JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Servidor Público na Lei 8.112 com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Curiosidades da Internet
 

Carta social – Correspondência a R$0,01

A população brasileira, em sua grande maioria nem imagina que pode enviar uma carta usando apenas a moeda de 1 centavo, tão desmoralizada por todos.
 
Por isso, o governo federal criou em 1995 a chamada “carta social”. O Ministério das Comunicações lançou, por meio de uma Portaria, a possibilidade de reduzir a distância e a saudade por apenas R$0,01 (um centavo de real).
 
A carta social é uma forma de correspondência criada para que a classe menos favorecida da população brasileira tenha mais acesso aos serviços postais.
 
Seu valor é de apenas R$0,01 (um centavo de real). Mas para o cidadão obter tal direito, o mesmo deve cumprir algumas regras, tais como:
 
1 – Apenas as pessoas físicas podem enviá-las (remetente) ou recebê-las (destinatário);
2 – Cada carta/envelope deve ser escrita à mão e não pode pesar mais de 10 (dez) gramas;
3 – Podem ser postadas no máximo 05 (cinco) cartas sociais por remetente;
4 – Deve estar escrito no envelope: “carta social”.
 
Segue abaixo a Portaria 245/95 dos Ministério das Comunicações:
 
PORTARIA Nº 245, DE 09 DE OUTUBRO DE 1995
 
O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, INTERINO , no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo inciso II do parágrafo único do Art. 87, da Constituição e tendo em vista o disposto na Lei nº 6.538, de 22 de junho de 1978, e o que dispõe a Portaria nº 249, de 6 de outubro de 1995, do Ministério da Fazenda, e
CONSIDERANDO que os serviços postais, além de seus aspectos cultural e social, contribuem para um maior desenvolvimento econômico da sociedade em geral;
CONSIDERANDO que o mercado postal representado pelas pessoas jurídicas exige um tratamento diferenciado, visando ao atendimento de suas necessidades comerciais, que lhe são totalmente peculiares;
CONSIDERANDO o alcance social do Serviço Postal, resolve:
Art. 1º Instituir as seguintes modalidades de Carta, para o âmbito nacional:
Carta Social;
II. Carta não Comercial;
III. Carta Comercial
Art. 2º A Carta Social é aquela remetida por pessoa física, tendo as seguintes características:
I. Limite máximo de peso igual a 10 gramas (g); e
II.7. Endereçamento manuscrito e contendo a indicação "CARTA SOCIAL"; e
III.7. Franqueamento por meio de selo postal adesivo ou estampa de máquina de franquear. Parágrafo único. A Carta Social terá assegurado tratamento idêntico ao de Carta Não Comercial nas fases de recebimento e entrega.
Art. 3º É considerada Carta Não Comercial toda aquela remetida por pessoa física e que não se inclui no escopo do Art. 2º desta Portaria.
Art. 4º A Carta Comercial é aquela remetida por pessoa jurídica.
Parágrafo 1º As facilidades adicionais de postagem e condições especiais de franqueamento e de faturamento serão objeto de contrato específico.
Parágrafo 2º Admite-se a possibilidade de a Carta Comercial ter ranqueamento por computador ou por outro meio.
Art. 5º para as modalidades de Carta Comercial e Não Comercial, será aplicado, quando da postagem, o disposto no inciso II do Art. 14 da Lei 6.538, de 22 de junho de 1978.
Art. 6º Fica a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos-ECT autorizada a emitir instruções complementares necessárias à operacionalização da matéria de que trata a presente Portaria.
Art. 7º Esta Portaria entra em vigor a partir de 11 de outubro de 1995.
Art. 8º Revogam-se as disposições em contrário, especialmente a Portaria nº 77, de 29 de dezembro de 1992, do Ministério das Comunicações.
JOSÉ LUCENA DANTAS


D.O U. 10/10/1995

Esta seção do JurisWay é composta por textos cuidadosamente selecionados dentre tantos largamente difundidos pela internet de autores desconhecidos, conhecimento popular ou domínio público. Entretanto, se você tem razões para acreditar que seus direitos autorais foram violados, entre em contato com o JurisWay informando:
1. Uma descrição do trabalho protegido por direitos autorais;
2. Endereço (URL) da página onde está ocorrendo essa violação de direitos autorais;
3. Seu nome completo, endereço, telefone e e-mail;
4. Uma declaração sua de que você age de boa fé e que acredita que seu material foi usado de forma indevida de acordo com as leis de diretos autorias e que você é o dono do material utilizado ou está legalmente autorizado a agir em nome dele;
5. Uma declaração sua de que todas as informações fornecidas estão corretas.

indique esta página a um amigo Indique aos amigos

 
Copyright (c) 2006-2018. JurisWay - Todos os direitos reservados