JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Ortografia Oficial 2016 com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Notícias Jurídicas

Últimas notícias

Procon-MG promove evento Procon-MG fala com Você - Lei de Meia-entrada
Eventos - (14/05/2019)

Procon-MG promove 22º Encontro sobre Consumo e Regulação - Boas Práticas na Revenda de Produtos Cárneos
Eventos - (24/04/2019)

Procon-MG promove 7ª Edição do Momento educAtivo com o tema "O que o consumidor deve saber na hora de contratar um empréstimo?"
Eventos - (25/03/2019)

Procon-MG promove 21º Encontro sobre Consumo e Regulação - Proteção de Dados Pessoais e Defesa do Consumidor
Eventos - (20/03/2019)

Procon-MG promove evento no Dia Mundial de Defesa do Consumidor
Eventos - (07/03/2019)

Procon-MG promove Encontro sobre Capacitação em Publicidade de Alimentos e Direitos do Consumidor
Eventos - (25/11/2018)

Procon-MG promove evento sobre boas práticas de preparo e venda de alimentos ao consumidor
Eventos - (15/11/2018)

Procon-MG promove 6ª Edição do Momento educAtivo, dessa vez com o tema "A liberdade de escolha do consumidor sob a perspectiva comportamental"
Eventos - (02/10/2018)

Mais notícias do dia...

SPC - Brasil deve indenizar cliente de loja de calçados

Perguntas e Respostas JurisWay
Ferramentas Facebook:
Envie para um amigo:


Ou compartilhe com todos:

O juiz da 8ª Vara Cível de Belo Horizonte, Jair José Varão Pinto Jr, determinou que o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC-Brasil) pague a quantia de R$600,00, por danos morais, a um cliente de uma loja de calçados.

O cliente alegou que, no ano de 2005, ao tentar realizar uma compra, descobriu que o seu nome estava indevidamente incluído no SPC-Brasil. Esclareceu que procurou averiguar a natureza da inclusão e foi informado de que se referia a uma pendência junto a uma loja de Calçados, no valor de R$ 69,95. Alegou, ainda, que não recebeu qualquer notificação prévia sobre tal inclusão.

     O SPC-Brasil contestou alegando que a correspondência, comunicando a inclusão do nome do autor nos cadastros do SPC, foi devidamente encaminhada para o endereço do autor, através de carta simples.

Segundo o juiz, ao analisar o processo, percebeu que o nome do autor realmente foi incluído nos cadastros do SPC-Brasil.

Conforme o juiz, tal inclusão foi feita sem a devida comunicação ao autor, o que, por si só, constitui ato ilícito.

Para o juiz, a relação de cartas emitidas, juntadas no processo, não comprovam o envio de tal comunicação ao autor, pois se trata de documentação unilateral, trazida aos autos sob forma de cópias não autenticadas e, portanto, inútil como meio de prova.

Ele considerou que a inserção do nome do autor nos cadastros de maus pagadores gerou abalo em suas relações comerciais e pessoais, colocando-o em condições de merecer uma reparação moral.

     Essa decisão, por ser de 1ª Instância, está sujeita recurso.

Voltar para notícias

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.
 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados