JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Eu Legislador

Outras Leis do
Eu Legislador

Lei Complementar nº 999, de 16 de fevereiro de 2011.
Lei Complementar

Educação de Trânsito
Lei Complementar

Maioridade Penal
Emenda Constitucional

Adicional de penosidade
Lei Ordinária

ISENÇÃO DA PROVA DA OAB
Lei Ordinária

Veja mais ...

ALTERAÇÃO (ACRÉSCIMO) DA LEI DE ALIMENTOS

REGISTRO DA OBRIGAÇÃO NA CTPS DO DEVEDOR

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Proposta de Lei Complementar

 
Obrigar o empregador fazer constar na carteira de trabalho do funcionário a obrigação alimentar do empregado, inclusive nas cartas de recomendação, sob pena da empresa responder pelos alimentos até o cumprimento pelo próprio devedor. É que muitos pais ficam trocando de emprego e para burlar a obrigação dos alimentos. Quando o oficial de justiça chega com o mandado a empresa comunica que o funcionário já foi desligado. O ciclo se repete e com isso o processo se arrasta consumindo recursos públicos. Com essa medida o funcionário já chega no novo emprego COMUNICANDO a obrigação dos alimentos para efetivo desconto do seu salário. Então ficam solidários o devedor em 1º lugar, mas também o empregador ANTERIOR (isento apenas se demonstrar que EFETUOU a anotação na CTPS), e também o atual empregador (isento apenas e quando demonstrar QUE NÃO FOI COMUNICADO da obrigação pelo empregador anterior) A medida reduzirá a burla e dará efetividade ao cumprimento da lei.
 



Justificação / Exposição de Motivos

 
PROPOSTA PARA ALTERAÇÃO (ACRÉSCIMO) DA LEI DE ALIMENTOS.

"Obrigar o empregador fazer constar na carteira de trabalho do funcionário a obrigação alimentar do empregado, inclusive nas cartas de recomendação, sob pena da empresa responder pelos alimentos até o cumprimento pelo próprio devedor. É que muitos pais ficam trocando de emprego e para burlar a obrigação dos alimentos. Quando o oficial de justiça chega com o mandado a empresa comunica que o funcionário já foi desligado. O ciclo se repete e com isso o processo se arrasta consumindo recursos públicos. Com essa medida o funcionário já chega no novo emprego COMUNICANDO a obrigação dos alimentos para efetivo desconto do seu salário. Então ficam solidários o devedor em 1º lugar, mas também o empregador ANTERIOR (isento apenas se demonstrar que EFETUOU a anotação na CTPS), e também o atual empregador (isento apenas e quando demonstrar QUE NÃO FOI COMUNICADO da obrigação pelo empregador anterior) A medida reduzirá a burla e dará efetividade ao cumprimento da lei."

A proposição para tornar lei o registro da obrigação alimentar, pelo empregador, e na CTPS do devedor da paga, tudo sob pena da própria empresa adimplir os alimentos, e até a efetiva localização do alimentante, sem nenhuma dúvida trará importante aprimoramento na Lei de Alimentos, como também inegável melhoria e na respectiva prestação jurisdicional.

Ocorre que atividade forense comprova e que muitas vezes as execuções de alimentos permanecem paradas mais de ano, e aguardando a localização do réu, notadamente quando o devedor não para no emprego. Quando o oficial de justiça chega recebe a informação e de que o indivíduo não trabalha mais lá.

O ciclo se repete e com isso o processo se arrasta e o credor fica sem o indispensável a sua sobrevivência. As diligências consomem preciosos recursos públicos, dinheiro meu, seu, de todos. (mais de 90% dessas ações são propostas com pedido de gratuidade da justiça) E por incrível que pareça o próprio devedor termina prejudicado pelo retardar do processo, posto que o avanço da dívida, sem pagamento, inevitavelmente tende torna-la impagável.

Então, o pronto resolvimento do litígio é medida que atende e acomoda o interesse de todos, não só do credor, mas também do próprio devedor, da sociedade, do Poder Judiciário, do Sistema Prisional/Carcerário, da Polícia etc.

Analisemos o seguinte:

Tão logo comunicado o empregador, pela autoridade judiciária, e da obrigação alimentar pendente contra o seu funcionário, a empresa DEVERÁ realizar o respectivo registro na carteira de trabalho do seu subordinado. Assim agindo, certamente jamais substituirá o alimentante e no pagamento dos víveres. Entretanto, omitindo-se cumprir a determinação do registro (negligência etc), ai sim estará sujeita (eventualmente) substituir o devedor dos alimentos.

A medida do registro visa agilizar - de forma automática - o cumprimento da obrigação. Mudando de empresa, o devedor, ao apresentar a sua CTPS ao novo empregador, uma vez observado o registro anterior, e pela empresa antecessora, a contratante automaticamente fará a inclusão da despesa e na folha de pagamento do empregado. Veja que a empregadora também deverá REPETIR o registro dos alimentos e CONJUNTAMENTE a anotação que efetuar para a contratação do operário.

Insista-se que a recusa (negligência etc) poderá culminar o prejuízo futuro e da empresa.

