JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Será o fim do JurisWay?
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Notícias Jurídicas

Últimas notícias

Procon-MG promove evento Procon-MG fala com Você - Precificação
Eventos - (01/08/2019)

Procon-MG promove 22º Encontro sobre Consumo e Regulação - Boas Práticas na Revenda de Produtos Cárneos
Eventos - (24/04/2019)

Procon-MG promove 7ª Edição do Momento educAtivo com o tema "O que o consumidor deve saber na hora de contratar um empréstimo?"
Eventos - (25/03/2019)

Procon-MG promove 21º Encontro sobre Consumo e Regulação - Proteção de Dados Pessoais e Defesa do Consumidor
Eventos - (20/03/2019)

Procon-MG promove evento no Dia Mundial de Defesa do Consumidor
Eventos - (07/03/2019)

Procon-MG promove Encontro sobre Capacitação em Publicidade de Alimentos e Direitos do Consumidor
Eventos - (25/11/2018)

Procon-MG promove evento sobre boas práticas de preparo e venda de alimentos ao consumidor
Eventos - (15/11/2018)

Procon-MG promove 6ª Edição do Momento educAtivo, dessa vez com o tema "A liberdade de escolha do consumidor sob a perspectiva comportamental"
Eventos - (02/10/2018)

Mais notícias do dia...

TCU determina devolução de R$ 200 mil aplicados em obras da BR 476 (PR)

Perguntas e Respostas JurisWay
Ferramentas Facebook:
Envie para um amigo:


Ou compartilhe com todos:

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou ao ex-superintendente do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) do Paraná, ao ex-engenheiro supervisor do Dnit em São José dos Pinhais (PR) e à Sconntec Construtora de Obras Ltda. o pagamento, em solidariedade, da quantia original de R$ 207.201,28 aos cofres do Dnit.

O valor é relativo à liberação de verba para instalação do canteiro de obras e acampamento dos operários nas obras da BR-476, trecho Lapa - São Mateus do Sul (PR), incluídas no Programa Emergencial de Trafegabilidade e Segurança nas Estradas (Petse).

O TCU identificou que após um mês do início da construção, o canteiro de obras ainda não havia sido estruturado. De acordo com o relator do processo, ministro-substituto André Luís de Carvalho, o tempo decorrido é mais que suficiente para execução dos serviços, ainda mais quando se observa que a obra tinha o prazo de apenas seis meses para a sua conclusão.

Uma nova fiscalização foi realizada nove meses após o término do contrato, mas os responsáveis não conseguiram demonstrar a execução do canteiro de obras e do acampamento. Por isso, o tribunal está pedindo a devolução dos valores pagos pelo Dnit. Os gestores e a Sconntec - construtora responsável pelo empreendimento - devem ainda pagar de forma individual multa de R$ 20 mil ao Tesouro Nacional. Os valores serão atualizados quando do pagamento.

 

Serviço
Leia a íntegra da decisão no link abaixo: 
Processo: TC 004.932/2011-0

Voltar para notícias

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.
 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados