JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Notícias Jurídicas

Últimas notícias

Procon-MG promove evento Procon-MG fala com Você - Precificação
Eventos - (01/08/2019)

Procon-MG promove 22º Encontro sobre Consumo e Regulação - Boas Práticas na Revenda de Produtos Cárneos
Eventos - (24/04/2019)

Procon-MG promove 7ª Edição do Momento educAtivo com o tema "O que o consumidor deve saber na hora de contratar um empréstimo?"
Eventos - (25/03/2019)

Procon-MG promove 21º Encontro sobre Consumo e Regulação - Proteção de Dados Pessoais e Defesa do Consumidor
Eventos - (20/03/2019)

Procon-MG promove evento no Dia Mundial de Defesa do Consumidor
Eventos - (07/03/2019)

Procon-MG promove Encontro sobre Capacitação em Publicidade de Alimentos e Direitos do Consumidor
Eventos - (25/11/2018)

Procon-MG promove evento sobre boas práticas de preparo e venda de alimentos ao consumidor
Eventos - (15/11/2018)

Procon-MG promove 6ª Edição do Momento educAtivo, dessa vez com o tema "A liberdade de escolha do consumidor sob a perspectiva comportamental"
Eventos - (02/10/2018)

Mais notícias do dia...

TJMT concede salvo-conduto a devedor que busca negociar

Perguntas e Respostas JurisWay
Ferramentas Facebook:
Envie para um amigo:


Ou compartilhe com todos:

Por unanimidade, a Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso concedeu ordem para determinar a expedição de salvo-conduto em favor de um paciente da Comarca de Poconé, prestes a ter a prisão decretada numa ação de busca e apreensão. No entendimento de Segundo Grau, a ordem mereceu ser concedida porque a prisão civil de depositário infiel não se justifica, ainda mais em se tratando de alienação fiduciária em garantia, onde o devedor não recebe o bem para o exercício do dever de custódia, como ocorre no depósito típico previsto no Código Civil (Habeas Corpus Preventivo nº 69310/2008)         No habeas corpus com pedido liminar, o paciente sustentou, em síntese, que sofre constrangimento ilegal em razão do pedido feito pelo autor da ação de busca e apreensão movida em Primeira Instância, para decretar a prisão civil por infidelidade depositária. Argüiu que o banco credor desconsiderou que após a propositura da ação já houve o depósito no valor de R$ 13,5 mil para iniciar uma nova negociação. Por fim, requereu que seja concedida a ordem, com a expedição de salvo-conduto.         No entendimento do relator do recurso, desembargador Guiomar Teodoro Borges, a regra prescrita no artigo 5º, inciso LXVII, da Constituição da República, limita a prisão por dívida aos casos de obrigação alimentícia e do depositário infiel, de modo a não ser possível ampliar esses limites para abranger as figuras equiparadas a essas situações.         O relator explicou ainda que, na alienação fiduciária em garantia, o devedor não tem o dever de guardar o objeto para restituição a pedido do credor, mas utiliza o bem, mediante o pagamento de prestações sucessivas, caso em que, adimplido o débito, fica eliminada a possibilidade de restituição do bem, que é a essência do depósito, o que descaracteriza a infidelidade, asseverou. 
 
      A unanimidade da decisão foi conferida pelo desembargador Evandro Stábile (1º vogal) e pelo juiz Gilperes Fernandes da Silva (2º vogal convocado).

Voltar para notícias

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.
 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados