JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Servidor Público na Lei 8.112 com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Notícias Jurídicas

Últimas notícias

Procon-MG promove evento Procon-MG fala com Você - Lei de Meia-entrada
Eventos - (14/05/2019)

Procon-MG promove 22º Encontro sobre Consumo e Regulação - Boas Práticas na Revenda de Produtos Cárneos
Eventos - (24/04/2019)

Procon-MG promove 7ª Edição do Momento educAtivo com o tema "O que o consumidor deve saber na hora de contratar um empréstimo?"
Eventos - (25/03/2019)

Procon-MG promove 21º Encontro sobre Consumo e Regulação - Proteção de Dados Pessoais e Defesa do Consumidor
Eventos - (20/03/2019)

Procon-MG promove evento no Dia Mundial de Defesa do Consumidor
Eventos - (07/03/2019)

Procon-MG promove Encontro sobre Capacitação em Publicidade de Alimentos e Direitos do Consumidor
Eventos - (25/11/2018)

Procon-MG promove evento sobre boas práticas de preparo e venda de alimentos ao consumidor
Eventos - (15/11/2018)

Procon-MG promove 6ª Edição do Momento educAtivo, dessa vez com o tema "A liberdade de escolha do consumidor sob a perspectiva comportamental"
Eventos - (02/10/2018)

Mais notícias do dia...

Compra no comércio com cheque furtado termina em condenação

Perguntas e Respostas JurisWay
Ferramentas Facebook:
Envie para um amigo:


Ou compartilhe com todos:

A 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça manteve sentença da Comarca de São Joaquim que condenou Arlindo Mattei e Sônia Claudino à prestação de serviços comunitários por um ano e dois meses e ao pagamento de doze dias-multa, por aquisição de mercadorias com cheques furtados. Consta nos autos que Sônia adquiriu eletrodomésticos em três lojas do município com cártulas furtadas, segundo boletim de ocorrência registrado pela vítima do delito. As mercadorias foram transportados pelo caminhão de Arlindo que, conforme depoimentos anexados aos autos, foi conivente no delito, já que os objetos seriam divididos entre os acusados. Os cheques no valor de R$ 1,6 mil não foram debitados devido ao furto, o que caracterizou a vantagem ilícita dos acusados em prejuízo das lojas. Diante dos fatos, o relator do processo, desembargador Alexandre dIvanenko, inclinou-se pela manutenção da condenação. A materialidade do delito encontra-se demonstrada nos boletins de ocorrência, que demonstram que os réus realizaram compras com as cártulas em comento; no boletim de ocorrência, relatando o furto do talonário e nas cópias das referidas folhas de cheques.

(Apelação Criminal n. 2005.003917-8)

Voltar para notícias

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.
 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados