JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Notícias Jurídicas

Últimas notícias

Estado deve pagar R$ 45 mil para mulher que sofreu queimaduras durante cirurgia
TJ-CE - (22/04/2014)

Bradesco Seguros é condenado a pagar R$ 40,3 mil para cliente que teve perda total de veículo
TJ-CE - (22/04/2014)

Empresa de Emergências Médicas condenada por negligência no atendimento
TJ-RS - (22/04/2014)

Estado terá que ressarcir cidadão que gastou 69 mil em hospital particular
TJ-RO - (22/04/2014)

Consumidor só paga diferença cambial em negócio se alertado anteriormente
TJ-SC - (22/04/2014)

Mantida prisão de responsáveis por agência que contratou falsos médicos
TJ-SC - (22/04/2014)

Transportadora pagará indenização por mandar empregada grávida ficar em casa durante período de estabilidade
TRT - 3ª Região - MG - (22/04/2014)

Liminar impede execução de empresa em falência por decisão da Justiça trabalhista
STF - (22/04/2014)

Mais notícias do dia...

Condenado por tráfico de drogas pode apelar em liberdade

Perguntas e Respostas JurisWay
Condenado em primeira instância por tráfico internacional de drogas, L.G.B. poderá apelar de sua condenação em liberdade. O ministro Gilmar Mendes, no exercício da presidência do Supremo Tribunal Federal (STF), deferiu liminar em Habeas Corpus (HC 90374), determinando a soltura do acusado, se por outro motivo não estiver preso.

Consta na decisão que o acusado foi preso em flagrante, respondeu preso ao processo penal, e foi condenado a pouco mais de sete anos de reclusão, em regime fechado, sem o benefício de apelar em liberdade. A defesa interpôs apelação ao Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3).

Por ser réu primário e ter residência fixa, a defesa do acusado impetrou HC no TRF-3 e no Superior Tribunal de Justiça (STJ), para poder aguardar o julgamento da apelação em liberdade, ambos negados.

Decisão

Gilmar Mendes afirmou que, segundo a sentença condenatória, a prisão cautelar foi decretada com base na garantia da ordem pública, por entender o magistrado que a soltura do réu seria um incentivo à prática delituosa, bem como por o condenado não possuir ocupação lícita. E ressaltou que inexistem elementos concretos indicativos de que a conduta ilícita perpetrada pelo ora paciente venha a servir de incentivo a que outros indivíduos também incidam na prática da traficância. E concluiu: ademais, tenho que o fato de o réu não possuir emprego fixo também não tem o condão de ensejar, por si só, a decretação de sua preventiva.

Ainda segundo o ministro, a sentença condenatória diz que não há provas de que o réu se dedique, habitualmente, à prática de crimes, ou que integre organização criminosa. 

Acrescenta ele, que por ainda caber recurso da sentença condenatória, a decretação da prisão cautelar deve estar devidamente fundamentada  em qualquer das hipóteses previstas no art. 312 do Código de Processo Penal.

Com a constatação da existência dos requisitos autorizadores da concessão de liminar, o fumus boni juris (fumaça do bom direito) e o periculum in mora (perigo na demora), Gilmar Mendes determinou que seja expedido o alvará de soltura em favor de L.G.B., salvo se por outro motivo estiver preso.

MB/EC

Processos relacionados : HC-90374

Voltar para notícias

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.
 
 
Copyright (c) 2006-2014. JurisWay - Todos os direitos reservados