JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Será o fim do JurisWay?
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Notícias Jurídicas

Últimas notícias

Procon-MG promove evento Procon-MG fala com Você - Precificação
Eventos - (01/08/2019)

Procon-MG promove 22º Encontro sobre Consumo e Regulação - Boas Práticas na Revenda de Produtos Cárneos
Eventos - (24/04/2019)

Procon-MG promove 7ª Edição do Momento educAtivo com o tema "O que o consumidor deve saber na hora de contratar um empréstimo?"
Eventos - (25/03/2019)

Procon-MG promove 21º Encontro sobre Consumo e Regulação - Proteção de Dados Pessoais e Defesa do Consumidor
Eventos - (20/03/2019)

Procon-MG promove evento no Dia Mundial de Defesa do Consumidor
Eventos - (07/03/2019)

Procon-MG promove Encontro sobre Capacitação em Publicidade de Alimentos e Direitos do Consumidor
Eventos - (25/11/2018)

Procon-MG promove evento sobre boas práticas de preparo e venda de alimentos ao consumidor
Eventos - (15/11/2018)

Procon-MG promove 6ª Edição do Momento educAtivo, dessa vez com o tema "A liberdade de escolha do consumidor sob a perspectiva comportamental"
Eventos - (02/10/2018)

Mais notícias do dia...

Invasão de privacidade- TJ-SC admite quebra de sigilo sem ordem judicial

Perguntas e Respostas JurisWay
Ferramentas Facebook:
Envie para um amigo:


Ou compartilhe com todos:

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina considerou legal a quebra de sigilo bancário de um funcionário do banco e de dois parentes seus, suspeitos de desviarem dinheiro do INSS em proveito próprio. O entendimento é da 3ª Câmara de Direito Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, que em decisão unânime manteve sentença da comarca de Taió, que negou reparação de dano moral a Elionir Pereira e Alexandro Pereira, que se disseram ofendidos pela quebra de sigilo bancário feita pelo Banco do Estado de Santa Catarina (Besc).

De acordo com os autos, a quebra do sigilo é decorrente de um inquérito judicial que corria na justiça trabalhista para rescindir o contrato de trabalho do funcionário do Besc, José Pereira - marido de Elionir e pai de Alexandro.

O servidor foi acusado de praticar crime contra o patrimônio público ao efetuar pagamentos de benefícios do INSS para beneficiários já falecidos, no período em que era caixa do banco.

A relatora do processo, a desembargadora, Maria do Rocio Luz Santa Ritta, esclareceu que não havia necessidade de ordem judicial. Tal procedimento somente se faria necessário caso houvesse um terceiro, já que as informações contidas nas contas bancárias são tanto de uso do banco como do cliente que lhes deu origem.

Plausível que sejam envidados todos os esforços na demonstração dos fatos relativos à apropriação de recursos públicos, inclusive, com a exposição das movimentações bancárias não só do envolvido direto, como de supostos beneficiados pelo desvio noticiado, ressaltou a desembargadora.

Assim, a instituição bancária anexou ao inquérito um relatório que discriminava as operações financeiras realizadas tanto no caixa em que ele operava, quanto em sua conta corrente e nas contas dos parentes.

Diante da iniciativa da instituição bancária, a mulher e o filho do caixa do Besc alegaram que a quebra do sigilo bancário não teve respaldo em ordem judicial e pleitearam indenização por danos morais.

Apelação Cível n. 2007.064648-1

Revista Consultor Jurídico, 12 de junho de 2008

a a a Índice Imprimir Enviar document.write(Comentar); Comentar

Voltar para notícias

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.
 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados