JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Notícias Jurídicas

Últimas notícias

Procon-MG promove evento Procon-MG fala com Você - Precificação
Eventos - (01/08/2019)

Procon-MG promove 22º Encontro sobre Consumo e Regulação - Boas Práticas na Revenda de Produtos Cárneos
Eventos - (24/04/2019)

Procon-MG promove 7ª Edição do Momento educAtivo com o tema "O que o consumidor deve saber na hora de contratar um empréstimo?"
Eventos - (25/03/2019)

Procon-MG promove 21º Encontro sobre Consumo e Regulação - Proteção de Dados Pessoais e Defesa do Consumidor
Eventos - (20/03/2019)

Procon-MG promove evento no Dia Mundial de Defesa do Consumidor
Eventos - (07/03/2019)

Procon-MG promove Encontro sobre Capacitação em Publicidade de Alimentos e Direitos do Consumidor
Eventos - (25/11/2018)

Procon-MG promove evento sobre boas práticas de preparo e venda de alimentos ao consumidor
Eventos - (15/11/2018)

Procon-MG promove 6ª Edição do Momento educAtivo, dessa vez com o tema "A liberdade de escolha do consumidor sob a perspectiva comportamental"
Eventos - (02/10/2018)

Mais notícias do dia...

Defeitos em imóvel eximem pagamento

Perguntas e Respostas JurisWay
Ferramentas Facebook:
Envie para um amigo:


Ou compartilhe com todos:

Os desembargadores da 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) negaram recurso da Construtora Tenda S/A e determinaram que uma auxiliar de enfermagem não seja obrigada a pagar as parcelas que devia à empresa pela compra de seu apartamento. A negativa ao pedido da construtora deve-se ao fato de o imóvel apresentar diversos problemas estruturais, apesar de ser novo.

A construtora ajuizou ação de cobrança contra a auxiliar de enfermagem V.L.B.O., residente em Contagem, alegando que, em maio de 1996, firmou com ela contrato de compra e venda de um imóvel pelo preço de R$ 33.600, mas V. não pagou todas as prestações. Segundo a empresa, restou débito de R$ 14.167,41.

Na 1ª Instância, a construtora Tenda não teve êxito: o juiz da 4ª Vara Cível da comarca de Contagem, Rui de Almeida Magalhães, julgou o pedido improcedente e condenou a empresa ao pagamento das custas processuais e dos honorários advocatícios.

A construtora recorreu ao TJMG, alegando que o magistrado baseou-se erroneamente em laudo pericial produzido unilateralmente por V. L., o qual não serviria para afastar a legalidade da cobrança das parcelas atrasadas e confessadamente não pagas pela cliente. No laudo, o perito especificou diversos problemas estruturais no apartamento, os quais, segundo o juiz, comprovaram que a construtora não havia cumprido sua parte no contrato e, portanto, a compradora também não estaria obrigada a cumprir o pagamento do restante das prestações.

A relatora do recurso na 13ª Câmara Cível do TJMG, desembargadora Cláudia Maia, entendeu que o parecer técnico e as fotografias presentes nos autos mostram que o imóvel apresenta diversos vícios construtivos, tais como fissuras nas paredes dos quartos e da sala, bolor e manchas de umidade em cantos de janelas e em paredes, deslocamento de revestimento de cerâmica do piso da cozinha e de azulejos dos banheiros e danos na rede de iluminação, sendo necessária realização de obras de reparo de custo estimado em R$ 6.250.

A desembargadora lembrou também que a construtora teve a oportunidade de especificar provas, mas não o fez, limitando-se a afirmar que o laudo de perito fornecido pela compradora do imóvel não tem validade. Segundo ela, conclui-se que agiu com acerto o douto juiz singular, na medida em que não era exigível à apelada prosseguir no pagamento das parcelas do contrato quando o negócio apresentava vícios que lhe traziam visíveis prejuízos.

Assim, diante do valor real das parcelas faltantes para a conclusão do contrato (R$ 6.245,46) e do valor dos vícios construtivos, a magistrada considerou injustificada a complementação do preço e negou provimento ao recurso da construtora Tenda. Os desembargadores Nicolau Masselli e Alberto Henrique votaram de acordo com a relatora.

Voltar para notícias

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.
 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados