JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Preparatório OAB
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Sala dos Doutrinadores - Artigos Jurídicos
Autoria:

Lindomar Rodrigues De Oliveira


ADVOGADO : CIVIL, TRABALHISTA E Juizados Especiais. PÓS-GRADUADO EM DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL PELA FACULDADE DE DIREITO DAMÁSIO DE JESUS. MESTRANDO EM CIÊNCIAS JURÍDICAS PELA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA - PORTUGAL.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Benefício de Prestação Continuada - BPC confrontado com a Aposentadoria por Invalidez

APOSENTADORIA DO TRABALHADOR RURAL

A aposentadoria especial e a inversão da punibilidade

OS MEIOS DE PROVAS PARA A CONCESSÃO DE APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO NA CATEGORIA EMPREGADO

A PERSPECTIVA JURISPRUDENCIAL ACERCA DO PRAZO DECADENCIAL PARA REVISÃO DE ATO CONCESSÓRIO DE BENEFICIO PREVIDENCIÁRIO

AÇÃO DE CONCESSÃO DE BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO, COM PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA, PELO RITO SUMÁRIO

Benefício da Aposentadoria por idade: Busca pela vida digna

O DIREITO DO HOMOSSEXUAL À PENSÃO POR MORTE DO COMPANHEIRO

A demora administrativa e a suspensão do prazo prescricional de prestações previdenciárias

Revisão do valor da RMI pela ORTN / OTN versus o Critério Administrativo

Mais artigos da área...

Artigos Jurídicos Direito Previdenciário Direito Previdenciário

Assistência Social

Esse trabalho se propõe a estudar e demonstrar alguns criteiros que são adotados para o concessão de beneficios pelo Estado aos cidadãos.

Texto enviado ao JurisWay em 22/09/2009.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?
 
Assistência Social
 
Introdução
Podemos afirmar que a Assistência Social, surge desde os primórdios. Quando os homens perceberam que não estvam sozinhos na sociedade e, buscam através da ajuda mútua um meio de compartilhar e auxiliar uns aos outros, principalmente, aqueles que eram desprovidos de possibilidades financeiras, saúde. Com o passar do tempo podemos ver visivelmente a igreja avocando para si essa prerrogativa para auxiliar pessoas através de praticas Assistencialistas. Dentre as instituições eclesiásticas podemos citar os Vicentinos e franciscanos que apregoavam a caridade e a assistencialismo aos necessitados.
No brasil vemos além das igrejas algumas organizações não governamentais exercendo esse papel de assistencialismo. O papel desempenhado por essas organizações (igrejas e organizações não governamentais) são normalmente situadas no campo da filantrópica e era desempenhado por um dever moral. Já a Assistência Social como politica social surge juntamente com outras políticas estatal estatuídas no corpo do texto constitucional.
 
Assistência Social como política social
 
   Wladimir Novaes Martinez citando a definição de Antonio Ferreira Cesarino Júnior (“Direito Social”, p. 421) define a Assistência Social como “a parte do direito Social relativa à concecessão aos hipossuficientes de meios de satisfação de suas necessidades vitais, sem contraprestação de sua parte[1]”.O reconhecimento legislativo da Assistência Social como política social pública surge com a Constituição Federal de 1988 e com aprovação da Lei 8.742-93 que dipõe sobre a organização da Assistência Social e traz no seu bojo o conceito legal. Segundo o artigo 1º. da referida Lei a Assistência Social é um direito do cidadão e dever do Estado, e resalta que é política de Seguridade Social e não contributiva, “pois não apresenta natureza de seguro social[2]” . Essa idéia do legislador de criar uma Lei específica para regulamentar o assistencialismo no país tem sua base na  constituição da República que afirma no seu art. 203 que: “a assistência social será prestada a quem necessitar, indempendentemente da contribuição à seguridade social”. Como essa norma constitucional tem caráter programático, foi necessário que o legislador editasse uma Lei que definisse os critérios para a prestação àqueles que necesitassem da assistência estatal. Com base na norma superior, podemos afirmar que a Assistência Social é “uma politica social (art. 4º. Lei 8.212-91)” que deverá ser mantida pelo Estado como forma de assegurar aos mais necessitados um mínimo básico para subsistência.
            Segundo Martinez[3], a Assistência Social é uma das maiores divisões do Direito Previdenciário e se classifica como técnica de proteção social. Técnica que será posta em prática com os recursos do orçamento da seguridade social (art. 195, CF-88).
 
Objetivos e Princípios norteadores da Assistência Social
 
            O objetivo principal da Assistência Social é o atendimento aos necessitados. Para tanto, a organazição da política social assistencialista, é organizada de forma descentralizada no que tange à politica-administrativa. Essa política se configura em ações integradas dos Estados, Municípios e União (cabendo a este a cordenação e as normas gerais na esfera federal). Além do atendimento aos necessitados como forma de enfrentamento da pobreza, a Assistência Social, ainda, tem os seguintes objetivos:
  1. Proteção á familia, à maternidade, à infância, à adolescência e à velhice;
  2. O amparo as crianças e adolescentes carentes;
  3. Habiliatação e reabilitação das pessoas portadoras de deficiências e sua integração à comunidade;
  4. Prover àqueles que não podem se sustentar, em especial, o idoso e o portador de deficiência, desde que comprovem não serem capazes de proverem suas necessidades ou de não terem ela feita pela família;
  5. A promoção da integração ao mercado de trabalho.  
 
