JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Notícias Jurídicas

Últimas notícias

Trabalho de presos gera economia de R$ 1 milhão para o Estado
TJ-MS - (26/11/2014)

TJ isenta banco de indenizar cliente que caiu em golpe de e-mail
TJ-MG - (26/11/2014)

Supermercado é condenado por queda de consumidora devido a piso molhado
TJ-DFT - (26/11/2014)

Furto praticado por empregada doméstica é qualificado pelo abuso de confiança
TJ-DFT - (26/11/2014)

Desvio de função não é fato ensejador de danos morais, decide TRT Goiás
TRT - 18ª Região - GO - (26/11/2014)

Venda de bem pelo sócio da executada antes de sua inclusão no polo passivo não é fraude à execução
TRT - 15ª Região - SP (Campinas) - (26/11/2014)

Cobrança abusiva de metas gera indenização de R$ 20 mil por danos morais
TRT - 9ª Região - PR - (26/11/2014)

Empresa de ônibus que não oferecia banheiros dignos a cobrador pagará indenização por danos morais
TRT - 3ª Região - MG - (26/11/2014)

Mais notícias do dia...

O juiz Alexandre Jorge Carneiro da Cunha Filho, da 5ª Vara da Fazenda Pública da Capital, determinou ontem (6) que o colégio Apollo deve validar certificado de conclusão de curso de aluno formado no ano de 2002.

Perguntas e Respostas JurisWay
Ferramentas Facebook:
Envie para um amigo:


Ou compartilhe com todos:

A 2ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo condenou um homem a pagar indenização por assediar e ameaçar uma mulher.         A autora alegou que é locatária do irmão do requerido e que dividem o mesmo quintal. Narrou que este, em visitas ao irmão, constantemente a ofende, assedia e ameaça. Em uma das investidas, ele chegou ao local embriagado e, sem sua permissão, ingressou em sua residência, tentou assediá-la e, diante da recusa, ameaçou-a de morte.

        Pelos danos morais alegados, a dona de casa pediu indenização no valor equivalente a 40 salários mínimos.

        A decisão da juíza Daniela Martins Felippini Augusto, da Vara Judicial de Nova Odessa, determinou a indenização de 20 salários mínimos, vigentes à época do pagamento, pelos danos morais. De acordo com a sentença, a ameaça foi devidamente comprovada nos autos bem como seu temor, tanto que a autora acionou a polícia para comparecer no local. Comprovada a ameaça, restou configurada a ocorrência dos alegados danos morais sofridos pela requerente.

        Inconformado, o réu recorreu da decisão alegando que não restou comprovado nos autos a embriaguez, a invasão de domicílio e as ofensas alegadas pela autora. Afirmou que a autora agiu com má-fé ao ajuizar a ação, expondo fatos inverídicos, e que a testemunha cometeu crime de falso testemunho porque não presenciou os fatos.

        Para o relator do processo, desembargador Neves Amorim, a alegação de falso testemunho caracteriza inovação nas razões recursais, o que não se permite, sob pena de supressão de instância e violação aos princípios de duplo grau de jurisdição.

        Ainda de acordo com o magistrado, demonstrado o nexo entre a ofensa e o dano psíquico, que não se confunde com mero desgosto ou transtorno, cabe o dever de indenizar e o valor fixado pela sentença encontra-se dentro dos parâmetros.

        Os desembargadores José Joaquim dos Santos e Luís Francisco Aguillar Cortez também participaram do julgamento e acompanharam o voto do relator.

 

        Apelação nº 9130780-94.2008.8.26.0000

        Comunicação Social TJSP - AG

Voltar para notícias

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.
 
 
Copyright (c) 2006-2014. JurisWay - Todos os direitos reservados