JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Notícias Jurídicas

Últimas notícias

Procon-MG promove evento Procon-MG fala com Você - Precificação
Eventos - (01/08/2019)

Procon-MG promove 22º Encontro sobre Consumo e Regulação - Boas Práticas na Revenda de Produtos Cárneos
Eventos - (24/04/2019)

Procon-MG promove 7ª Edição do Momento educAtivo com o tema "O que o consumidor deve saber na hora de contratar um empréstimo?"
Eventos - (25/03/2019)

Procon-MG promove 21º Encontro sobre Consumo e Regulação - Proteção de Dados Pessoais e Defesa do Consumidor
Eventos - (20/03/2019)

Procon-MG promove evento no Dia Mundial de Defesa do Consumidor
Eventos - (07/03/2019)

Procon-MG promove Encontro sobre Capacitação em Publicidade de Alimentos e Direitos do Consumidor
Eventos - (25/11/2018)

Procon-MG promove evento sobre boas práticas de preparo e venda de alimentos ao consumidor
Eventos - (15/11/2018)

Procon-MG promove 6ª Edição do Momento educAtivo, dessa vez com o tema "A liberdade de escolha do consumidor sob a perspectiva comportamental"
Eventos - (02/10/2018)

Mais notícias do dia...

Policiais são condenados por assalto a banco

Perguntas e Respostas JurisWay
Ferramentas Facebook:
Envie para um amigo:


Ou compartilhe com todos:

O Juiz Hugo José Freitas da Silva, substituto legal da Comarca de Vila Rica (1.259km a Nordeste de Cuiabá), condenou três policiais, sendo dois militares e um civil aposentado, por latrocínio. O crime aconteceu em 2001, eles assaltaram uma agência do Banco do Brasil no município e durante o assalto trocaram tiros com a polícia e atingiriam dois policiais militares, sendo que um faleceu em decorrência dos ferimentos. No momento da fuga, os assaltantes levaram algumas pessoas como reféns e roubaram R$ 90 mil da agência bancária. Cabe recurso à decisão.  

            Conforme a decisão, os réus deverão cumprir pena de acordo com a participação de cada um dos envolvidos no crime. Eles foram condenados pelas penas descritas no artigo 157 (roubo), parágrafo 3º, 2ª parte (se da violência resulta morte), e artigo 148, caput (provar alguém de sua liberdade, mediante seqüestro ou cárcere privado), na forma dos artigos 29 e 69, do Código Penal Brasileiros. Além dos três policiais, outras pessoas foram indiciadas pelo crime, mas os processos foram desmembrados.

 

De acordo com o magistrado as circunstâncias dos crimes praticados pelos réus são desfavoráveis: primeiro agiram em concurso de pessoas o que dificultou o poder de resistência das vítimas; segundo restringiram a liberdade de locomoção dos funcionários da agência; terceiro envolveram menor na participação do crime; quarto utilizaram armamento de grosso calibre o que potencializou o êxito da empreitada delituosa.

 

            No entendimento do magistrado, a culpabilidade do primeiro réu, o policial militar José Ângelo de Almeida, está evidenciada, vez que por ser policial militar possui condições de entender o caráter ilícito de sua conduta, sendo-lhe exigido comportamento diverso, além de ser um dos mentores do crime, participou diretamente dos atos executórios. Por sua participação, o magistrado condenou o policial a cumprir pena de 25 anos e 11 meses de reclusão, em regime inicialmente fechado (artigo 2º, parágrafo 1º, da Lei n.º 8.072/90, com as alterações da Lei n.º 11464/07), e 170 dias-multa na proporção de 1/30 do salário mínimo vigente na época do fato.

 

            Com relação ao segundo acusado, o também policial militar Deusenate Paneia Sena Corado, ele foi condenado a cumprir pena de 24 anos e nove meses de reclusão, em regime inicialmente fechado (artigo 2º, parágrafo 1º, da Lei nº 8.072/90, com as alterações da Lei nº 11.464/2007) e 130 dias-multa, na proporção de 1/30 do salário mínimo vigente na época do fato, devidamente atualizado.

 

            Já quanto ao acusado José Luiz Silva Costa, policial civil aposentado, conforme a decisão deverá cumprir pena de 24 anos e 11 anos meses de reclusão, em regime inicialmente fechado (artigo 2º, parágrafo 1º, da Lei nº 8.072/90, com as alterações da Lei nº 11.464/2007) e 130 dias-multa, na proporção de 1/30 do salário mínimo vigente na época do fato e atualizado.

 

Coordenadoria de Comunicação Social do TJMT

Voltar para notícias

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.
 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados