JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A COBRANÇA DE TÍTULOS BANCÁRIOS E OS DANOS MORAIS


Autoria:

Jacqueline Aíses Ribeiro Veloso


Sou advogada militante, formada UFMG. Atualmente atuo nas áreas cível e trabalhista especialmente para empresas. Não deixe sua empresa esperando. Disponibilidade para correspondência de outros escritórios em Belo Horizonte e região metropolitana.

Endereço: Rua Rio Grande do Sul, 697 - Sala 1601
Bairro: Barro Preto

Belo Horizonte - MG
30170-110


envie um e-mail para este autor

Resumo:

O protesto indevido do nome de clientes é um problema cada vez mais recorrente no ambiente empresarial que então se coloca diante de um grande desafio: como evitar as indesejadas condenações por danos morais graças à conduta irregular dos bancos.

Texto enviado ao JurisWay em 17/06/2009.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Em recente consulta elaborada por um cliente, me deparei com um problema que, acredito, muitas empresas estejam enfrentando, graças aos mecanismos de cobrança oferecidos por instituições financeiras: o protesto indevido do nome de seus clientes que geram condenações judiciais de pagamento de indenizações por danos morais, muitas vezes bastante elevadas.

 

Os bancos oferecem às empresas clientes a possibilidade de emitir boletos bancários para a cobrança de serviços prestados, ou mesmo para o pagamento de mercadorias entregues, boletos estes que são enviados diretamente ao cliente destas empresas para pagamento na data ajustada.

 

Ocorre que o sistema de conferência de pagamentos utilizado pelos bancos apresenta falhas, pois nem sempre, à quitação realizada, corresponde a baixa do título no sistema, que permanece em aberto, e, em consequência, não raro, observa-se o protesto de títulos já quitados, ensejando, assim a condenação das empresas ao pagamento de indenizações aos clientes que tiveram seus nomes indevidamente protestados.

 

Em outras situações, o banco dá por quitado o débito e ainda assim efetua a cobrança extra ou judicialmente. Em qualquer dos casos, as empresas são surpreendidas com processos judiciais que pretendem o ressarcimento dos danos morais amargados por seus clientes.

 

Vale lembrar que a responsabilidade pelo protesto indevido é objetiva, ou seja, o cliente sequer precisa demonstrar que teve, por exemplo, o crédito negado em outro estabelecimento para fazer jus à indenização. O simples fato de ter seu nome indevidamente incluído no rol de maus pagadores gera transtornos suficientes para que se determine a compensação dos danos morais. Ou seja, fatalmente a empresa será obrigada a indenizar o cliente pela indevida negativação de seu nome.

 

Essas condenações, porém, podem ser evitadas com a adoção de uma medida simples.

 

Os contratos firmados com os bancos, em sua maioria, permitem que a própria instituição financeira – através do endosso, que transferi a titularidade do boleto – adote as medidas necessárias à cobrança dos títulos inadimplidos, cuja primeira medida é exatamente o protesto do nome do cliente faltoso perante o cartório de títulos.

 

Assim, é necessário que as empresas usuárias destes serviços revisem seus contratos, excluindo a cláusula de endosso, para que elas próprias tomem as medidas necessárias tanto à verificação dos pagamentos quanto para a promoção da cobrança dos títulos inadimplidos, que pode ser realizada judicial ou extrajudicialmente através do advogado de sua confiança, reduzindo-se, desta forma, os riscos dos protestos indevidos.

 

Por outro lado, se sua empresa já estiver enfrentando este problema, é bom saber que os Tribunais brasileiros têm firmado entendimento de que, nos casos de protesto indevido, a responsabilidade pelo pagamento da indenização, quando não solidária, ou seja, do banco em conjunto com a empresa, é exclusivamente da instituição financeira. Isso porque as falhas operacionais já são conhecidas e os bancos que esquivam da observância de todas as diligências necessárias à compensação do título, e sua respectiva baixa.

 

Não obstante, mesmo que a empresa tenha sido condenada a pagar, e tenha efetivamente pago, sozinha a indenização, a ela é assegurado o direito de regresso, facultando-lhe a cobrança, contra o banco, dos valores que despendeu com o pagamento da indenização, em razão do indevido protesto realizado pela instituição financeira.

 

E lembre-se, sempre procure um advogado para defender os direitos e interesses de sua empresa.
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Jacqueline Aíses Ribeiro Veloso) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2014. JurisWay - Todos os direitos reservados