Como visto a Assistência Social se realiza de forma integrada e tem os seus próprios preceitos fundamentais: esta característica é intrínseca aos institutos autônomos.
Os princípios que regem a Assistência Social no Brasil são:
  1. Supremácia do atendimento às necessidades sociais sobre exigências de rentabilidade ecônomica;
  2. Universalização dos direitos sociais, a fim de tornar destinário da ação assistêncial alcançável pelas demais políticas públicas;
  3. Respeito à dignidade do cidadão, à sua autonomia e ao seu direito a benefícios e serviços de qualidade, bem como a convivência familiar e comunitária, vedando-se qualquer comprovação vexatória da necessidade;
  4. Igualdade de direito no acesso ao atendimento, sem discriminação de qualquer natureza, garantido-se equivalência ás populações urbanas e rurais;
  5. Divulgação ampla dos benefícios, serviços, programas e projetos assistenciais, bem como dos recursos e oferecidos pelo Poder Público e dos critérios para a concessão.
Além dos princípios a Assistencia Social tem como diretrizes:
i.              Descentralização político-administrativa e comando único em cada esfera do governo;
ii.            Participação da população por meio de organização representativas, na formulação das políticas e no controle das ações em todos os níveis;
iii.           Primazia da responsabilidade do Estado na condução da política de assistência social em cada esfera do governo.
 
 
 
Procedimento
 
Para que a pessoa possa usufruir do benefício da assistência elas devem preencher alguns requisitos objetivos. Desta feita, a pessoa portadora de deficiência ou idosa com 70 anos (art. 20 da Lei 8.742-93), que com o advento da Lei 10.741 de 1º. de outubro de 2003, o Estatuto do Idoso a idade fora reduzida para 65 anos (art. 34) ou mais na data na qual for requerido o benefício. As pessoas em que neles (requisitos) se enquadrar deverá encaminhar-se ao Posto do INSS, portando todos os documentos necessários e preencher o requerimento concernente ao benefício de amparo social ou de prestação continuada desde que não acumulado com outro qualquer no âmbito da seguridade social (art. 20, §4º. Lei 8742). O tutor pode requerer o benefício para a pessoa que ele representa, se este não o poder fazer por si só. A concessão do benefício, para os incapacitados (deficientes e familiares) de proverem a sua própria subsistência, ficarão sujeitas a aprovação pericial e laudo realizado pelo o serviço de perícia médica do Instituto Nacional do Seguro social - INSS. Os benefícios deverão ser concedidos em 45 dias após cumpridas as exigências descitas ácima.
Além do benefício continuado ao idoso com 65 anos ou mais e às pessoas portadoras de deficiência. A assistência Social disponibiliza outro benefício, no qual visa ao pagamento de auxílio natalidade ou morte, que a lei chama de benefícios eventuais e, geralmente, é destinado àqueles que tem renda mensal per capita inferior a ¼ (um quarto) do salário mínimo. Nos casos de benefícios eventuais a concessão, critérios, prazos e o valores serão regulamentadas pelos Conselho Nacional de Assistência Social – CNAS, no âmbito das respectivas competências dos entes federativos.
 
Considerações finais
 
É preciso ter em mente que as normas programáticas da Constituição não tem aplicação de imediato e são executadas de acordo a possibilidade e conveniência, mas é mister que se reduza as idéias do bem social a uma carta de intenções, para que na medida do possivel sejam efetivadas. É preciso que a política assistencial venha imbuída na sua concepção pura, e não desvirtuada com os interesses políticos e eleitoreiro. É preciso que o princípio da publicidade seja usado para esclarecer a população sobre os seus direitos e não somente quando os políticos usam esse princípio como forma de perpertuar o clientelismo.  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Bibliografia
Legislações: Constituição da República; Lei 8.742-93; Lei 10.741-03; Lei 8.212-91
Moraes, Alexandre de
Direito Constitucional / Alexandre de Moraes. - 21. ed. - São Paulo: Atlas, 2007 .
Martinez, Wladimir Novaes
Princípios de direito previdenciário / Wladimir Novaes Martinez. 4. ed. – São Paulo: LTr, 2001. 


[1] Princípio de Direito Previdenciário, p. 206, 4ª. edição.
[2] Alexandre de Moraes, direito constitucional, p. 785, 21ª. Edição.
[3] Princípios de Direito Previdenciário, p. 205, 4ª. edição
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Lindomar Rodrigues De Oliveira) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2014. JurisWay - Todos os direitos reservados