Prova Concurso Público - TRE/SE - Analista judiciário - Área Judiciária - Novembro/2015 - FCC - (Gabarito Definitivo)

Dificuldade Média
(30% a 60% de acertos)

Até agora, cerca de 35% acertaram esta questão.

380 pessoas responderam.

Gramática e Interpretação de texto da Língua Portuguesa

Anexo para as questões 1 a 7

Atenção: As questões de números 1 a 7 referem-se ao texto que segue.
As palavras que nos exprimem
Há palavras estrangeiras absolutamente necessárias para nossa comunicação, como é o caso de termos técnicos ligados à computação ou de vocábulos cujo sentido muito específico na língua original torna muito difícil, ou quase impossível, encontrar tradução adequada.
Mas é um tanto ridículo o abuso pretensioso de palavras estrangeiras, como "off" em dez de desconto, ou "free" em vez de grátis. Nos programas de congressos, em vez de se ler "Intervalo para café" ou, mais simplesmente, "Cafezinho", lê-se "coffee break". Aqui, o ridículo pesa de um modo especial.
Tomar um cafezinho é um hábito brasileiro, é um momento de sociabilidade. Antes dos "shopping centers" (eis aqui uma expressão estrangeira já integrada em nossa vida), havia no país incontáveis "cafés" de rua, pequenos estabelecimentos que
eram pontos de conversa amiga.
Desde o século XIX o Brasil teve boa parte de sua economia sustentada pelo café, exportou café para o mundo, criaram-se muitos postos de trabalho, fortunas se fizeram, exportamos, exportamos, exportamos - e de repente ele volta para nós importado, com sotaque americano, como prova de prestígio: "coffee break". É como se a matriz central devolvesse para a filial da periferia aquela banana importada que agora volta com selo de exportação para os que acham que em inglês tudo fica mais importante. Para aceitar aquilo que os estrangeiros possam ter de melhor não é preciso subestimar o que seja legitimamente nosso, e alimentar assim um tolo complexo de inferioridade.
(Adalberto Tolentino, inédito)


Exibir/Ocultar texto completo deste anexo.


4ª Questão:

Está inteiramente clara e correta a redação deste livre comentário sobre o texto:



a) O autor não se revela que sua posição esteja inteiramente intolerante diante dos estrangeirismos, uma vez que chega a justificá-lo dependendo do que for o caso.

76 marcações (20%)
b) Foi especialmente o emprego da expressão "coffee break" onde o autor se mostrou irritado, de vez que o uso de “cafezinho” seria inevitavelmente melhor.

47 marcações (12%)
c) Conquanto mostre plena relutância ao se valerem de termos estrangeiros, o autor não o evita de fazer em casos específicos, tal como o dos tecnológicos.

67 marcações (18%)
d) Ao aceitar o emprego de termos estrangeiros quando estes não tiverem tradução satisfatória, o autor mostra que não é um purista em defesa da língua portuguesa.

133 marcações (35%)
e) O prestígio de que alguns acenam para o uso de palavras inglesas é visto como injustificável na ótica do autor do texto quando se refere a este linguajar.


57 marcações (15%)


Lembre-se: Salvo disposição em contrário, as questões e o gabarito levam em consideração a legislação em vigor à época do edital desta prova, que foi aplicada em Novembro/2015.