JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Servidor Público na Lei 8.112 com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Jurisprudências

Outras jurisprudências sobre
'Dirigente sindical'

TRT/SP - ENQUADRAMENTO SINDICAL. TRISHOP. BENEFÍCIOS NORMATIVOS. CATEGORIA DOS FINANCIÁRIOS.
15/03/2012

TRT/SP - Sindicato. Membro do Conselho Fiscal. Estabilidade provisória prevista nos artigos 8º, inciso VIII, da Carta Magna e 543, § 3º, da CLT. Inexistência.
02/02/2012

TRT/SP - DIREITO SINDICAL - REPRESENTATIVIDADE - REGISTRO
04/03/2011

TRT/SP - ESTABILIDADE Provisória. Dirigente sindical,membro da cipa ou de associação
18/01/2011

TRT/SP - Estabilidade provisória do dirigente sindical. Limitação.
06/12/2010

TRT/MG - ESTABILIDADE PROVISÓRIA - DIRIGENTE SINDICAL - MEMBRO DO CONSELHO FISCAL
06/12/2010

TRT/MG - EXTINÇÃO DA EMPRESA NA BASE TERRITORIAL DO SINDICATO - DIRIGENTE SINDICAL - AUSÊNCIA DE ESTABILIDADE.
16/11/2010

TRT/MG - DISPENSA POR JUSTA CAUSA. MEMBRO DA CIPA. FALTA GRAVE. PRESCINDIBILIDADE DE INSTAURAÇÃO DE INQUÉRITO JUDICIAL PARA APURAÇÃO DE FALTA GRAVE.
22/09/2010

Veja mais...

 

TRT/MG - DIRIGENTE SINDICAL. AUSÊNCIA DE REGISTRO JUNTO AO MINISTÉRIO DO TRABALHO. IRRELEVÂNCIA.

Data da publicação da decisão - 23/06/2010.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Processo: 0000032-67.2010.5.03.0156 RO - RO
Data de Publicação: 23-06-2010 - DEJT - Página: 84
Órgão Julgador: Segunda Turma
Tema: ESTABILIDADE PROVISÓRIA SINDICAL - DIRIGENTE
Relator: Luiz Ronan Neves Koury
Revisor: Jales Valadão Cardoso

          RECORRENTE:  XXXXXX

          RECORRIDO:  XXXXXX 
           
          EMENTA: DIRIGENTE SINDICAL. AUSÊNCIA DE REGISTRO JUNTO AO MINISTÉRIO DO TRABALHO. IRRELEVÂNCIA. Não se pode considerar indispensável o registro da entidade no Ministério do Trabalho para a aquisição da estabilidade por parte dos dirigentes sindicais, bastando apenas que tenham sido eleitos na forma exigida pela lei. Como a dispensa do reclamante se deu após a eleição para diretor da entidade sindical, ainda que a documentação do sindicato não estivesse formalizada naquele momento, há que se preservar a sua estabilidade, de acordo com reiteradas decisões do TST.

                       Vistos, relatados e discutidos,

           
          DECIDE-SE

          RELATÓRIO

                       O Juízo do Posto Avançado de Frutal - Uberaba, pela sentença de fls. 170/180, complementada pelos embargos de declaração de fls.189/90, cujo relatório adoto e a este incorporo, julgou procedentes os pedidos formulados por RENATO MARTINS SOARES em face de USINA FRUTAL AÇÚCAR E ÁLCOOL S/A.

                       Recorre a reclamada às fls. 193/203.

                       Contrarrazões às fls. 212/220.

                       Dispensada a remessa dos autos ao Ministério Público do Trabalho, na forma do art. 82 do Regimento Interno deste Regional.

                       É o relatório.

           
          VOTO

          ADMISSIBILIDADE

                       Satisfeitos os requisitos legais de admissibilidade, conheço do recurso.

           
          MÉRITO

          REVOGAÇÃO DA REINTEGRAÇÃO DO OBREIRO AO TRABALHO - COMPROVAÇÃO DE DOCUMENTOS

                       A recorrente alega que o reclamante trabalhava como Técnico de Segurança do Trabalho, mas se candidatou a dirigente sindical para defender interesses de categoria diferenciada (art. 511, § 3º da CLT), não podendo se beneficiar da estabilidade, nos termos da Súmula 369, III do TST.

                       Afirma que o autor não tem a estabilidade provisória alegada e que a sua demissão foi legitima e amparada pela lei.

                       Aduz que não foi cumprida a formalidade em relação aos documentos que a entidade sindical deveria ter entregue à empresa para o registro da candidatura do obreiro a dirigente sindical, nos termos do art. 543, § 4º e 5º da CLT.

                       Argumenta que a comunicação no prazo de 24 horas, com a comprovação dos documentos exigidos consistia num dever da entidade sindical, sendo que esta não o cumpriu, não justificando a determinação de reintegração do obreiro ao trabalho pela inexistência de estabilidade provisória.

                       Alega que o suposto Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação de Frutal/MG também não está regularizado junto ao Ministério do Trabalho assim como as nomeações realizadas.

                       Requer que seja mantida a dispensa sem justa causa do reclamante.

                       Verifica-se que anteriormente à Constituição da República de 1988, a criação de associação profissional era condição para se requerer o registro sindical. Após a promulgação da Carta Magna, entretanto, para o requerimento de registro não há exigência de eleição de dirigentes, conforme se observa das Portarias 343 e 376 do referido órgão. Assim, sem a obrigatoriedade da referida eleição, a garantia ao emprego pode ser estendida antes do registro da entidade.

                       Conforme bem fundamentado na sentença, considerando que a estabilidade dos dirigentes é a garantia do exercício do direito de sindicalização, com maior razão a estabilidade deve ser garantida no momento da fundação do sindicato, oportunidade em que a organização dos trabalhadores se mostra mais frágil, sob pena de se inviabilizar de maneira indireta a fundação de novos sindicatos. Não havendo a referida garantia, bastaria a dispensa dos empregados para que se tornasse inviável a constituição do Sindicato.

                       Desse modo, não se pode considerar indispensável o registro da entidade no Ministério do Trabalho para a aquisição da estabilidade por parte dos dirigentes sindicais, bastando que tenham sido eleitos na forma exigida pela lei.

                       Como a dispensa do reclamante se deu após a eleição, ainda que a documentação do sindicato não estivesse formalizada naquele momento, há que se considerar a sua estabilidade tendo em vista a sua condição de dirigente sindical.

                       Neste sentido os seguintes Precedentes do TST:

                       “RECURSO DE EMBARGOS. DIRIGENTE SINDICAL. GARANTIA DE EMPREGO PROVISÓRIA. ENTE SINDICAL CUJO PEDIDO DE REGISTRO NO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO JÁ FORA FORMALIZADO À ÉPOCA DA DISPENSA. A necessidade de se outorgar proteção ao dirigente sindical impõe-se já no processo de criação do ente respectivo. É nessa fase que os trabalhadores em processo de organização encontram-se mais vulneráveis, não se admitindo que o empregador frustre a iniciativa obreira na origem. Não se pode, portanto, pretender vincular o início da garantia devida ao dirigente sindical a qualquer providência formal subsequente à deliberação da categoria de organizar-se em sindicato - máxime o registro no Ministério do Trabalho e Emprego - providência de índole meramente administrativa, destinada a dar publicidade à constituição do novo ente sindical. Dessa forma, merece ser mantida a decisão proferida pela Turma mediante a qual se reconheceu a garantia provisória no emprego a dirigente de ente sindical cujo pedido de registro já fora devidamente formalizado à época de sua dispensa. Entendimento consentâneo com a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal. Precedentes desta Corte superior. Recurso de embargos não conhecido”.(Processo: E-ED-RR - 290400-25.2001.5.09.0662 Data de Julgamento: 29/04/2010, Relator Ministro: Lelio Bentes Corrêa, Subseção I Especializada em Dissídios Individuais, Data de Divulgação: DEJT 07/05/2010.

                       RECURSO DE REVISTA - ESTABILIDADE PROVISÓRIA - DIRIGENTE SINDICAL - PENDÊNCIA DO REGISTRO PERANTE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - IRRELEVÂNCIA O STF já dirimiu a controvérsia acerca do momento da aquisição do direito à estabilidade provisória, reconhecendo estar assegurada a garantia de emprego aos trabalhadores eleitos dirigentes sindicais na assembléia constitutiva da entidade sindical, antes mesmo do seu registro no Ministério do Trabalho. Recurso de Revista não conhecido.” (Processo: RR - 63900-09.2006.5.07.0007 Data de Julgamento: 03/03/2010, Relatora Ministra: Maria Cristina Irigoyen Peduzzi, 8ª Turma, Data de Divulgação: DEJT 05/03/2010.

                       Insta salientar que o primeiro Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação de Frutal/MG foi dissolvido, sendo inócuas as argumentações sobre a sua regularização junto ao Ministério do Trabalho (fls. 109/111).

                       Diante da documentação acostada aos autos, verifica-se que houve a tentativa de fraude na constituição do referido sindicato (representado pelo Sr. Luis Domingos - ata de fl. 48), havendo apenas uma reunião e não assembléia, na qual compareceram apenas oito pessoas e não trinta como consta na lista de presença, entre outras irregularidades (depoimento do Sr. Fabiano da Silva Rios perante o delegado de polícia - fl. 90).

                       Atualmente, o reclamante é diretor de outro sindicato, com o mesmo nome, que foi constituído legalmente, sendo que a ausência de entrega dos documentos requeridos pela reclamada teve como razão a tentativa de fraude ocorrida, levando o cartório a suscitar dúvida e negar a inscrição requerida pela entidade agora representada pelo Sr. Agriston (fls. 44/47 e 97/98). Tais fatos inclusive foram objeto de inquérito policial (fls.79/94). Digno de nota que o sindicato anteriormente fundado foi dissolvido conforme certidão de fl.107.

                       Assim como o juízo de origem, perfilho o entendimento de que a não entrega dos documentos solicitados pela reclamada teve motivo justo, o que não é empecilho à estabilidade provisória do autor.

                       Assim, deve ser considerada a regular constituição da entidade, bem como a eleição do autor (fl. 117), sendo certo que a falta do registro sindical não obsta a aquisição da estabilidade, conforme já fundamentado acima, devendo ser mantida a sentença no particular.

                       No tocante à Súmula 369, III, do TST, como bem salientou o juízo de origem, ela não tem aplicação no caso vertente. Isto porque referido Verbete trata da hipótese em que o empregado de categoria diferenciada é eleito para sindicato representante da sua categoria, o que não ocorreu nos autos, haja vista que o autor foi eleito para representar os empregados da reclamada de modo geral e não os técnicos em segurança do trabalho, atividade desenvolvida pelo recorrido.

                       Nego provimento.

           
          MULTA APLICADA NOS EMBARGOS DE DECLARAÇÃO

                       Requer a recorrente a exclusão da multa que lhe foi aplicada, ao argumento de que os embargos não foram protelatórios.

                       Considerando a existência de erro material na conclusão da sentença, entendo que a multa deve ser excluída da condenação.

                       Dou provimento para excluir da condenação a multa aplicada em sede de embargos de declaração.

           
          CONCLUSÃO

                       Pelo exposto, conheço do recurso e, no mérito, DOU-LHE PROVIMENTO PARCIAL para excluir da condenação a multa aplicada em sede de embargos de declaração. Mantenho o valor da condenação por compatível. 

                       Fundamentos pelos quais,  

                       O Tribunal Regional do Trabalho da Terceira Região, por sua Segunda Turma, unanimemente, conheceu do recurso; por maioria de votos, vencido, em parte, o Exmo. Desembargador Revisor, deu-lhe provimento parcial para excluir da condenação a multa aplicada em sede de embargos de declaração. Mantido o valor da condenação, por compatível.

                       Belo Horizonte, 15 de junho de 2010. 

                       LUIZ RONAN NEVES KOURY

             Desembargador Relator

Importante:
1 - Todas as informações podem ser citadas na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

 
Copyright (c) 2006-2017. JurisWay - Todos os direitos reservados