JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Notícias Jurídicas

Últimas notícias

TCU realiza auditoria no Programa Mais Médicos
TCU - (06/06/2015)

Analfabeto vítima de fraude será indenizado por banco
TJ-GO - (21/05/2015)

Certidão de nascimento deverá registrar dois pais, além do nome da mãe
TJ-MG - (21/05/2015)

Pagamento de precatórios tem novas regras
TJ-MG - (21/05/2015)

Justiça concede tutela antecipada contra Petrobrás
TJ-ES - (21/05/2015)

Sócios têm preferência na aquisição das cotas sociais penhoradas
TRT - 3ª Região - MG - (21/05/2015)

Juiz rejeita atestado médico que não demonstra impossibilidade de locomoção como justificativa de ausência à audiência
TRT - 3ª Região - MG - (21/05/2015)

6ª Turma: transferência de setor motivada por alteração estrutural não configura assédio moral
TRT - 2ª Região - SP - (21/05/2015)

Mais notícias do dia...

Reconhecida competência da Justiça Estadual para julgar ação acidentária

Perguntas e Respostas JurisWay
Ferramentas Facebook:
Envie para um amigo:


Ou compartilhe com todos:

A Quarta Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, por meio dos votos dos desembargadores Leônidas Duarte Monteiro (relator), Carlos Alberto Alves da Rocha (primeiro vogal) e do juiz substituto de Segundo Grau José Bianchini Fernandes (segundo vogal convocado), acolheu unanimemente recurso interposto pela agravante contra decisão proferida em Primeiro Grau e reconheceu a competência da Justiça Estadual para julgar o processo em desfavor do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS). A decisão original havia remetido os autos para a Justiça Federal alegando competência desta o julgamento de ações relacionadas ao INSS, por ser autarquia federal.
 
             Na ação previdenciária com antecipação de tutela, a agravante objetiva que seja restabelecido o benefício previdenciário com a retificação de auxílio doença para auxílio doença acidentário. A agravante sustentou que após a edição da Emenda Constitucional nº 45/2004, não houve mudança quanto à competência da Justiça Estadual para julgar causas dessa natureza, tanto que a mencionada emenda não teria revogado as Súmulas 235 e 501 do Supremo Tribunal Federal e nem a Súmula 15 do Superior Tribunal de Justiça (Agravo de Instrumento nº 84032/2006).
 
            O relator do recurso ressaltou que o artigo 109, inciso I, da Constituição Federal estabelece que Aos juízes federais compete processar e julgar: I - as causas em que a União, entidade autárquica ou empresa pública federal forem interessadas na condição de autoras, rés, assistentes ou oponentes, exceto as de falência, as de acidentes de trabalho e as sujeitas à Justiça Eleitoral e à Justiça do Trabalho. Destacou ainda que, por esse artigo, a competência para processar e julgar as ações acidentárias ajuizadas contra o INSS permanece sendo da Justiça Comum, que excepciona a competência da Justiça Federal.
 
           O desembargador sublinhou que este dispositivo constitucional não sofreu qualquer alteração pela Emenda Constitucional nº. 45/2004 e que, por outro lado, haveria de se consignar que o artigo 114, inciso VI, da CF atribuiu à Justiça do Trabalho a competência para apreciar as ações de indenização por danos morais e patrimoniais decorrentes da relação de trabalho nas quais figurem como partes empregado e empregador. Todavia, essa nova regra não alcançou as ações acidentárias propostas pelo trabalhador, na condição de segurado, contra a Previdência Social, concluiu o magistrado, trazendo farta jurisprudência e reconhecendo a competência da Justiça Estadual para apreciar e julgar o pedido formulado em Primeiro Grau contra o INSS.
 

Coordenadoria de Comunicação Social do TJMT

Voltar para notícias

Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.
 
 
Copyright (c) 2006-2015. JurisWay - Todos os direitos reservados