JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Preparatório OAB
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Sala dos Doutrinadores - Artigos Jurídicos
Autoria:

Dayane Sanara De Matos Lustosa


Atualmente, sou Advogada, Consultora e Correspondente Jurídico do LUSTOSA Assessoria e Consultoria Juridica. Graduada em Direito pela Universidade Estadual de Feira de Santana. Colaboradora de vários sites e revistas jurídicas.

Endereço: Rua Barão do Cotegipe, 1088, Edf. João Ribeiro Lima, 1088 - Sala 210
Bairro: Centro

Feira de Santana - BA
44001-195

Telefone: 75 34910515


envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

A prestação jurisdicional em face do princípio do livre convencimento motivado ou da persuasão racional

A RATIFICAÇÃO DO RECURSO DE APELAÇÃO APÓS JULGAMENTO DOS EMBARGOS DE DECLARAÇÃO COMO REQUISITO DE ADMISSIBILIDADE

CONSIDERAÇÕES SOBRE A AÇÃO MONITÓRIA

A Crise do Processo e do Poder Judiciário no Brasil e no Mundo e a Adoção de Formas Alternativas para Solução das Controvérsias (ADR)

O INCONSTITUCIONAL ARTIGO 285-A DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

DA POSSIBILIDADE JURÍDICA DE PLEITEAR AS PRESTAÇÕES VINCENDAS NO RITO DO ART. 732 DO CPC

INTERVENÇÃO DE TERCEIROS

Inadmissibilidade de quebra do sigilo fiscal de devedores em processos de execução mediante simples despacho deferitório de ofício à Receita Federal, sob pena de ofensa às garantias constitucionais da intimidade / vida privada e sigilo de dados

DUAS QUESTÕES SUSCITADAS EM FACE DA APELAÇÃO CÍVEL

O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL, FRENTE À PROFUNDA REVOLUÇÃO SOCIAL BRASILEIRA

Mais artigos da área...

Artigos Jurídicos Direito Processual Civil

EXECUÇÃO DA PRESTAÇÃO ALIMENTÍCIA X DISCIPLINA DO ART. 475 - J DO CPC

Texto enviado ao JurisWay em 28/09/2012.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?


 

A execução da prestação alimentar trata-se, em linhas gerais, de modalidade especial de execução por quantia certa. Utilizou-se o legislador brasileiro de mecanismos mais ágeis do que os disponíveis para os créditos de outra natureza, já que o inadimplemento da prestação alimentar não gera meramente a diminuição patrimonial, mas risco à própria vida do alimentado. Estando justificado, desta forma, a necessidade de meios mais eficazes para essa modalidade de execução. 

 

Em regra, como nos lembra Luiz Rodrigues Wambier, o título que aparelha a execução de alimentos é o judicial, seja sentença condenatória ou homologatória da transação efetuada em juízo, seja a decisão interlocutória que concede os alimentos provisórios ou provisionais, ou seja, a liminar. 

 

Todavia, também não está afastada a hipótese de essa modalidade de execução ser lastreada por qualquer título executivo extrajudicial previsto no art. 585, II. Sendo tais títulos hábeis de ensejar a execução de dívida de natureza alimentar, desde que expressamente mencionado que a obrigação assumida pelo devedor versa sobre alimentos. 

 

Cumpre informar que a execução de prestação alimentícia pode ocorrer de quatro modos distintos: a) desconto em folha de pagamento; b) cobrança em aluguéis ou outros rendimentos do devedor; c) expropriação de bens do devedor; d) coerção (prisão civil).

 

 

Como sabido, a Lei 11.232/2005 modificou diversos artigos do CPC e estabeleceu uma nova forma de cumprimento para as sentenças que condenam ao pagamento de importância em pecúnia.

 

De acordo com o art. 475-J do CPC, o devedor condenado ao pagamento de importância pecuniária terá o prazo de 15 dias para realizá-lo, sob peba de incidir uma multa de 10% do valor da dívida. 

 

A questão em comento consiste em verificar se a mencionada lei modificou também a forma de execução de alimentos. Por outras palavras, cumpre-nos analisar se o devedor condenado ao pagamento de alimentos será executado na forma tradicional, mediante processo autônomo de execução, sendo o Réu citado para em três dias realizar o pagamento, conforme art. 652 do CPC, ou por meio da técnica de cumprimento de sentença, tendo o prazo de 15 dias para realizar o pagamento, sob pena de incidir a multa de 10% prevista no art. 475-J do CPC. 

 

Como os artigos que disciplinam tal espécie de execução, no CPC, não foram atingidos pelas mudanças introduzidas pela Lei 11.232/2005, a Doutrina discute sua aplicabilidade na execução de alimentos. Existindo, portanto, duas correntes. 

 

Daniel Roberto Hertel[1], versando sobre as duas correntes doutrinárias, afirma que:

 

“Os argumentos que são utilizados para defender a aplicação da Lei n. 11.232/05 são, em linhas gerais, os seguintes: a) unificação dos atos cognitivos e executórios em um único processo; b) necessidade de acabar com uma nova citação do devedor; c) otimização do processo judicial; d) a defesa do devedor será realizada por um meio mais simples, que é a impugnação.

 

De outro vértice, os que se alinham no sentido da não aplicação da Lei n. 11.232/05 destacam que o art. 732 do CPC, que versa sobre a execução dos alimentos sob pena de penhora, não foi objeto de qualquer alteração. Desse modo, não foi a intenção do legislador modificar a execução dos alimentos, devendo esta ser realizada por meio de processo autônomo. Com efeito, o art. 732 do CPC reporta-se ao Capítulo IV do Título II do Livro II, ou seja, aos arts. 646-724 do CPC, e não ao Livro I do Código”.

 

Alexandre Câmara[2] defende a aplicação da Lei 11.232/2005 à execução dos alimentos, apontando para a necessidade de uma releitura do CPC, neste aspecto, a fim de se levar em consideração a estrutura sincretizada para o cumprimento de sentença estabelecida pela lei. 

 

Como fundamento deste pensamento, Alexandre Freitas Câmara, relatar que realmente o legislador da Lei n° 11.232/05 “esqueceu-se” de tratar da execução de alimentos o que pode levar, conforme este autor: 

 

“à impressão de que esta continua submetida ao regime antigo, tratando-se tal modulo processual executivo como um processo autônomo em relação ao módulo de conhecimento. Assim, porém, não nos parece”. 

 

Por isto, seguindo este raciocínio, o autor conclui: 

 

“Não seria razoável supor que se tivesse feito uma reforma do Código Processo Civil destinada a acelerar o andamento da execução de títulos judiciais e que tal reforma não seria capaz de afetar aquela execução do credor que mais precisa de celeridade: a execução de alimentos”.  

 

Luiz Guilherme Marinoni também defende a aplicação da nova lei de cumprimento de sentença à execução da prestação de alimentos, destacando que a "execução é iniciada mediante requerimento simples (art. 475-J) - que não exige o preenchimento integral dos requisitos do art. 282 do CPC (...)"[3]

 

 

Há, entretanto, aqueles que entendem que a intenção do legislador da lei 11.232/2005 não foi impor sua aplicação à execução de alimentos, pois, caso fosse, teria modificado a redação do art. 732 do CPC, que faz expressa remissão às regras de execução por quantia certa dos arts.646 a724 do CPC. 

 

Este, inclusive, é o entendimento de Luiz Rodrigues Wambier[4] quando afirma que: 

 

“assim considerando o teor literal das disposições pode-se supor que a execução de alimentos mediante penhora e expropriação permanece alheia às regras do cumprimento de sentença”. 

 

É importante relatar que seja como for, sempre existiu uma disciplina específica para a execução de alimentos, que, por si só, já lhe assegura grande eficiência. 

 

Exemplo disto é que antes da Lei n° 11.382/06, em regra, a oposição de embargos suspendia a execução. O § único do art. 732, entretanto, já continha regra que assegurava eficácia à execução mesmo na pendência dos embargos. 

 

 Este procedimento permite ao credor, em caso da penhora recair em dinheiro, levantar mensalmente a importância da prestação, independente da oposição de embargos. 

 

Por isso Luiz Rodrigues Wambier, conclui: 

 

“Esse levantamento independe de caução ou qualquer outra garantia. E tal possibilidade de levantamento não é obstada nem pela atribuição de efeito suspensivo aos embargos. Sob este aspecto, a regra do art. 732, § único, é ainda mais favorável ao exequente do que a disciplina de impugnação ao cumprimento de sentença, instituído pela Lei n° 11.232/05, e do que o atual regime do processo de execução, delineado pela Lei n° 11.382/06”.

 

 

Sob este prisma, o autor Luiz Rodrigues Wambier, fica relutante em aceitar o uso do instituto estabelecido nas Leis n° 11.232/05 e 11.382/06, quando as normas especiais forem mais favoráveis, não encontrando óbice para o uso dessas novas regras quando empreenderem mais benefícios ao exeqüente.

 

 

Esta posição é de certa forma materializada nos ensinamentos de Araken de Assis[5] que relata:

 

 

“A reforma da execução do título judicial, promovida pela Lei n° 11.232/05, não alterou, curiosamente, a disciplina execução de alimentos (...). Por conseguinte, não se realizará consoante o modelo do art. 475-J e seguintes (...). Surgem, porem dificuldades com o regime de embargos, resolvidas em prol da aplicação do art. 741- parece obvio que há necessidade de assegurar a oposição do executado, principalmente na expropriação, e que ela jamais se realizará através de impugnação: o art. 475-R manda aplicar o Livro II ao “cumprimento”, e não o contrario –fundando-se a execução em título judicial. Avulta, portanto, a estipulação de certa regra gradação entre os meios executórios(...)”. 

  

 

Apesar dos diversos entendimentos, vale destacar que tem predominado, destacando a jurisprudência dos tribunais estaduais, o entendimento de que a execução de sentença de alimentos submete-se ao rito do art. 475 – J e seguintes, senão vejamos:

 

 

AGRAVO DE INSTRUMENTO. EXECUÇÃO DE SENTENÇA. INCIDÊNCIA DA MULTA DE 10%. DEVEDOR QUE ALEGA NÃO TER PATRIMÔNIO. IRRELEVÂNCIA. ARTIGO 475-J DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. A Lei 11.232/2005, que acrescentou o art. 475-J ao Código de Processo Civil, aplica-se à execução de alimentos.O fato de o devedor não dispor de valor em pecúnia para saldar o débito, não justifica a retirada da multa de 10%, eis que nos termos do art. 475-J, do Código de Processo Civil, o simples inadimplemento determina a sua incidência. (Agravo de Instrumento nº. 70018323584, 8ª Câmara Cível. Tribunal de Justiça do RS. Relator Claudir Fidélis Faccenda, julgado em 07/05/2007).  

 

Destaque-se que na prática forense, as modificações tem gerado grande confusão, na medida em que alguns  magistrados tem aplicado as alterações na Lei 11.232/2005 à execução da prestação de alimentos, enquanto outros deixam de aplicá-las. 

 

Diante disto, há a necessidade do Superior Tribunal de Justiça solucionar a questão, a fim de encerrar a instabilidade jurídica e confusão existente entre os operadores do direito e garantir maior proteção e segurança aos credores de alimentos.

 



[1]HERTEL, Daniel Roberto. A execução da prestação de alimentos e a nova técnica de cumprimento de sentença. Jus Navigandi, Teresina, ano 12, n. 1804, 9 jun. 2008. Disponível em: . Acesso em 20 de Julho de 2009.

[2] CÂMARA, Alexandre Freitas. Lições de direito processual civil. 14. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Lumen juris, 2007.

[3]MARINONI, Luiz Guilherme; ARENHART, Sérgio Cruz. Execução. São Paulo: Revista dos tribunais, 2007

[4] WAMBIER, Luiz Rodrigues; ALMEIDA, Flávio Renato Correia de; TALAMINI, Eduardo. Curso avançado de processo civil. 9. ed. rev. ampl. e atual. São Paulo: Revista dos tribunais, 2007. v. 2.

 [5]ASSIS, Araken de. Cumprimento da Sentença. Rio de Janeiro: Forense, 2006.

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Dayane Sanara De Matos Lustosa) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2014. JurisWay - Todos os direitos reservados