Proposta a EXECUÇÃO DE ALIMENTOS, contra o devedor, tão logo procurado no seu serviço, pelo oficial de justiça, na eventualidade do seu desligamento a empresa DEVERÁ comprovar que efetuou o registro do encargo alimentar e na respectiva carteira de trabalho do ex-funcionário. (cópias bastam) Assim agindo estará liberada, e o processo deverá avançar diligências para localizar o devedor dos alimentos. TODAVIA, se não registrou a obrigação do seu conhecimento, e na carteira de trabalho do operário, o juiz do processo, a pedido do exequente, fará a inclusão da referida empresa e no pólo passivo da EXECUÇÃO DE ALIMENTOS. Assim, um processo que aguardaria talvez meses e anos, e até a localização do devedor, contará com o efetivo andamento e a real perspectiva da pronta solução do litígio.

Estes serão os resultados: (1) rápida solução do litígio; (2) economia de recursos públicos (diligências de oficial de justiça; ofícios etc); (3) pronta entrega dos alimentos ao credor; (4) encerramento da dívida alimentar; (5) desnecessidade da prisão, resultando o desafogo do sistema prisional e dos mandados que teriam que ser cumprimentos pela polícia.

A empresa - pela desobediência do simples registro - ficará pagando os alimentos até a efetiva localização do devedor. Terá então que procurá-lo. Uma vez localizado (o devedor), DEVERÁ COMUNICAR o fato ao juiz do processo (pedir desarquivamento etc), liberando-se da responsabilidade alimentar após o ok do juíz, intimado (cientificado) o exequente e por seu representante legal. (normalmente a genitora da criança)

Questão interessante é que a todo tempo a empresa terá o direito de regresso contra o devedor dos alimentos, ou seja, exigir dele, lhe restitua, mediante ação de cobrança, àquilo que despendeu com a criança. (alimentos) Note, contudo (e aqui um outro benefício para o devedor), que a cobrança efetuada pela empresa (contra o devedor) já não tem caráter alimentar, ou seja, já não tem aptidão e para conduzir o devedor à cadeia. Então o devedor (PELA RELAPSIA E NEGLIGÊNCIA DA EMPRESA) trocou uma dívida que poderia mandá-lo à cadeia e por uma outra sem a mesma aptidão.

E embora presente o direito de cobrança a dívida de natureza civil deverá resolvida pelos meios tradicionais e sem nenhuma hipótese da cadeia, o que representa algo importante e dentro de um sistema que adota o cárcere como remédio de exceção e para apenas valer o direito de subsistência do alimentado.

Agora; imaginemos o empregado chegando na nova empresa. Se na CTPS já constar a obrigação o empregador cumprirá automaticamente os descontos em folha de pagamento. Já no registro que efetivar, na carteira de trabalho, e acerca da contratação, aporá também a informação da pensão alimentícia, repetindo àquilo que lhe foi comunicado e pelo seu antecessor - via CTPS. Entretanto, se ao receber a carteira de trabalho do empregado, NADA deparar, e acerca de obrigação alimentícia, naturalmente que este empregador não terá qualquer responsabilidade, presente ou futura, e com este assunto dos alimentos. De duas, uma: ou o empregado simplesmente não tem obrigação de prestar alimentos para quem quer seja; ou então a empresa antecessora não cumpriu a sua obrigação do registro. Neste último caso, eventualmente surpreendida pela visita do oficial de justiça, a empresa comprovará, mediante cópias simples da CTPS do obreiro (permanecendo ou não, o empregado, na empresa), e que jamais recebeu a informação dos alimentos, eximindo-se, por completo, e de qualquer responsabilidade. Lado outro, se foi informada mas não atendeu ao desconto automático, eis que na ausência/sumiço do empregado (ex-empregado), responderá ela, a firma, e a pedido do exequente, pelos alimentos, e até a eventual localização do devedor.

Poderá acontecer e do devedor, maliciosamente, pois, chegar na nova empresa e com uma carteira "novinha" (CTPS) para impedir que o futuro empregador adquira o conhecimento do registro alimentar efetuado pela antiga empresa. Naturalmente que o novo empregador (salvo conluio entre as partes) jamais responderá e por àquilo que não teve conhecimento. Neste caso, e sem o prejuízo de outras medidas de natureza civil, o operário deverá responder criminalmente, por exemplo, e por abandono de incapaz, estelionato, obstrução da justiça etc. Também a autoridade responsável pela emissão da nova CTPS deverá assuntada e para apuração da sua conduta, não se admitindo a "distribuição" de um documento de tamanha importância e sem qualquer maior critério ou cuidado.

Como se vê, a indigitada proposição, de minha autoria (já encaminhamos o assunto para a Câmara dos Deputados em Brasília), parece acrescentar com a Lei de Alimentos, conclusão retirada mediante pesquisa de campo e do meu cotidiano forense. A proposição não fecha o assunto e nem tem essa pretensão. E por melhor e mais bem intencionado que seja o acréscimo, muitos ajustes terminam por se revelar e na prática das coisas. Todavia, estamos dando aqui uma pequena contribuição e para ao menos, quem sabe, a discussão do assunto e o revelar de novas idéias.

http://www.avaaz.org/po/petition/LEI_DE_ALIMENTOS/?feFgqdb&pv=1
Importante:
1 - Todas as propostas de lei podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
 
Copyright (c) 2006-2017. JurisWay - Todos os direitos reservados