juízo desprovido de um advogado não tem o poder de eximir o Estado da obrigação de se prestar assistência judiciária gratuita aos pobres.

A opção de se autorizar com que aquele que não possui condições financeiras para arcar com as despesas de um processo, realize sua autodefesa em juízo, auto prejudicando-se, parece-nos, além de uma grande covardia, um total descaso com os princípios morais que nossa Carta Magna tentou proteger.

Na realidade, o correto seria que o Estado assegurasse aos cidadãos um acesso à Justiça eficaz e provida de advogados, mesmo que neste caso, todos estes, sejam custeados pelo poder público, o que não seria nenhum absurdo , pois, como já relatado, o Estado estaria apenas dando comprimento a um preceito constitucional.

Assim, num enfoque detido acerca dos benefícios ou malefícios advindos do Jus postulandi, parece-nos correto recomendar a alteração imediata do artigo 791, da consolidação das Leis do Trabalho, adaptando-o aos ditames constitucionais vigentes.

Importante:
1 - Todas as propostas de lei podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Comentários e Opiniões

1) Alexandre Koch (28/08/2009 às 10:04:58) IP: 189.96.232.57
Lembremos que a Justiça Trabalhista se rege pelo princípio da hipossuficiência do trabalhador, o que no caso em tela implica dizer que, na prática, o Juiz auxilia indiretamente a parte Reclamante (como bem disse a Marcela acima). Ainda, o direito laboral tem suas particularidades como, por exemplo, rito mais simplificado, como é o caso nas ações cujo valor da causa não ultrapasse os 40 salários mínimos, regendo-se pelo rito sumaríssimo.
2) Alexandre Koch (28/08/2009 às 10:11:04) IP: 189.96.232.57
Ademais, o fato de as partes (Reclamante e Reclamada) possuírem o Jus Postulandi não impede as mesmas de recorrerem ao auxílio de profissional habilitado, seja advogado particular, seja defensor público. É uma prerrogativa da parte. Assim, concluo com o pensamento de que o Jus Postulandi é uma característica sui generis da Justiça do Trabalho devendo ser preservada, eis que se trata de uma jurisdição voltada para o cidadão hipossuficiente.
3) Candido Luiz Santos Malta (02/09/2009 às 15:44:12) IP: 189.26.245.101
Sou favorável ao Jus Postulandi na Justiça do Trabalho até a audiência de conciliação, para o autor ou o acionado. Em não havendo negociação conciliatória vejo a necessidade de advogado para ambas as partes em vista dos trâmites e normativas processuais dos tribunais. Todavia se ambas conhecerem as normas processuais do trabalho não vejo porque retirá-las o direito constitucional de litigarem, na JT, em causa própria. O tema é sério e complexo.
4) Paulo (24/10/2009 às 01:56:54) IP: 201.3.154.232
Temos que ampliar nosso mercado de trabalho. Todos são corporativistas, dfendem suas classes, e por que o advogado não o pode ser ?
5) Sidney (28/11/2009 às 20:40:53) IP: 200.161.15.167
O jus- postulandi deve ser ampliado, e só deve terminar, quando o advogado for obrigado a atender o mais pobre, o advogado trabalhista , por vezes prejudica o necessitado fazendo acordos prejudiciais, por incapacidade de fazer recursos e receber dinheiro fácil e com a finalidade de atender empresários, poderia sim incluir uma lei que penalizasse o advogado que deixar de fazer recurso e induzir o mais pobre a fazer acordo, deve ser obrigação do advogado recompor os prejuízos causados.
6) Crovace (02/03/2010 às 19:18:40) IP: 189.92.0.97
Acho que é um direito de escolha que deve ser resguardado ao cidadão. Nem todos são desprovidos de conhecimento, e particularizando a situação: Ninguém conhece mais o problema do que o próprio trabalhador. O livre arbítrio há de ser respeitado.
Vou além, acho que o jus postuland deveria ser ampliadoem outras justiças também.
7) Maria (20/06/2010 às 11:06:29) IP: 187.58.182.183
Sou extremamente contra o jus postulandi, exatamente pela situação de fragilidade e desconhecimento técnico da parte.A advocacia é vasta em conhecimentos e técnicas e estas terão êxito aplicada por um profissioanal.´É hora sim de acabar com o jus postulandi em todas as fases, deixemos o trabalho do advogado para o advogado!
8) Antonio (21/08/2010 às 15:25:02) IP: 189.82.253.98
LEGAL ESSA MEDIDA DEVERIA JÁ EXISTIR,ISSO DIGNIFICA AINDA MAIS O TRABALHADOR!!!
9) Anderson (24/01/2011 às 23:34:39) IP: 189.104.229.92
Excelente projeto de lei, isso sim é uma lei eficiente.
10) Paulo (30/01/2011 às 18:35:01) IP: 187.104.42.214
Será um retrocesso
A ideia de que a Justiça só é justa se o acusado for defendido por um advogado não vale em nove países europeus. Na Inglaterra, Áustria, Finlândia, Espanha, Suécia, Albânia, Bulgária, Romênia e na Bósnia e Herzegovina não é obrigatório que o réu seja representado nos tribunais por um advogado devidamente qualificado. Nos nove países, os defensores são dispensáveis em qualquer das áreas do Direito.
11) Alexandre (08/01/2013 às 19:55:47) IP: 187.75.81.41
Sou totalmente favorável ao jus postulandi no direito do trabalho.Haja vista que todos devem ter acesso a justiça,o fim do Jus Postulandi,eu vejo como uma diminuição do acesso a justiça no caso da justiça do trabalho.O trabalhador,o direito laboral,devem ser resguardados,preservando esta legitimidade do empregado em face da empresa.Deve-se levar também em consideração que o empregado na relação jurídica é hipossuficiente.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
 
Copyright (c) 2006-2017. JurisWay - Todos os direitos reservados