Página
Inicial
JurisWay
é...
Responsabilidade
Social no Brasil
Anuncie
Conosco
Conheça nossos
Colaboradores
Profissionais
Classificados
Críticas e
Sugestões
Busca Geral JurisWay
Login JurisWay


Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Ainda não tem login?
Cadastre-se já!

 
Conteúdo  gratuito.
Cadastro opcional.


Conteúdo JurisWay

Release

Artigos em 22/09/2008
Ibama vai autorizar criação de animal silvestre

Ibama vai autorizar criação de animal silvestre
 
indique está página Indique aos amigos
 

22 / 09 / 2008 Ibama vai autorizar criação de animal silvestre

 

Animais silvestres nativos do Brasil, como o papagaio verdadeiro, o bicudo, o canário-da-terra e o trinca-ferro, terão a criação doméstica e a venda comercial autorizadas pelo Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) até o fim do ano. A medida visa a combater o tráfico de animais silvestres, que movimenta milhões e alimenta uma máfia internacional, disse João Pessoa Riograndense Júnior, coordenador de Fauna do Ibama.

Da lista deverão constar outros espécimes não só de psitacídeos, como o papagaio verdadeiro (Amazona aestiva), que tem coloração geral verde, fronte azul, vértice, face e garganta amarelos, base da cauda vermelha e ponta das asas preta, e passeriformes, como o bicudo e o trinca-ferro. Mas o Ibama ainda não concluiu a lista. É certo que não constará nenhum tipo de primatas nem felídeos, como onças e jaguatiricas. É possível que na lista apareça algum tipo de cobra, pois várias delas são nativas do Brasil (não exclusivamente), como a jararaca e a jararacuçu.

A liberação da criação e comércio das espécies silvestres nativas do Brasil como animais domésticos obedece à Resolução 394/07, do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). Ela foi tomada em cumprimento à Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), da Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (Rio-92), realizada no Brasil. Visa a prever, prevenir e combater na origem as causas da redução ou perda da diversidade biológica, controlar ou erradicar e impedir que se introduzam espécies exóticas que ameacem os ecossistemas, hábitats ou espécies.

Para João Pessoa, internamente pode ser um importante instrumento de combate ao contrabando de animais, pois oferecerá a quem quiser ter um desses em casa a oportunidade de criá-lo em condição legal, sem risco de prisão e de pagamento de multa. Os animais só poderão ser vendidos por criadouros com atividades autorizadas pelo Ibama. O comércio de animais em feiras ou beira de estrada continua ilegal.

Do mesmo modo, não será autorizado que eles sejam recolhidos no campo e levados para casa. O nascimento de filhotes, mesmo que de animais comprados legalmente, terá de ser comunicado ao governo. De acordo com dados do Ibama, o contrabando nacional e internacional de animais silvestres é o terceiro tipo de tráfico mais lucrativo no Brasil, perdendo apenas para o de drogas e de armas. Com isso, a biodiversidade do País vem sendo constantemente ameaçada pela perda anual de uma quantia incalculável de animais. Dados da organização não-governamental Rede Nacional contra o Tráfico de Animais Silvestres (Renctas) mostram que, ao contrário do que se pensa, a maior parte se destina ao mercado interno, e não ao externo.

O valor de venda de um animal raro no Brasil dificilmente ultrapassa R$ 360, enquanto no mercado externo pode chegar até a US$ 15 mil (ou R$ 19 mil). Ainda conforme levantamento feito pela Renctas, um dos animais com maior procura no exterior é o mico-leão-dourado, que no Brasil sai por cerca de US$ 180, enquanto na Europa chega a US$ 15 mil. O melro (Gnorimopsar chopi, também conhecido por pássaro preto e assum preto), ave que nas feiras livres do Sul e Sudeste do País é vendido por US$ 150, chega a US$ 13 mil nos Estados Unidos. (Fonte: João Domingos/ Estadão Online)
 
indique está página Indique aos amigos
 
© Copyright 2017 JurisWay - Todos os direitos reservados